GOVERNO

Softex assume a coordenação do Start-Up Brasil

Convergência Digital ... 01/09/2014 ... Convergência Digital

A partir desta segunda-feira, 01/09, a gestão das operações do Start-Up Brasil - Programa Nacional de Aceleração de Startups – passa para as mãos da Softex. Lançado em novembro de 2012 pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), o programa tem por objetivo apoiar as empresas recém-criadas no segmento de tecnologia.

O Start-Up Brasil está em sua segunda edição. A cada ano, são habilitadas aceleradoras, qualificadas e selecionadas por meio de um edital específico. Em seguida, são realizadas duas rodadas semestrais para a seleção das 100 startups, nacionais e internacionais, que serão apoiadas pelo programa por ano. Os resultados da seleção de startups da Turma 3 serão divulgados a partir de 1° de setembro e a próxima seleção de startups terá início no dia 14 de setembro.

Ao assumir a gestão da execução do Start-Up Brasil, a Softex agrega programas complementares em diversas áreas, entre as quais inovação e qualidade. “No âmbito da internacionalização, podemos destacar também o apoio dado às empresas brasileiras através de nosso HUB em Nova Iorque e de nosso escritório comercial em Singapura”, diz Ney Leal, vice-presidente executivo da Softex.

O Start-Up Brasil integra o TI Maior - Programa Estratégico de Software e Serviços de TI, que como base o desenvolvimento econômico e social; o posicionamento internacional; a inovação e o empreendedorismo; a produção científica e tecnológica e a competitividade. “Estamos felizes com essa nova fase do Start-Up Brasil, com o apoio da Softex. Vamos somar esforços ao trabalho que vem sendo realizado pelo programa, trazendo a experiência de seus inúmeros projetos de apoio ao setor de TICs no Brasil e exterior”, diz Felipe Matos, COO do Programa.

Realizado em parceria com 12 aceleradoras privadas localizadas nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Campinas, Belo Horizonte, Vitória, Porto Alegre, Salvador e Recife, o Start-Up Brasil busca apoiar empresas nacionais e internacionais que tenham até quatro anos de existência e desenvolvam produtos/serviços inovadores utilizando software, hardware ou serviços de TI.

As startups apoiadas participam de programas de aceleração. Nesta fase, com duração de 12 meses, as startups selecionadas têm acesso a bolsas para pesquisa, desenvolvimento e inovação no valor de até R$ 200 mil; a um aporte de investimento da aceleradora para inserção no mercado, que varia entre R$ 20 e 150 mil; e participam de uma série de eventos, atividades de capacitação e de aproximação com investidores e companhias nacionais e internacionais; além de programas de acesso a mercado e compras públicas. Durante todo este processo as empresas são acompanhadas pelas aceleradoras e pelos gestores do programa Start-Up Brasil.


Cobertura Especial do 2º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2017

Telebras desbanca teles e assume rede da Dataprev por R$ 292 milhões

Estatal assume rede que interliga 1,7 mil agências do INSS e data centers no lugar da Embratel, Telefônica, Oi e British Telecom.



Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do evento

BNDES tem novo modelo de financiamento em infraestrutura

No lugar dos empréstimos-ponte, banco vai adotar “empréstimos sindicalizados”, ou seja, concedidos por um conjunto de bancos. Instituição torce para o interesse de bancos estrangeiros nesses negócios.

GovData marca início da gestão centralizada da TI no governo

Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações vai subsidiar e intermediar o acesso às informações guardadas por Serpro e Dataprev, em modelo de assinatura anual à plataforma. O ministério de Desenvolvimento Social e Agrário fez um piloto e o tempo de análise de dados, que era de 40 dias, caiu para um dia.

Governo terá plataforma única para cruzamento de dados no Poder Executivo

Planejamento chegou a proibir os órgãos federais de contratarem soluções de Big Data e Analytics para evitar dispersões.

Greve continua e não há data para lançamento do satélite da Telebras

Previsto para o dia 21 de março, o lançamento, agora, só deverá acontecer pelo menos 10 dias depois do fim da greve geral na Guiana Francesa. Governo diz que atraso não causa prejuízo aos projetos nem financeiro.


Acompanhe a Cobertura Especial do WCIT 2016

Fim da gestão do Governo dos EUA abre nova era para a Internet

Desde 1º de outubro, as funções técnicas da internet – nomes, números e protocolos – não envolvem mais um contrato da ICANN com o governo americano. “O Brasil influenciou nessa transição”, diz o secretário-executivo do CGI.br, Hartmut Glaser. 


Acompanhe a Cobertura Especial do WCIT 2016

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G