INTERNET

Empresas brasileiras monitoram o tráfego e a navegação dos funcionários

Luís Osvaldo Grossmann ... 16/05/2016 ... Convergência Digital

Monitorar por onde navegam os funcionários quando estão na internet é prática comum nas empresas brasileiras. Ou assim demonstra a pesquisa TIC Empresas, divulgada nesta segunda, 16/5, pelo Cetic.br, o braço de estudos e pesquisas do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br). 

Na verdade, quanto maior o porte da empresas, maior a possibilidade de que o uso da internet seja vigiado. Na média, 35% das empresas monitora o tráfego de dados e 43% os sites visitados, sendo que essa é a mesma proporção das empresas que impedem acesso a determinado tipo de conteúdo. 

Entre os sites bloqueados, pela ordem, destacam-se os pornográficos (73% bloqueiam), de jogos (65%), redes sociais (52%), download de arquivos (49%), portais de entretenimento, notícias ou esportes (43%), e-mail pessoal (37%) e serviços de comunicação (36%). 

Esses números variam bastante à medida que o porte das empresas aumenta. Assim, enquanto 38% das empresas com até 49 funcionários monitora a navegação, o percentual sobe para 58% naquelas com 50 a 249 empregados e para 73% das com mais de 250 funcionários. 

Da mesma forma, o uso de medidas como o bloqueio a certos sites também cresce conforme o porte do empregador. Assim, 81% das grandes empresas bloqueiam acesso a redes sociais, prática adotada em 48% daquelas com menos de 50 funcionários. 

Por sua vez, pouco mais da metade, ou 51% das empresas, possui conta própria em redes sociais. Mas enquanto o uso de websites praticamente estacionou em 57% das empresas, desde 2012, as redes sociais parecem estar ganhando adeptos ano a ano. Entre 2012 e 2015, o percentual daquelas com perfil próprio subiu de 36% para os mencionados 51%. 

Para o gerente do Cetic.br., Alexandre Barbosa, isso se deve a maior facilidade dessas novas aplicações. “As redes sociais podem representar um obstáculo menor para as pequenas empresas, se comparada aos websites e outras ferramentas de comunicação on-line. Em 2014, por exemplo, 11% delas tinham perfil em rede social e não tinham e-mail, enquanto em 2015, essa proporção foi de 18%”, diz ele. 

Ainda assim, enviar e-mails é a atividade que as empresas mais adotam na rede (99%), seguido por buscar informações sobre produtos ou serviços (94%), e fazer pagamentos, transferências e consultas bancárias via Internet banking (88%).  A lista segue com monitoramento de mercado (75%), e-gov (70%), mensagens instantâneas (62%), oferecer informações aos consumidores (60%), recrutar pessoal (43%), entregar produtos ou serviços digitais (43%).


Com medo dos EUA, Europa adia planos de imposto para internet

Ideia de cobrar 3% das receitas de gigantes da rede como Google, Facebook e Amazon esbarra no receio da reação americana à taxação de suas empresas.

Sem integração, é impossível desenvolver IoT no Brasil

Iniciativa privada, universidades e poder público precisam trabalhar em conjunto para garantir o desenvolvimento de um ecossistema local para Inteernet das Coisas, adverte Elizabete Couto, diretora de IoT da Embratel.

2018: o ano para o Facebook apagar da sua história

Rede social admitiu que houve roubo de dados de 29 milhões de usuários na brecha de segurança descoberta no mês passado. De 15 milhões de usuários violados, foram roubados dois conjuntos de informações: nome e detalhes de contato, incluindo número de telefone, e-mail ou ambos, dependendo do que os indivíduos tinham em seus perfis.

Endereços IPv4 acabam em janeiro de 2020 na América Latina

As estimativas do NIC.br apontam que 93% das organizações ASN (sistemas autônomos) possuem IPv6. O novo fôlego aconteceu por conta da devolução e da recuperação de endereços, explicou o gerente Ricardo Patara. O IPv6 comemora 10 anos de existência.

Brasil é o segundo país do mundo a ter portal do Cidadão do Facebook

Ferramenta, criada por conta das eleições nos EUA em 2016, permite a conexão entre eleitores e autoridades eleitas.

Revista Abranet 25 . ago-set-out 2018
Veja a Revista Abranet nº 25 Ordenar o uso e organizar o compartilhamento das infraestruturas aérea e terrestre são medidas imperativas para as empresas de energia, telecomunicações e de internet. E muito mais...
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G