SEGURANÇA

Infecção por malware é o tormento do gestor de segurança da Informação no Brasil

Convergência Digital* ... 26/10/2015 ... Convergência Digital

Um estudo realizado pela ESET, empresa especializada em Segurança, revela que 65,18% das companhias brasileiras consultadas admitem que já tiveram problemas com segurança da informação. O problema mais recorrente, citado por 83,56% das empresas, foi a infecção por códigos maliciosos (malware).

Essa porcentagem representa quase o dobro da contabilizada nos demais países da América Latina, onde os malwares são citados por 44% das empresas consultadas em um estudo similar realizado pela empresa na região. A exploração de vulnerabilidades aparece como o segundo incidente com segurança da informação mais comum entre as companhias brasileiras, citado por 19% dos entrevistados, seguido por phishing, com 18%.

O ranking dos incidentes mais comuns entre as empresas no Brasil e na América Latina

Brasil A.Latina
· Infecção por malware 83,56% 44%
· Exploração de vulnerabilidades 19% 14%
· Phishing 18% 15%
· Acesso Indevido 9% 44%
· Fraude interna 8% 12%
· Indisponibilidade 7% 14%
· Ataques DDoS 6% 16%
· Nenhum 34,82% 25%

“Esse estudo confirmou uma tendência que já tinha sido divulgada no relatório de tendências de segurança da informação da ESET América Latina. O documento apontava para o fato de que os cibercriminosos da região têm buscado novas formas de espalhar malwares entre as empresas da região”, aponta Camillo Di Jorge, Country Manager da ESET Brasil.

O estudo mostra também que, apesar de serem importantes tendências na área de segurança da informação, as soluções para dupla autenticação ainda são pouco usadas pelas empresas brasileiras, sendo citadas por só 0,5% dos entrevistados. Outro fato relevante é que só 1,4% das companhias utilizam tecnologias para segurança dos dispositivos móveis.

A pesquisa revela ainda que 64% das empresas pesquisadas têm uma política de segurança definida, no entanto, investimentos em outros controles de gestão são inferiores a 30%. Medidas como Planos de Resposta a Incidentes (PRI) e Planos de Continuidade de Negócios (PCN) são implementadas por menos de um quarto das empresas pesquisadas.

“Esse cenário indica que mais de 80% das empresas brasileiras pesquisadas não possuem um plano definido sobre como atuar após um ataque. O que aumenta os riscos e os custos das organizações em casos de incidentes”, pontua Camillo Di Jorge.

*Com informações da ESET
 









Soluções de Segurança para a Sociedade
Não delegue a segurança cibernética apenas para a TI

Para mitigar os riscos com ataques hackers, toda a corporação precisa se unir, adverte Jun Goto, vice-presidente Sênior da NEC Corporation.

Bancos ingleses têm três meses para mostrar planos de segurança cibernética

No Brasil, resolução do Banco Central, de abril deste 2018, deu um ano para que as instituições financeiras aprovem políticas de segurança e planos de resposta a incidentes.

Golpe do PIS no WhatsApp atinge mais de 116 mil pessoas em 24 horas

Hackers estão agindo oportunamente por meio de dois links maliciosos que oferecem a suposta possibilidade de consultar o saldo a ser recebido.

Hackers repaginam golpe usando o Uber no Brasil

Campanha é antiga, mas ganhou nova roupagem para despertar o interesse do usuário com um suposto desconto de R$ 100 nos serviços do app de transporte.

Oi lança plataforma para mitigar ataques à rede de dados corporativa

Batizada de Gestão Integrada de Serviços, a plataforma permite o gerenciamento integrado de serviços e dá alertas de detecção de intrusos e registros de interações e informações trafegadas.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G