OPINIÃO

VoLTE: Você sabe o que isso vai significar?

Por Luiz Cesar de Oliveira,
20/07/2016 ... Convergência Digital

Tecnologia, inovação e disrupção muitas vezes vêm acompanhadas de muitas perguntas e preocupações para empresas e consumidores. Por que fazer isso? Como irá funcionar? Quando estará disponível? Quem irá usar? Com hábitos dos consumidores, aplicativos, conectividade e o crescente fluxo de dados e outras tantas tecnologias, vemos uma constante mudança e cenário evoluindo nas telecomunicações. Ultimamente, temos falado muito sobre coisas como VoLTE e em paralelo Wi-Fi calling.

Primeiro vamos esclarecer, VoLTE (Voice over LTE, na sigla em inglês) é exatamente o que o nome diz: um serviço para ligações de voz em uma rede 4G. Como consumidores, estamos acostumados a falar de 4G em relação a streaming, downloads e outras atividades diárias online, mas talvez algumas pessoas não saibam que a rede 4G não foi definida para suportar serviços de voz.

Toda vez que estamos conectados na rede 4G e precisamos fazer ou receber uma ligação nosso telefone automaticamente retorna à rede 3G para a ligação. Redes 3G suportam serviços de voz e dados. Com VoLTE, a rede 4G também irá suportar voz, e com potencialmente melhor qualidade. VoLTE se destaca do que temos hoje com serviços típicos de VoIP (Voice over IP, na sigla em inglês), como Skype e WhatsApp, que simplesmente usam as redes 3G ou 4G de dados móveis para entregar seus serviços de voz.

Esses serviços geralmente funcionam bem, no entanto, estão suscetíveis a qualidade variável como simplesmente compartilham os portadores de tráfego que outros serviços de dados usam. Isso significa que eles não têm uma taxa de bits garantida e nenhuma garantia de qualidade do serviço. Quando a rede está congestionada, por exemplo, ligações VoLTE terão prioridade sobre outras aplicações enquanto Skype e WhatsApp não.

Então, vamos voltar um pouco para simplificar. VoLTE usa a mesma tecnologia que conhecemos como 4G, mas usando o que tem sido um serviço central desde que a comunicação começou e estabelecendo uma base para o que voz será no futuro. Isso traz alguns benefícios como tempo de conexão mais rápido, voz em alta definição, serviços de comunicação ricos (RCS, na sigla em inglês) – integrados a outros serviços como mensagens, melhor qualidade quando a rede está congestionada e eficiência energética para a bateria do telefone (já que as ligações vão de dispositivo para dispositivo, sem usar outros apps).

Isso causa alguma confusão sobre dados e o impacto em pacotes dos consumidores. Ligações VoLTE podem ser cobradas como ligações comuns em circuito comutado 2G e 3G. Apesar de voz sobre LTE ser transmitido como dados/IP, isso não precisa impactar no pacote de dados do cliente. Esse é outro diferencial dos serviços OTT (Skype, Whatsapp, Viber, etc.), que consomem dados do pacote do cliente.

Além disso, uma vez que a cobertura LTE cresça a operadora pode optar por desligar a rede 3G e a reutilizar para outros serviços. Um serviço adicional que pode ajudar na transição é voz sobre Wi-Fi (VoWIFI), que irá ajudar a aumentar a cobertura uma vez que consumidores poderão fazer chamadas quando conectados a pontos de acesso públicos ou domésticos.

Tempos de conexão mais rápidos e qualidade de voz muito melhorada irão entregar benefícios ao usuário. A integração com outros serviços é o que irá levar o serviço de voz de uma oferta sem graça para um serviço que apoia o modo como queremos nos comunicar: com suporte a capacidades de vídeo, integração com mensagens instantâneas e mídias sociais.

Serviços de voz, por meio de VoLTE, se tornarão um serviço completamente integrado que o consumidor móvel irá usará com flexibilidade como qualquer outro aplicativo móvel. No Brasil, nós devemos ver os primeiros serviços VoLTE este ano, em escala reduzida, com operações comerciais em grande escala começando em 2017.

*Luiz Cesar de Oliveira é VP de América Latina da Viavi, empresa especiailzada em telecomunicações


Carreira
Reforma trabalhista: Não haverá contrato novo ou velho

“Se não, muitos empresários poderiam dispensar os trabalhadores da ‘lei velha’ e contratar outros com contrato novo, pela ‘lei nova’. Para não haver esse perigo, a lei aplica-se a todos os contratos em vigor no Brasil”, explica o Juiz do Trabalho, Marlos Melek.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

Governo precisa atuar como coordenador na remoção às barreiras inúteis em Telecom

Se não é possível ao governo fazer investimentos, que ele funcione como um coordenador e incentive o diálogo com os órgãos que, hoje, dificultam os investimentos em redes, diz o presidente-executivo da TelComp, João Moura. Novo ciclo do PGMC é a última oportunidade para fomentar a inclusão.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G