INTERNET

Abranet: Serviços especiais mudam a natureza da Internet

Luís Osvaldo Grossmann ... 04/06/2014 ... Convergência Digital

O debate da regulamentação do Marco Civil da Internet já começou. Como ficou evidente em um encontro sobre neutralidade de rede promovido pelo Idec, na terça, 3/6, as operadoras – apoiadas pela Anatel – insistem em ‘serviços especializados’. Para pequenos e médios provedores, no entanto, a regra geral da rede é descrita nos jargões ‘best effort’ ou FIFO, do inglês ‘first in, first out’.

“As pessoas as vezes querem ter serviços ‘premium’, mas a gente não pode tirar a natureza da Internet, e ela é o ‘best effort’ mesmo, é o pacote trafegando dentro das possibilidades que existem dentro do cabo. Essa é a magia que permite que qualquer um possa ter uma ideia maravilhosa e criar dentro dessa rede e ser um sucesso, seja no conteúdo, seja no aplicativo, seja em qualquer esfera”, resume o presidente do Conselho Consultivo da Abranet, Eduardo Parajo.

São milhares de redes ao redor do mundo. No entanto, a simplicidade do arranjo de “melhor esforço” faz parte dessa “magia” pela qual qualquer um pode conectar um servidor web em qualquer lugar e automaticamente alcançar qualquer computador no planeta, independentemente do que tem nesse servidor ou mesmo de qual dessas milhares de redes ele está conectado.

A depender das operadoras, vídeos da Netflix, ou da Globo, ou uma videoconferência, podem muito bem ser enquadrados como os tais “serviços especializados”. Significa dar tratamento diferenciado, ou de QoS – outro jargão, para Qualidade de Serviço – e, naturalmente, poder cobrar pela diferença de tratamento dado a determinados pacotes em seu transitar pela rede.

Uma forma indireta de abordar os serviços especializados vem vestida nos acessos gratuitos a determinados aplicativos. O exemplo mais comum é nos acessos a redes sociais como Facebook ou Twitter que são “grátis”. Ou seja, não contam como consumo de bits nos pacotes de dados ou mesmo podem ser acessados por quem tem aparelho capaz mas sequer assinou um plano de dados – ou seja, tem smartphone mas não contrato de conexão à Internet.

Outra forma são os “acessos patrocinados’, quando o provedor do aplicativo “paga a conta”. Isso acontece em serviços do governo, notadamente aplicativos do Ministério da Educação, que podem ser acessados mesmo por quem não tem plano de dados. Também existe no setor privado, quando um banco como o Bradesco “paga” pelos acessos ao aplicativo de banco eletrônico no celular.

Para o presidente do Conselho da Abranet, a lógica das operadoras está em sustentar que existe uma conexão direta com servidores de redes sociais, como se assim um Facebook, por exemplo, estivesse conectado na rede interna da tele. “Querendo dizer com isso que esse conteúdo faz parta da intranet dela, operadora. Aí, se não é Internet, não haveria porque entender que há quebra de neutralidade”, diz Parajo.

Como destacou durante o debate no Idec, no fundo a suposta “gratuidade” mexe diretamente com essa capacidade de baixíssima barreira de entrada da Internet. “Espero que a gente não crie barreiras à inovação. Até para que não tenhamos somente os aplicativos A, B e C, mas que também possamos ter D, E, F, até Z”, insistiu.


Europa busca consenso para taxar gigantes da Internet

Uma nova proposta costurada por Alemanha e França reduz o escopo da cobrança para mirar apenas nas receitas com publicidade.

5G exige rediscussão imediata da neutralidade de rede

"Serão novas e tão diferentes aplicações, e algumas até podem fazer a diferença entre a vida e a morte. A questão da neutralidade precisa ser encarada agora no mundo e aqui no Brasil", sustenta o diretor da 5G Americas e de Relações com o Governo da Ericsson Brasil, Tiago Machado.

Serviço de streaming de esporte chega ao Brasil e usa YouTube e Facebook

A DAZN inicia oferta comercial em março do ano que vem e terá exclusividade da Copa Sul-Americana de 2019. Modelo de negócio é por curto prazo e por partida transmitida. Empresa, especializada em esportes, tem atuação na Europa, EUA e Ásia

Associação de OTT quer Autoridade de Dados tratada na transição do governo Bolsonaro

Associação Brasileira de OTT diz que a criação da autoridade poderá ficar prejudicada após a intensa mudança de quadros no Executivo e Legislativo o que poderá prejudicar a aplicação efetiva da Lei de Dados Pessoais em 2020.

Só 27% dos que usam smartphones se sentem no controle dos dados pessoais

Pesquisa em 10 países, inclusive no Brasil, aponta que os sucessivos casos de vazamentos e novas leis de proteção da privacidade despertaram a preocupação com dados pessoais e 76% tentam protegê-los.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G