INOVAÇÃO

Startup cria plataforma para vender tablets e smartphones usados

Da redação ... 22/08/2014 ... Convergência Digital

Os smartphones estão chegando às mãos da maior parte dos brasileiros e um mercado já se advinha: a compra e venda de celulares inteligentes usados. Atenta ao potencial desse negócio, dois empreendedores curitibanos criaram a Ziggo, uma startup voltada para esse tipo de transação. A empresa compra celulares das principais marcas - Samsung, LG, Nokia, Sony, Blackberry e Motorola. Outro de seus diferenciais está no fato de aceitar dispositivos operando ou danificados - especialmente telas avariadas ou trincadas, um dos danos mais comuns em smartphones atualmente.

O funcionamento da Ziggo é simples: por meio do portal da empresa, o consumidor informa o modelo e as condições, recebendo uma oferta imediata pelo aparelho. "As pessoas estão atualizando os dispositivos com frequência maior, visando modelos mais modernos. Mas, ao mesmo tempo, encontram dificuldades para repassar o smartphone antigo", explica Guilherme Marcondes Macedo, sócio-fundador da Ziggo.

Na plataforma online, o consumidor encontra preços competitivos, facilidade, agilidade na avaliação, pagamento em até 24 horas, frete grátis e a segurança de tratar com uma empresa especializada.
"Percebemos a oportunidade ao repararmos o receio de muitas pessoas em negociarem seus smartphones nos sites de venda já existentes", esclarece Felippe Gubert Duarte, diretor-operacional da Startup.

Com a plataforma, a Ziggo está inserindo no País o conceito do recomércio ou comércio reverso, algo ainda pouco discutido no Brasil, mas que encontra destaque na Europa e Estados Unidos. "O recomércio promove a recuperação e o reuso de produtos. É também extensão do e-commerce, no qual o cliente é o vendedor e recebe para comercializar seus produtos", diz Hermine Tham, sócia-fundadora da companhia.

Pesquisas produzidas no Reino Unido mostram que 50% dos smartphones são reaproveitados por meio do recomércio. Ou seja, os clientes aproveitam seus dispositivos antigos para financiar a aquisição de novos aparelhos. "Tendo em vista essa lógica, entendemos que o mercado brasileiro facilmente movimentará 300 mil unidades por mês por meio de plataformas como a Ziggo", analisa Macedo.As projeções da startup para 2014 são de movimentar 600 dispositivos por mês e atingir 7,5 mil equipamentos em 2015.

Essa perspectiva se apoia na venda dos smartphones no País - números que crescem a cada ano. Dados do Instituto IDC, especializado em avaliações sobre o setor de tecnologia, mostram que mais da metade das vendas de celulares foram de smartphones. Os aparelhos multifuncionais bateram recorde em 2013, com 35,6 milhões de equipamentos vendidos, crescimento de 123% frente a 2012.

Além disso, pesquisa da Motorola Mobility aponta que os brasileiros trocam de smartphone a cada 16 meses. A maior parte desses smartphones seminovos tem pelo menos mais um ano de uso, conforme estudo recente realizado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), que estimou uma vida-útil de cerca de três anos para os aparelhos.


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Fintechs incubadas pelo BC já encontram negócios no sistema financeiro

Projetos selecionados pelo Laboratório de Inovações Financeiras e Tecnológicas já estão em uso em instituições como Bradesco e há negociações com outras instituições.

FICO leva IA e machine learning para além da indústria financeira

Verticais como varejo, manufatura e telecomunicações já são usuárias da solução,revela o vice-presidente e diretor-geral da FICO para América Latina e Caribe, Alexandre Graff.

Seguradora HDI trabalha legado para pavimentar transformação digital

Seguradora instituiu um plano de jornada, com quatro anos de duração, para se adaptar à uma nova era digital, afirma a CIO da HDI, Denise Ciavatta.

Brasil fica longe da Inovação e acumula mais de 225 mil pedidos de patentes

Estudo produzido pela Associação Brasileira de Propriedade Intelectual (ABPI) adverte que o País só despenca no ranking global de inovação e, neste momento, ocupa a última posição. Governo e empresas privadas investem pouco e não assumem os riscos inerentes à Inovação.

Ministério da Economia quer privatizar o financiamento à inovação

Além das empresas estatais de TICs como Serpro, Dataprev, Telebras e Ceitec, lista da secretaria de desestatizações , comandada por Salim Mattar, inclui a Finep, agência de fomento do MCTIC, e o próprio BNDES.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G