INTERNET

Velocidade média da Internet no Brasil é de 3,6 Mbps

Luís Osvaldo Grossmann ... 23/09/2015 ... Convergência Digital

Novo relatório trimestral da Akamai, empresa especializada em serviços de nuvem e redes de entrega de conteúdo (CDNs), indica que a velocidade média da internet no Brasil cresceu no segundo trimestre de 2015 e passou de 3,4 Mbps para 3,6 Mbps. Melhor ainda, o aumento chega a 25% na comparação com um ano antes.

Esse desempenho, porém, não impediu a queda no ranking elaborado pela Akamai e que reúne entre 110 e 144 países (a depender da comparação anual ou trimestral). No acompanhamento trimestre a trimestre (144 países), o Brasil passou de 89ª para 90º.

Em relação à média de picos de conexão, o Brasil registrou 27 Mbps, aumento trimestral de 12% e de 32% em relação ao último ano. Nesse caso, diferentemente da velocidade média, o país subiu da 82ª para 80ª posição no ranking global de picos de conexão.

O levantamento indica ainda que no Brasil, uma página da web é carregada em 6416 milissegundos com o uso de banda larga fixa. O desempenho é um pouquinho pior nas conexões móveis, com tempo médio de abertura de um site em 7324 ms.

No panorama geral, no segundo trimestre de 2015 a média global de velocidade de conexão manteve-se superior à considerada banda larga pela Akamai (4 Mbps), com 5,1 Mbps, e apresentou crescimento de 3,5% em relação aos três meses anteriores. A Coréia do Sul continua líder, com média de 23,1 Mbps.

Três asiáticos dominam o topo do ranking – além da Coreia, Hong Kong, com 17 Mbps; e Japão, com 16,4 Mbps. Os sete países seguintes, completando os 10 melhores colocados, são todos europeus: Suécia (16,1 Mbps), Holanda (15,2), Noruega (14,3), Latvia (14,2), Finlândia (14) e a República Tcheca (13,9).

Na América Latina, a velocidade média variou de 5,9 Mbps, no Uruguai, a 1,5 Mbps, no Paraguai. No ranking global, os países estão na 59ª; e 137ª colocação, respectivamente. Portanto, em 89º, o Brasil vê Uruguai, Chile, México, Argentina e Peru à frente. Costa Rica, Bolívia, Venezuela e Paraguai abaixo.

Quanto à adoção do IPv6, a Bélgica manteve sua liderança, com 38% de suas conexões à Akamai feitas por meio do protocolo. Os dois únicos países não europeus entre os Top 10 de adoção foram os EUA e Peru, sendo 19%; e 17%, respectivamente. 

O Brasil aparece em 20o, com 4,2% do tráfego em IPv6. No país, as empesas Net (com 6,7% do tráfego em IPv6) e GVT (3,4%) aparecem na listagem dos 20 maiores provedores de conexão por tráfego pelo novo protocolo. Teles americanas como Comcast (37%) e AT&T (35%) e a móvel Verizon (com 71% do tráfego em IPv6), lideram.


Europa busca consenso para taxar gigantes da Internet

Uma nova proposta costurada por Alemanha e França reduz o escopo da cobrança para mirar apenas nas receitas com publicidade.

5G exige rediscussão imediata da neutralidade de rede

"Serão novas e tão diferentes aplicações, e algumas até podem fazer a diferença entre a vida e a morte. A questão da neutralidade precisa ser encarada agora no mundo e aqui no Brasil", sustenta o diretor da 5G Americas e de Relações com o Governo da Ericsson Brasil, Tiago Machado.

Serviço de streaming de esporte chega ao Brasil e usa YouTube e Facebook

A DAZN inicia oferta comercial em março do ano que vem e terá exclusividade da Copa Sul-Americana de 2019. Modelo de negócio é por curto prazo e por partida transmitida. Empresa, especializada em esportes, tem atuação na Europa, EUA e Ásia

Associação de OTT quer Autoridade de Dados tratada na transição do governo Bolsonaro

Associação Brasileira de OTT diz que a criação da autoridade poderá ficar prejudicada após a intensa mudança de quadros no Executivo e Legislativo o que poderá prejudicar a aplicação efetiva da Lei de Dados Pessoais em 2020.

Só 27% dos que usam smartphones se sentem no controle dos dados pessoais

Pesquisa em 10 países, inclusive no Brasil, aponta que os sucessivos casos de vazamentos e novas leis de proteção da privacidade despertaram a preocupação com dados pessoais e 76% tentam protegê-los.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G