INTERNET

Copa 2014: estádios fecham a porta para Wifi das teles

Luís Osvaldo Grossmann ... 20/05/2014 ... Convergência Digital

Os presidentes das maiores operadoras móveis do país reclamaram nesta terça-feira, 20/5, da falta de acordo com administradores de estádios e de aeroportos no país para a instalação de equipamentos de telecomunicações. A briga envolveria a cobrança de ‘aluguéis’ de áreas de implantação de infraestrutura - ou a exploração "direta" nos caso de estádios. 

Os executivos nominaram o Itaquerão, em São Paulo; Mineirão, em Belo Horizonte; Arena da Baixada, em Curitiba; Arena Pernambuco, em Recife; Castelão, em Fortaleza; e Arena das Dunas, em Natal, como os locais onde não foi possível acerto com os responsáveis para a instalação de redes WiFi.

“Seis estádios optaram por fazer redes próprias, provavelmente para usar de forma comercial”, lamentou o diretor-executivo do sindicato nacional das operadoras, Sinditelebrasil, Eduardo Levy. Segundo ele, nesses casos “haverá dificuldade”.

Mais grave, porém, é a situação no Itaquerão e na Arena da Baixada por conta do atraso na conclusão das obras. “No Paraná e em São Paulo não será possível realizar os testes de ajustes do sistema em função dos prazos de entrega dessas salas”, disse o presidente da Vivo, Antonio Carlos Valente.

“Nossa situação mais urgente, as implantações mais críticas, são os estádios entregues recentemente. O Beira Rio foi entregue em maço. Em Curitiba e São Paulo foram entregues nos últimos dias de abril. O tempo está contra nós”, emendou o presidente da Claro, Carlos Zenteno, ao incluir Porto Alegre.

Os aeroportos também foram alvo. Segundo Valente, no Rio, Salvador, Fortaleza, Recife, Brasília e Congonhas, em São Paulo, receberam “paliativos de 4G”. “Mas em Confins [Belo Horizonte], Curitiba, Natal, Viracopos e Guarulhos [São Paulo], Cuiabá e Manaus ainda dependemos de espaço, negociação ou ambos”.

Como já ilustrara o senador Zezé Perrela (PDT-MG), ex-presidente do Cruzeiro, ao falar de seu quintal, o Mineirão, a divergência em Belo Horizonte se deu porque o administrador do estádio queria R$ 10 mil por mês de aluguel. As teles só aceitaram pagar R$ 2 mil.

As empresas preferem custo zero. “Temos que deixar de lado os negócios relacionados aos aluguéis dos estádios, dos espaços nos aeroportos. Faço um chamado para que todos abram as portas para as operadoras para começarmos a implantar os equipamentos o mais rápido possível”, pediu Carlos Zenteno, presidente da Claro.

Segundo o sindicato nacional das empresas, no entanto, no caso dos estádios o “aluguel” não explica a divergência. No caso do Mineirão, por exemplo, o custo para a instalação de equipamentos na arena já estava acertado desde a Copa das Confederações, no ano passado.

Não seria, assim, “uma questão de valor”. Visto que “equipamentos de WiFi podem ser instalados por qualquer um” – até porque o uso é de frequência não licenciada, em geral 5,8 GHz – as divergências com os administradores dos estádios estaria no interesse desses de explorar diretamente a oferta de rede.


Com domínio 'rio.br', o NIC.br termina a campanha Cidades.br

Os domínios "sampa.br", "curitiba.br", "poa.br" e "floripa.br" estão entre os DPNs mais populares. De acordo com o NIC.br, mais de 40 mil domínios de cidades já foram registrados, o que representa quase 8% da base de domínios sob o '.br', que não são '.com.br'.

"Nem todos os robôs utilizados na Internet são ruins", adverte o TSE

Segunda reunião do Tribunal Superior Eleitoral para tratar das chamadas fake news discutiu, entre outros temas, modelagem API ea criação de um ambiente virtual para receber denúncias e sugestões.

CGI.br: Multissetorialismo se mantém como base para a Governança da Internet

O CGI.br entregou as suas recomendações ao MCTIC para o aperfeiçoamento da estrutura da governança da Internet. Iniciativa reúne consensos entre os setores acadêmico, empresarial e terceiro setor. Há sugestões de mudança na estrutura do próprio Comitê Gestor.

FCC derruba neutralidade de rede e EUA se preparam para guerra judicial

Sem surpresas, a decisão se deu em bases partidárias: a maioria Republicana matou as regras que impediam operadoras de discriminarem tráfego na internet. Mas a decisão vai ser questionada nos tribunais. 

Assespro vai ao STF obrigar juízes a usarem MLAT nos dados fora do Brasil

Com filiados como Facebook, Microsoft e Uber, entidade quer a prevalência do acordo de cooperação judiciária com os EUA para acesso a informações de usuários, mesmo brasileiros, que estejam em datacenters no exterior.  

Revista Abranet 23 . dez 2017 - jan/fev 2018
Veja a Revista Abranet nº 23 Qual é a fórmula do sucesso? Boas práticas aplicadas por corporações bem-sucedidas sugerem um caminho a seguir. Entrevista com Tadao Takahashi. Discussão sobre a lei de proteção de dados avança. E mais.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G