INOVAÇÃO

Start-up Brasil: programa captou R$9,63 milhões para a inovação

Da redação ... 10/11/2014 ... Convergência Digital

O programa Start-Up Brasil contemplou 45 startups, das quais 38 são brasileiras e sete são internacionais. Elas receberam apoio para a pesquisa, desenvolvimento e contratações, além de investimento e mentoria de aceleradoras. O valor captado no mercado (R$ 9,63 milhões) durante a aceleração superou o valor público investido (R$ 7,7 milhões). De janeiro a agosto de 2014, o faturamento das startups cresceu 139%, com um aumento de 63% no número de colaboradores das empresas, revelaram os responsáveis pelo programa no Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

Para Carlos Eduardo Pádua Sarcinelli, co-fundador da Sensorbox, uma empresa de soluções em tecnologia da informação e telecom, o apoio do programa foi crucial. A Sensorbox reccebeu apoio da aceleradora Start You Up, participar do processo abriu muitas portas em pouco tempo. "O Start-Up Brasil nos auxilia como uma validação de que a empresa é séria", disse Sarcianelli. "Com isso, entramos no mercado com mais segurança. Somos do Espírito Santo e as perspectivas ali são limitadas. O programa nos ajudou a ampliar nossa atuação no país rapidamente".

Para Luciana Caletti, do site Love Mondays, entrar no programa foi o que permitiu tirar a Love Mondays do plano das ideias e transformá-la em realidade. O site é uma comunidade de carreiras e oportunidades, em que funcionários e ex-funcionários comentam, anonimamente aspectos da empresa onde trabalharam ou trabalham, tais como, plano de saúde, política salarial e ambiente. A aceleradora responsável pelo projeto no Start-Up Brasil foi a Aceleratech.

"Para nós foi fundamental participar do programa. Isso nos permitiu contratar pessoal para o desenvolvimento da plataforma", conta a empreendedora. "Já temos quatro mil empresas e 40 mil atualizações. Nossa missão é alcançar o primeiro lugar em busca em alguns anos". As aceleradoras selecionadas pelo programa reforçam o trabalho com foco na premissa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI): movimentar o ecossistema.

"Realmente queremos uma mudança positiva da sociedade, criar algo duradouro, e colocamos nas empresas o nosso DNA", ressaltou Sean Lindy, da Aceleratech. "Nós tiramos gargalos e ajudamos todos a crescer. A relação com as empresas é como um casamento: só ganha se os dois ganham".

Sobre o programa

Lançado em novembro de 2012, o Start-Up Brasil funciona por edições, com duração de um ano, e realiza duas chamadas públicas, uma para qualificar e habilitar aceleradoras e outra para a seleção de projetos startups, com duas rodadas semestrais. Em dois anos de execução, mais de 2.200 empresas se inscreveram nas três primeiras edições. Nas turmas 1 e 2 foram apoiadas 94 startups, a turma 3 está fechando contrato com as aceleradoras e as inscrições para a turma 4 terminaram em outubro.

O ciclo da turma 1 termina no Demo Day, mas o contato e o auxílio continuam.: as 45 startups serão acompanhadas ao longo de toda a sua jornada, com o monitoramento regular de suas atividades, o compartilhamento de dados e a permanência das aceleradoras nas empresas, gerando um ciclo de mentoria com as novas participantes do programa, que entra na turma 4 em 2015.

Fonte; MCTI


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Banco do Nordeste vai repassar financiamentos da Finep para PMEs

Banco será agente financeiro credenciado para operações do Inovacred, que apoia micro, pequenas e médias com aportes de até R$ 10 milhões.

Seguradoras e teles vão usar drones para calcular danos do furacão Harvey

Ideia é realizar milhares de voos semanais para medir o tamanho dos estragos e, especialmente, quanto será pago a quem teve casa destruída. Pelo menos 3 mil residências foram alagadas com transbordamento de reservatórios. 

Embraco cria a Diili, plataforma brasileira de Internet das Coisas

Solução foi desenvolvida em dois anos e já está em uso em Santa Catarina, São Paulo e no Nordeste. Na prática, a Diili ajuda marcas de bebidas e alimentos a gerenciarem de forma efetiva a performance de seus freezers e geladeiras comerciais nos pontos de venda.

Oito, da Oi, busca aplicativos 'matadores' para levar a 60 milhões de usuários

Hub de empreendedorismo vai abrigar 20 empresas- seis com subsídio de R$ 150 mil. "Uma boa ideia, vamos levar para o mercado e vendermos juntos", diz o presidente Marco Schroeder.

Câmara quer proibir implante de chip em humano sem autorização

O mecanismos de rastreamento humano só poderá ser implantado se houver a autorização da pessoa que receberá o mecanismo ou uma sentença judicial determinando tal medida.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G