SEGURANÇA

2015 será mais um ano difícil para a Segurança da Informação

Convergência Digital ... 16/12/2014 ... Convergência Digital

A Segurança da Informação terá mais um ano difícil pela frente. Segundos os especialistas, em 2015, o cenário desse setor vai continuar a assistir à grande luta entre cibercriminosos e profissionais que buscam proteger os dados de ataques. E  serão intensificadas as tendências observadas em 2013 (ano das megaviolações) e 2014 (com a descoberta de grandes vulnerabilidades como o Heartbleed e Shellshock).

De acordo com uma análise dos especialistas de segurança da Symantec, há cinco previsões prioritárias para a segurança na América Latina. Os debates vão do aumento do uso de Internet das Coisas (IoT) e o papel da Big Data até a necessidade de defesas móveis e atenção à privacidade. As previsões abrangem tanto o consumidor final como empresas e governos.

Para a Symantec, o aprendizado de máquinas mudará o combate contra o cibercrime. Os especialistas advertem que uma nova geração de plataformas de negócios está surgindo com a convergência entre o aprendizado de máquinas e big data. Segundo eles, isso trará ainda mais proatividade contra ameaças e aumentará as taxas de detecção, reduzindo o número de ataques bem-sucedidos de criminosos virtuais.

Para quem não abre mão dos aplicativos móveis, é preciso atenção. A privacidade continuará sacrificada em nome dos apps. A análise da Symantec mostra que alguns usuários de dispositivos móveis continuarão a trocar privacidade por aplicações móveis. Os especialistas dizem que, apesar de as pessoas relutarem a compartilhar dados bancários e pessoais, muitos ainda disponibilizarão informações sobre sua localização, fotos e contatos em troca de novos aplicativos.

Outro grande desafio para a segurança em 2015 será a negação de serviço distribuído (DDoS). Dados da Symantec apontam que uma das tendências de 2014 foi o aumento de servidores Unix comprometidos. Além de uso de sua banda para ofensivas DDoS, com as mais diversas motivações, como hackativismo, lucro e disputas. A Symantec antecipa a continuação e o aumento dessa tendência, com cada vez mais intensos ataques.

Para os especialistas, o principal diferencial será o comportamento do usuário, o centro das atenções, conforme surjam novas soluções além das senhas. Com o sistema de senhas sob ataque constante de cibercriminosos, os fornecedores de segurança buscaram novas técnicas de autenticação, como verificação de íris e de impressão digital. Entretanto, as pesquisas da Symantec alertam que a verdadeira solução para proteger informações está no comportamento dos usuários, que devem adotar medidas para evitar o comprometimento de dados.

Apesar do cenário pouco otimista, a cibersegurança será fortalecida por parcerias e colaborações na indústria. A indústria de segurança está unindo forças com provedores de telecomunicações e governos do mundo todo para combater crimes virtuais. Em 2015, enquanto os criminosos do ambiente virtual continuarem buscando alternativas, as plataformas de código aberto continuarão a abordar vulnerabilidades com ainda maior coordenação, colaboração e resposta da indústria.


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

Porto de Fortaleza fica refém de ataque hacker

Ataque ransomware pegou sistemas administrativos internos, servidores de email e neste momento muitos controles estão sendo feitos a mão. Invasão foi identificada na segunda-feira, 28 de outubro, segundo informa o site CISO Advisor.

Brasil possui quase 56 mil URLs maliciosas

Mais de 1 milhão de brasileiros foram impactados, de acordo com o relatório Fast Facts, da Trend Micro. País ocupa a 15ª posição no ranking dos países mais atingidos por URLs maliciosas.

Mais de 60% das empresas sofrem incidentes de segurança semanais

Pesquisa realizada no Brasil, EUA e Alemanha também aponta que há perdas financeiras em 50% dos casos. 

Sistemas sem suporte rodam em mais de 40% dos PCs

Pesquisa da empresa de segurança Kaspersky diz que mais popular é Windows 7, que ficará sem suporte em três meses. Grandes, pequenas e microempresas continuam usando versões como XP ou Vista. 



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G