SEGURANÇA

Ataques direcionados tiram o sono dos gestores de rede

Ana Paula Lobo ... 20/06/2016 ... Convergência Digital

Ficar à frente do cibercriminoso e detectar os ataques direcionados e outras atividades maliciosas por meio do monitoramento cuidadoso da atividade de rede, inclusive na Web e por e-mail. Esse é o desafio que se impõe ao mercado de fornecimento de soluções de Segurança da Informação."É ficar atento ao que o firewall, o endpoint não podem segurar porque não enxergam o ataque. Chamamos do 1% que não está coberto", diz o diretor geral da Kaspersky Lab do Brasil, Cláudio Martinelli.

Segundo ele, o invisível é o que tem de ser combatido. São os ataques que usam recursos da própria empresa e que tiram o sono dos administradores de rede, que acabam tendo de agir de forma reativa ao ataque. "O ataque inteligente é invisível e quer roubar mesmo. Os ataques DDoS tiram um site do ar, causam danos na imagem, mas não são para roubar dinheiro ou dados", explica ainda Martinelli.

A Kaspersky está lançando nesta segunda-feira, 20/06, uma expansão de seu portfólio de produtos de segurança corporativa com a nova Kaspersky Anti Targeted Attack Platform; uma solução extremamente sofisticada desenvolvida para detectar ataques direcionados. "Nós estamos integrando soluções como os sensores de rede, web e de email para entender os ataques antes que eles aconteçam. A ideia é encontrar o risco antes de ele criar problema", explica o executivo.

Segundo dados da Kaspersky, as organizações no Brasil têm enfrentado inúmeros ataques direcionados, incluindo aqueles descobertos pela Kaspersky Lab -  Poseidon, Machete, Careto, Carbanak, Adwind, Turla, Regin, e Winnti. De acordo com a pesquisa de Risco de Segurança 2015, realizada pela Kaspersky Lab e B2B International, 32% das organizações em todo o mundo disseram que sofreram um ataque direcionado no último ano; um aumento de 7 % a partir de 2015.

Na semana passada, o evangelista global da Kaspersky, David Balker, esteve no Brasil para falar da expansão do portfólio. Aqui, diz Martinelli, já há pilotos com a solução, mas os nomes das empresas não podem ser revelados. "Mas queremos que os serviços inteligentes respondam por 10% da nossa receita em pouco tempo. É um percentual considerável para produtos que têm pouco mais de um ano no mercado", pontua o diretor da Kaspersky no Brasil.

Em entrevista ao Convergência Digital, Blake sustenta que o Brasil segue sendo um mercado prioritário para a empresa e a crise econômica e política não afastam os investimentos. Ele afirma que a Internet das Coisas vai mudar a estratégia de segurança da Informação. "Os dispositivos conectados são mais um vetor de entrada nas redes corporativas", adverte o evangelista. A guerra cibernética também está à mesa. "O Brasil é um alvo como o são Estados Unidos e a Europa. Espionagem é uma dura realidade para o dia a dia", acrescenta Blake.

O modelo de negócios de venda de produtos - migrando de licença para a nuvem - é uma transformação para os fornecedores, admite Martinelli. Mas a Kaspersky já se estruturou. "Pagar por mês o serviço não significa ir para a nuvem. Hoje nuvem está na moda. O que o cliente quer é pagar pelo que usa. Os clientes já têm isso no nosso modelo", completa o executivo.






NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

Sistemas sem suporte rodam em mais de 40% dos PCs

Pesquisa da empresa de segurança Kaspersky diz que mais popular é Windows 7, que ficará sem suporte em três meses. Grandes, pequenas e microempresas continuam usando versões como XP ou Vista. 

Crimes cibernéticos: Brasil é passível de represália por não assinar Convenção de Budapeste

O consultor em Segurança Cibernética e professor da pós-graduação da Universidade UniCarioca, Guilherme Neves, adverte que o País está atrasado e erra ao não aderir à um tratado global de defesa cibernética.

TSE convoca profissionais de TI para testar segurança das urnas eletrônicas

Evento ocorrerá no período de 25 a 29 de novembro, na sede do TSE, em Brasília. Inscrições vão, agora, até o dia 22 de setembro.

Brasil perdeu mais de R$ 80 bilhões com ataques cibernéticos em 12 meses

O País, hoje, é o segundo do mundo onde ocorrem mais perdas econômicas por conta das ações dos hackers, revelou o coronetl Arthur Sabbat, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G