SEGURANÇA

Brasileiros reagem à espionagem e rejeitam repasse de dados por empresas de tecnologia

Convergência Digital ... 18/03/2015 ... Convergência Digital

Apenas um em cada quatro brasileiros concorda que o governo deve monitorar e vigiar os dados de Internet e de telefonia da população. É o que revela pesquisa feita pela YouGov, a pedido da organização Anistia Internacional, que entrevistou 15.000 pessoas em 13 países do mundo. No Brasil foram 1.006 pessoas entre os dias 4 e 11 de fevereiro. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 17/03.

Segundo o levantamento, 65% dos brasileiros ouvidos reprovam que autoridades interceptem, armazenem ou analisem dados da rede mundial de computadores ou da telefonia móvel; 25% são a favor e outros 10% não souberam responder. A reprovação nacional é seis pontos percentuais maior que a média dos demais países, que ficou em 59%. A necessidade de monitoramento dividiu entrevistados em alguns países, a exemplo de Grã Bretanha, Canadá, Holanda, Nova Zelândia, África do Sul e EUA --que tiveram menos de 10 pontos percentuais de diferença entre aqueles que são a favor e contra.

A pesquisa mostrou também que o Brasil foi o país com maior índice de rejeição à ideia de que as empresas de tecnologia devem repassar dados aos governos como forma de segurança, com 78% de reprovação. Ao todo, 55% acreditam que os dados devem ser repassados apenas com ordem judicial, com uso de critérios transparentes.
Também ficamos no topo como população mais propensa a reclamar do governo na Internet, caso tenha ciência de que seus dados estão sendo vigiados – 29% do total disseram que essa seria a atitude mais provável em caso de espionagem.

Espionagem rejeitada

Segundo o levantamento, 80% dos brasileiros reprovaram a prática de espionagem norte-americana. Foi a segunda maior taxa do mundo, atrás apenas da Alemanha, que teve índice de 81%. O menor percentual veio da França, com apenas 56% reprovando a espionagem --a pesquisa foi realizada após o ataque à revista Charlie Hebdo.
Em junho de 2013, o ex-consultor da NSA (sigla em inglês da Agência Nacional de Segurança), Edward Snowden, afirmou que Brasília fez parte de uma rede de 16 bases de espionagem operadas pelos serviços de inteligência dos EUA, que espionaram milhares de chamadas telefônicas e e-mails. O país seria o principal alvo do monitoramento.

Para a Anistia Internacional, a vigilância de dados só pode ocorrer mediante autorização judicial. A organização informou que está tomando medidas legais nos EUA e Reino Unido para dar um basta à vigilância em massa na internet. No dia 10 de março, uma ação contra a NSA foi ajuizada no Tribunal Federal dos EUA. Com a divulgação da pesquisa, a Anistia Internacional lança a campanha #UnfollowMe (não me siga, em português) para mobilizar pessoas de todo o planeta a discutir a vigilância, exigir mais transparência dos governos e pressionar por medidas que impeçam o uso indiscriminado da tecnologia para a espionagem em massa.

"Todo mundo que usa a internet hoje corre o risco de ter suas comunicações monitoradas pelo governo de seu país e, em alguns casos, por governos estrangeiros. A Lei Internacional de Direitos Humanos protege o direito à privacidade e liberdade de expressão e os governos têm o dever legal de proteger estes direitos. Uma sociedade que respeita a liberdade e o Estado de Direito deve respeitar a privacidade", afirmou Atila Roque, diretor executivo da Anistia Internacional no Brasil.

Fonte: UOL Tecnologia


Soluções de Segurança para a Sociedade
Não delegue a segurança cibernética apenas para a TI

Para mitigar os riscos com ataques hackers, toda a corporação precisa se unir, adverte Jun Goto, vice-presidente Sênior da NEC Corporation.

TSE fecha acordo de cooperação em TI com a Sociedade Brasileira de Computação

Acordo é abrangente e pode abordar tanto a segurança da urna eletrônica como questões internas de informática do Tribunal. 

Guerra cibernética passa a ter mesmo status de armas atômicas nos EUA

Comando Cibernético foi elevado em decisão anunciada por Donald Trump e com o propósito de "enfatizar o desenvolvimento de armas cibernéticas para impedir ataques, punir intrusos e enfrentar adversários".

STF autoriza extradição de hacker que teria fraudado US$ 4,85 milhões nos EUA

Tribunal deferiu pedido do governo dos Estados Unidos para extraditar Michael Knighten, que seria integrante de um grupo de criminosos cibernéticos autodenominado Techie Group.

Ransomware e malware: Entenda quais são as diferenças

Confira sete informações sobre ransomware que não são verdadeiras e podem tumultuar a gestão de segurança da informação..



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G