Home - Convergência Digital

Momento de fortalecer as políticas públicas para TI

Convergência Digital
Ana Paula Lobo e Pedro Costa - 05/07/2016


As principais entidades setoriais de TI do Brasil estiveram no Rio Info 2016. Em posição de consenso, elas defendem que o momento é o de fortalecer as políticas públicas para TICs. O portal Convergência Digital ouviu os principais líderes da área sobre temas relevantes ao setor durante o evento.

Para o presidente da Assespro Nacional, Jeovani Salomão, viabilizar as políticas públicas é o desafio da nova Secretaria de Política de Informática (SEPIN). Segundo ele, a fusão ministerial é positiva para o setor de TIC.

"Vamos concentrar as ações para termos medidas práticas", disse. Para o presidente da Assespro Nacional, o Brasil precisa mudar o eixo da economia e a era do conhecimento é o melhor caminho para dar essa guinada.

Já o presidente da Brasscom, Sergio Gallindo, salienta que a prioridade do governo deve ser transformar TICs em uma prioridade nacional. Ele também destaca que é preciso uma legislação de dados pessoais efetiva para garantir a entrada do país na era do conhecimento.

"Os projetos que estão no Congresso Nacional são positivos, mas precisam de ajustes e devem ser mais debatidos como o foi o Marco Civil da Internet", afirmou Gallindo. O executivo da Brasscom observou ainda que o país precisa trabalhar para fazer das TICs um pilar econômico.

Passou da hora de atualizar a Lei de Informática para a era das TICs. Essa é a posição defendida pelo presidente do TI Rio e coordenador do Rio Info, Benito Paret. Para ele, a aplicação dos recursos da legislação precisa ser rediscutida o quanto antes.

"Não o fizemos isso em 2015. E ainda não começamos em 2016. São recursos estratégicos e precisam ser direcionados para as empresas de TICs e não mais apenas para a indústria de hardware'.

A insittuição de um Marco Regulatório de Software é essencial para evitar que as empresas especializadas vivam a pressão de outros segmentos, atesta o presidente da FENAINFO, Márcio Girão. "A lei de terceirização nos pressiona muito e não entende o que é trabalhar com software'.

Girão também defende uma atualização na Lei de Informática. "É preciso dar a real atenção ao papel do software no ecossistema".

O Presidente da Softex, Rubén Delgado, se mostrou favorável à incorporação do ministério das Comunicações ao ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. "O Brasil seguiu um caminho já adotado em outros países como a Coreia do Sul", frisou.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis
LEIA TAMBÉM:

07/08/2017
Rio Info 2017 promove 8ª edição da competição global de Inovação

31/07/2017
Rio Info vai ao interior para consolidar TI fluminense

18/07/2016
Carioca Digital quer acabar com a peregrinação às repartições públicas

12/07/2016
Reoneração da folha extinguiu 52 mil postos de trabalho em TI

11/07/2016
Rio de Janeiro retoma lugar de polo de negócios em TI

11/07/2016
Monitoração em tempo real é o negócio da Internet das Coisas

11/07/2016
LNCC cria plataforma de big data e se aproxima das empresas

11/07/2016
Games: mercado de US$ 3 bilhões e em franca expansão no Brasil

08/07/2016
Pós-Jogos, Rio negocia com Embratel e Cisco megarede de Telecom

07/07/2016
Flamengo usa big data para cuidar da performance do time de futebol

Destaques
Destaques

Globo.com usa algoritmos para definir o que o leitor vai ler

Empresa conta com uma equipe com múltiplas habilidades – matemática, estatística, computação – no lugar de um time de cientista de dados. Modelo, no entanto, enfrenta resistência interna.

Setor quer marco legal para software nos moldes do Marco Civil da Internet

Legislação - que seria um conjunto de regulamentações - estaria associada à Lei de Patentes, à Lei de Inovação e à Lei de Compras Públicas de software, revela Gilberto Martins de Almeida, da GMA Advogados.


Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site