Home - Convergência Digital

Java paga mais, mas profissional SQL é o mais procurado

Convergência Digital - Carreira
Da redação - 24/08/2015

Linguagem de programação é, hoje, um item essencial para se buscar um bom emprego, mostra pesquisa realizada pelo site Adzuna, indexador de vagas de emprego. A companhia analisou mais de 15 mil vagas de empregos que exigem conhecimentos de linguagens de programação com o objetivo de descobrir quais são as mais procuradas no mercado de trabalho.

De acordo com o levantamento, SQL é a linguagem mais requisitada, com 4874 vagas abertas, ou 33,5% das demandas. Além disso, apesar de ser uma das linguagens com os menores números de vagas abertas atualmente, a média salarial para quem tem conhecimentos em Python chega a pagar R$ 2 mil a mais do que outras linguagens mais populares, como PHP e CSS e os salários médio é de R$ 4.420.

Profissionais com conhecimento em Java e C++ também encontram empregadores oferecendo mais de R$ 4 mil em média para os cargos abertos, em torno de mil reais acima da média geral das vagas analisadas.  Segundo o levantamento, apesar dos salários mais altos para Java, Python e C++, quase 75% das vagas abertas são para profissionais com conhecimentos em SQL, Javascript, PHP ou CSS.

O levantamento indica que São Paulo é a capital que concentra o maior número de vagas abertas para profissionais com conhecimentos de programação, concentrando 27% das vagas abertas. Rio de Janeiro segue na segunda posição concentrando 12% das vagas, mas Porto Alegre aparece como polo do setor de tecnologia da informação, concentrando quase 10% das vagas abertas para profissionais com conhecimentos em programação.

Apesar disso, a distribuição de salários mostra que tanto empresas do Rio de Janeiro quanto de Porto Alegre estão oferecendo salários médios bem mais baixos do que a média dos salários oferecidos nos cargos abertos na capital paulistana. Brasília também apresenta salários consideravelmente maiores do que as médias oferecidas pelas outras capitais analisadas.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

23/07/2018
Preciso demitir. E agora?

10/07/2018
Inscrições para o vestibular de inverno do Inatel seguem até o dia 19

10/07/2018
Brasileiro revela pavor de perder o emprego

28/06/2018
Eles ainda assustam, mas os tabus estão caindo na hora de preencher uma vaga

25/06/2018
Quebéc, no Canadá, abre mais vagas para profissionais brasileiros de TI e games

11/06/2018
Provedora de TI nacional abre vaga de emprego na Austrália

04/06/2018
Empresa de TI abre 50 vagas para trainees em Londrina e São Paulo

29/05/2018
Copa do Mundo está aí. Sua empresa já definiu a rotina de trabalho?

28/05/2018
Freelancers no Brasil: data mining, segurança e Web em alta. Software e apps em baixa

24/05/2018
Não deixe os maus hábitos destruir a sua rotina de trabalho

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como a expatriação fortalece empresa e funcionários?

Por MarcosSantos*

O processo, que consiste em enviar profissionais para trabalhar na unidade da mesma empresa em outro país, promove uma troca de conhecimento entre a equipe da unidade estrangeira e novo colaborador, uma experiência enriquecedora de ampliação de  expertises e de uma nova atmosfera de trabalho.

Destaques
Destaques

Brasileiro revela pavor de perder o emprego

Estudo da Confederação Nacional da Indústria mostra que os profissionais brasileiros nunca ficaram tão preocupados com o emprego quanto agora. Sentimento cresce entre os homens, mas são as mulheres as mais assustadas com a possibilidade de demissões.

Profissional do futuro simplesmente não existe

A advertência foi feita pela futurista Lala Deheinzelin, criadora do movimento "Crie Futuros". Segundo ela, já não se pode mais pensar em uma profissão ou em um profissional. É preciso imaginar células, cada uma com sua capacidade. A união de todas elas é que será, de acordo com a especialista, capaz de nos levar a um mundo desejável.

Flexibilização no trabalho: prática bem longe da realidade no Brasil

Pesquisa mostra que 75% dos brasileiros ainda trabalham no formato tradicional: no escritório e no horário comercial. Estudo mostra ainda que 58% das empresas não fornecem recursos suficientes para viabilizar o home office.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site