Home - Convergência Digital

M2M: Teles pedem benefício fiscal também para as máquinas POS

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 26/11/2015

As operadoras de telecomunicações, por meio do Sinditelebrasil, pediram a parlamentares da Comissão de Ciência e Tecnologia que tratem da regulamentação de dispositivos máquina a máquina com ‘carinho’ para viabilizar esse mercado no Brasil.

Na conta das empresas, mesmo com a atual redução de Fistel para certos tipos de M2M, praticamente não há incentivo à disseminação desse tipo de comunicação, em geral apelidada de ‘internet das coisas’. É que a receita média de R$ 5 por mês cai para R$ 4 com os tributos.

Embora tenham apresentado números relativos aos M2M com redução de Fistel, as teles aproveitaram para pedir a extensão do benefício para as máquinas de cartão de débito e crédito. Na regulamentação, o governo criou um critério de M2M ‘especial’, em oposição ao M2M ‘padrão’, que seria para as máquinas com interação humana.

“O benefício que reduz tributo não atinge aplicações relevantes, como é o caso do POS, que hoje na planta das operadoras representa 70% dos dispositivos ofertados. Isso é relevante”, destacou o diretor do Sinditelebrasil, Sérgio Kern, durante audiência na Câmara nesta quarta, 26/11.

Atualmente existem 11,3 milhões de dispositivos de comunicação máquina a máquina. Mas de fato a grande maioria, 8,6 milhões, são as maquinetas chamadas POS [do inglês point of sale]. A redução dos componentes do Fistel, TFI de R$ 26,83 para R$ 5,68 e TFF de R$ 13,41 para R$ 1,87, não vale para elas.  

“De imediato, é essencial que a definição de M2M contemple aplicações que tenham por finalidade principal a transmissão de dados máquina a máquina, como os POS”, insistiu Kern. Para garantir arrecadação, o desconto não pega máquinas que tenham “intervenção humana”.

Segundo argumentou o representante do Sinditelebrasil, “há grande potencial para o Brasil, mas a carga tributária atual é inviável para o desenvolvimento dessas aplicações, inibe o uso e a expansão desses serviços”. De acordo com as teles, apenas outros três países (Bangladesh, Egito e Chade) tributam M2M.

 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

24/11/2017
Atenta à Internet das coisas, Anatel quer mudar certificação de equipamentos

06/12/2016
M2M perde 1,3 milhão de chips ativos no Brasil em 12 meses

03/11/2016
Para a Anatel, nono dígito em todo o Brasil incentiva mercado M2M

27/09/2016
Quatro empresas monopolizam mercado de chips M2M

19/09/2016
Sai autorização da Anatel para governo de Minas Gerais entrar na Vodafone

31/08/2016
Mercado brasileiro de M2M deve crescer 13,5% ao ano até 2021

22/08/2016
4G reina, mas 2G tem vida longa no negócio M2M

15/07/2016
M2M: base de chips desonerados cresce pouco mais de 5% de janeiro a maio

26/04/2016
Google, Ford, Volvo, Uber e Lyft se unem por carro sem motorista

26/11/2015
M2M: Teles pedem benefício fiscal também para as máquinas POS

Destaques
Destaques

Teles projetam 100 milhões de 4G até o fim de 2017

Em outubro, a conta é de que já existiam 95 milhões de acessos em 4G, contra 92 milhões de 3G. Expectativa é de que o LTE represente 80% dos acessos em 2018.

Migração total do 2G exige smartphones mais baratos

Para o Sinditelebrasil, preço dos aparelhos é barreira para os 36 milhões de usuários que ainda têm acessos GSM. Acessos 4G superaram os 3G em outubro.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Teles Tradicionais X Especializadas: o dilema para a IoT

Por Fábio Trindade

M2M e a Internet das Coisas são elementos centrais no debate das novas tecnologias que formarão o futuro em torno da 5G e continuarão em crescimento vertiginoso.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site