Convergência Digital - Home

Novas soluções de BI diminuem dependência da área usuária na TI

Convergência Digital
Por Roberta Prescott - 16/05/2014

Há uma nova classe de produtos que promete mudar o mercado de soluções de inteligência e de análise. “As novas ferramentas de BI tentam eliminar o gargalo das antigas, que demandavam projetos de médio prazo, caros, complexos e que envolviam diversos departamentos da empresa, além de deixar a com área usuária dependente da área de TI”, explicou Enrique Falconi, responsável pelas soluções de BI no SAS, em entrevista exclusiva ao Portal Convergência Digital.

De acordo com ele, as novas soluções são mais diretas, deixando as áreas usuárias menos dependentes da TI, pois foram criadas para usuário final, e são menos complexas, o que diminui o tempo de implantação para cerca de três meses. Elas fazem parte de uma tendência de soluções self-service, que permitem os usuários criar análises e relatórios para compreensão gráfica de dados.

Para Falconi, que atua no mercado de soluções de inteligência e análise desde 1998, o mercado evoluiu bastante. “As soluções de BI convencionais não têm capacidade de extrair valor do big data. Esta nova geração de soluções cumpre esta missão, tanto se conectada a um ambiente estruturado de data warehouse, como de Hadoop.” A principal complexidade para se analisar o big data deve-se ao fato de as soluções de business intelligence (BI) requisitarem dados estruturados, o que dificilmente acontece no big data.

É nesta linha que o SAS, empresa dos Estados Unidos que mantém seu capital fechado, vem apostando. Há aproximadamente dois anos, a companhia lançou o Visual Analytics, que utiliza a tecnologia em memória de processamento de grandes volumes de dados e, assim, responder às necessidade de endereçar o big data.  “É uma solução que atende à demanda crescente de ferramentas de BI com analytics embutido”, explicou Falconi. No Brasil, foram vendidas 35 licenças de Visual analytics — no mundo, elas somam 1.400.

No mês passado, o SAS anunciou contrato com a Amazon Web Services (AWS), fornecedora de infraestrutura e plataformas em nuvem, para a prestação de serviços na nuvem do Visual Analytics. A aposta deu resultado. O SAS fechou 2013 com receitas de US$ 3,02 bilhões, parte delas conquistadas devido à popularidade do SAS Visual Analytics.

Já a receita de serviços baseados em nuvem, SAS Solutions OnDemand, cresceu 20% — liderado pelas companhias farmacêuticas.No Brasil, as empresas também vêm olhando para esta nova classe de soluções. As implantações são lideradas pelas verticais de telecomunicações e de finanças. Sem revelar nomes, Falconi contou que não tem hoje uma empresa que não enxergue o valor de se analisar o big data.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis

Destaques
Destaques

Open Stack conquista o coração e o bolso das corporações

A possibilidade de personalizar o código-fonte para desenvolver aplicativos é o motivo mais forte apontado para a adesão ao open source pelas empresas latino-americanas.

Pública ou privada, a nuvem é incorporada à TI dos bancos

"Se algum banco não aceita é problema dele", diz José Antônio Eirado Neto, da Caixa. "Interoperabilidade ainda nos desafia", pontua Marino Aguiar, do Santander. Já Maurício Minas, do Bradesco, defende a nuvem pública, mas assume: "não faz sentido se desfazer do que foi construído no mainframe".



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O uso inteligente do Big Data a favor da indústria

Por Marlos Bosso*

Os impactos da revolução 4.0 são inevitáveis. Identrificar o que está por vir é o desafio dos executivos.

Produzimos mais dados do que a capacidade de armazená-los

Por Thiago Franco*

Será que a demanda digital romperá com os limites físicos dos datacenters em curto prazo? Nos últimos anos, muitos especialistas têm tentado responder a esta pergunta.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site