OPINIÃO

Cinco passos para construir um data center à prova de futuro

Por Wilson Grava*
22/04/2015 ... Convergência Digital

A infraestrutura de armazenamento funciona como o coração do data center, fornecendo uma base funcional para cada tipo de negócio. Um projeto ideal é aquele que trabalhe de forma invisível, atuando como facilitador de operações sem emendas e sem interrupções. Em contrapartida, um projeto menos que ideal pode se tornar a ruína das operações de TI e dos negócios, exigindo cuidados constantes e, na maioria das vezes, maiores recursos financeiros.

Considere o seguinte: seus dados terão uma vida muito mais longa do que qualquer investimento em software ou hardware. Ao contrário de aplicativos ou servidores, os dados são residentes - e continuarão a crescer ano após ano, tornando-se cada vez mais difíceis de gerir, armazenar e migrar. A implantação de um sistema de armazenamento que possa crescer juntamente com seus dados, simplificar o gerenciamento à medida que é escalado, e proporcionar eficiência e benefícios quantitativos de longo prazo resultarão em uma vantagem competitiva para a sua organização.

Com a velocidade da inovação e das aplicações empresariais atualmente disponíveis no mercado, a escolha da infraestrutura correta de armazenamento pode ser uma tarefa assustadora. Assim, as considerações a seguir devem fazer parte de seus critérios de escolha. Elas vão além de perguntas qualitativas como “Quantos IOPS (operações de entrada e saída por segundo)?” e “Escalar vertical ou horizontalmente?”, para focar nas necessidades quantitativas que escalam com seus dados, entregam benefícios agressivos de custo total de propriedade (TCO), e fornecem um retorno real sobre o investimento (ROI) à medida que a implantação amadurece.

1. Latência

As modernas soluções de armazenamento tendem a competir em IOPS - a rapidez com que os dados são entregues. De fato, o desempenho do armazenamento é fundamental, mas a capacidade de fornecer dados de forma consistente, com latência inferior a milissegundos, é ainda mais importante. Assim, podemos dizer que é a latência, e não o IOPS, que eleva a qualidade de cada aplicação. Se você precisa de bancos de dados para processar mais operações ou de ambientes VDI mais responsivos, o armazenamento em flash é uma excelente opção.

2. Simplicidade

O vertiginoso crescimento do volume de dados está ultrapassando os orçamentos de TI e também os recursos humanos. Por isso, as organizações deverão escolher e implantar tecnologias que possibilitem que os data centers sejam escaláveis, permitindo que todos os funcionários gerenciem mais dados do que fazem hoje. A simplicidade é a melhor maneira de atingir esse objetivo.

Alguns questionamentos importantes: A matriz de armazenamento tem opções de configuração ou definição ajustáveis? Quanto menos, melhor. A matriz precisa de aplicações para ser reconfigurada ou otimizada? Em caso positivo, ela pode não ser a melhor opção. Arquiteturas de armazenamento verdadeiramente simples podem se adaptar para suportar as várias cargas de trabalho sem precisar de alterações em suas aplicações.

3. Necessidades de espaço, energia e refrigeração

O volume de dados está aumentando, em média, 50% a cada ano. Se você ainda não estiver sentindo a pressão para otimizar os recursos do data center, provavelmente sentirá em um futuro próximo. Os sistemas de armazenamento tradicionais exigem espaço significativo de rack no data center para acomodá-los, juntamente com uma quantidade imensa de energia e refrigeração para alcançar um desempenho aceitável.

Já os sistemas de armazenamento de ponta, como os otimizados com memória flash, podem fornecer tecnologias de redução de dados efetivas para diminuir as necessidades de capacidade de armazenamento, reduzindo o tamanho total do espaço usado pelos dados, resultando em menor custo de aquisição, aumento da densidade e mais eficiência (espaço, energia e refrigeração).

Ou seja, quanto maior a redução de dados, maior é a economia. A redução da necessidade de energia e refrigeração da sua infraestrutura de armazenamento terá um impacto imediato e positivo nos custos operacionais da sua empresa e redução na emissão de carbono, o que garantirá décadas de usos inovadores para  seu data center.

4. Migrações de dados

As migrações de dados em matrizes tradicionais de armazenamento são um empreendimento trabalhoso e de uso intensivo de recursos, que consomem os primeiros e os últimos 90 dias de vida útil da matriz de armazenamento – o que reduz seu ciclo de vida de depreciação de três para dois anos e meio.

Para se livrar dessas atribuladas migrações de dados, ao avaliar um sistema de armazenamento procure uma plataforma verdadeiramente de ponta, que permita a substituição ou atualização do hardware sem qualquer interrupção ou reconfiguração de seu ambiente de TI.

Este modelo vai além das arquiteturas escaláveis verticalmente ou horizontalmente, ou de aplicar uma camada de abstração de software em todas as plataformas de armazenamento. Entra o novo hardware, sai o hardware antigo, e o novo hardware não precisará combinar com o hardware antigo. Isto é que é proteção de investimento.

5. Automação

Definido por software (software-defined) é o novo modelo de operações de data center. É a evolução da virtualização de servidores que abrange computação, rede e armazenamento, permitindo configuração e provisionamento dinâmicos de hardware e proporcionando novos níveis de agilidade para acelerar o seu negócio.

Para assegurar que a organização de seus negócios e de sua TI possa acompanhar o ritmo da economia digital, sua plataforma de armazenamento deverá ser programável, ter a capacidade de integrar-se plenamente com sua infraestrutura e aplicações existentes, e ser adaptável a mudanças da carga de trabalho ou conjuntos de dados. As APIs REST estão surgindo como o padrão de fato, e deverão ser vistas como obrigatórias para fornecer o suporte ideal para VMware VAAI, Microsoft PowerShell e VSS, e OpenStack.

Um sistema de armazenamento de alto desempenho, escalável e eficiente pode tornar o seu data center e o seu negócio à prova de futuro. Certifique-se de considerar as implicações em longo prazo ao avaliar a sua próxima aquisição de armazenamento, pesando as vantagens de latência, escalabilidade, gerenciamento, simplicidade, TCO e desempenho, para garantir que a sua infraestrutura possa sustentar o seu negócio de forma satisfatória até um futuro bem distante.

* Wilson Grava é vice-presidente e gerente geral para América Latina e Caribe da Pure Storage, fornecedora líder no mercado de matriz de armazenamento em estado sólido.  


Carreira
Brasil ganha 50 profissionais capacitados como Cientistas de Dados

São especialistas formados no curso de Cientista de Dados do SAS, lançado em junho de 2016, e que terá uma nova turma - a terceira - a partir do dia 31 de outubro. Curso de formação é presencial e dura 14 meses.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

Governo precisa atuar como coordenador na remoção às barreiras inúteis em Telecom

Se não é possível ao governo fazer investimentos, que ele funcione como um coordenador e incentive o diálogo com os órgãos que, hoje, dificultam os investimentos em redes, diz o presidente-executivo da TelComp, João Moura. Novo ciclo do PGMC é a última oportunidade para fomentar a inclusão.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G