GESTÃO

Cooperativa retira TVs analógicas que seriam jogadas no lixo

Convergência Digital* ... 19/04/2016 ... Convergência Digital

O desligamento do sinal analógico de televisão no Brasil já iniciou e se estenderá até novembro de 2018. Com a mudança para o sinal digital, parte das famílias optaram por trocar o antigo televisor de tubo por um aparelho mais moderno e compatível com a nova programação.

A cooperativa paulista Coopermiti trabalha para evitar o descarte irregular destes eletrônicos, que são perigosos para o meio ambiente  por conter elementos químicos que podem vazar e contaminar o solo, lençóis freáticos ou até mesmo pessoas. Para isso alerta sobre os perigos do descarte irregular e recebe estes aparelhos em diversos pontos de coleta espalhados pela cidade de São Paulo.

Os televisores de tubo possuem partes tóxicas e, por isso, precisam de destinação especial. Nestes casos, a Coopermiti cobra um valor simbólico de R$ 5 por unidade para realizar o trabalho de gestão desse resíduo. No site da empresa, além dos endereços de todos os postos, é possível encontrar conteúdo educacional sobre a importância do descarte ambientalmente adequado dos resíduos de equipamentos elétricos e eletrônicos.

“A sociedade está tomando consciência aos poucos do perigo que o descarte incorreto dos eletroeletrônicos causa para o meio ambiente e para o ser humano, mas esta tomada de consciência está ocorrendo em um ritmo muito lento, considerando a urgência que temos para cuidar do nosso planeta. É urgente que mudemos nossos hábitos, tanto de consumo quanto da forma que descartamos os nossos resíduos”, diz Alex Pereira, presidente da Coopermiti.

Estes equipamentos podem liberar materiais como o Chumbo, entre outros que, caso dispostos em aterros não licenciados e controlados, podem contaminar o solo e atingir o lençol freático, causando grande impacto ao meio ambiente e ao ser humano. Para mais informações acesse o site - http://www.coopermiti.com.br/


Governo busca interesse dos órgãos federais em postos para carros elétricos

Acordo entre o governo federal e o governo do Distrito Federal já prevê a instalação de seis ‘eletropostos’, mas demanda pode aumentar esse número.

Governo chega à marca de 1 mil serviços públicos digitalizados

Desempenho mantém em curso a meta de digitalização total de 3,8 mil serviços até 2022. 

Intelit: LGPD não é um único software que vai resolver tudo

A governança do processo de dados é crucial para uma boa implementação da legislação, sustenta o CEO da Intelit, Lincoln dos Santos Pinto. Segundo ele, o atraso da grande parte das empresas decorre da falta de dinheiro e da incerteza sobre a vigência da lei.

Intelit: Compras públicas têm de abrir espaço à inovação e às startups

O CEO da prestadora de serviços de TI, Lincoln dos Santos Pinto, observa que um processo de compra pública leva em torno de seis meses, o que atrasa a inovação. Sobre a venda do Serpro e Dataprev, lembra da LGPD e defende o Estado como tutor dos dados pessoais do cidadão.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G