INOVAÇÃO

BrPhotonics se capitaliza para ficar no seleto grupo produtor de chips ópticos

Ana Paula Lobo ... 01/08/2016 ... Convergência Digital

A BrPhononics, empresa resultado de uma joint-venture entre o CPqD e a norte americana GigOptix, fundada há dois anos é a maior esperança para produção de chips e componentes no Brasil. A empresa, que já está vendendo para o exterior uma linha de produtos de teste e medição de chips, recebeu o aporte de R$ 15 milhões da FINEP, agência de fomento do MCTIC, que passa a ficar com 25% do capital acionário da empresa. E para cumprir as metas estabelecidas no projeto, já está desenhando uma nova rodada de investimentos. E o alvo é o mercado privado.

"Não queremos ser uma empresa pública. Achamos que temos condições de ser uma empresa privada de chips do Brasil, mas não pensando em atender tão somente a demanda interna do país. O nosso plano é exportar mesmo. É ampliar a relação com países como Estados Unidos, Irlanda e Alemanha. Já articulamos uma nova rodada de investimentos para ampliarmos a capacidade da fábrica - que hoje é de produção de 12 mil a 15 mil dispositivos ópticos em 2018", revela em entrevista ao portal Convergência Digital, o presidente da BrPhotonics, Júlio César Rodrigues de Oliveira.

A crise afetou o plano inicial - o próprio investimento da FINEP era previsto para sair no final do ano passado e só foi liberado em maio deste ano, mas não foi capaz de paralisar o projeto. "Há uma demanda por data centers e big data e as operadoras de telecomunicações também precisam qualificar suas compras de dispositivos ópticos. Nós não vendemos direto, mas as empresas que produzem equipamentos como DWDM, que aumenta a capacidade da fibra óptica, nos demandam", explica Oliveira.

Aqui no Brasil, os dispositivos fotônicos e microeletrônicos já foram adquiridos por universidades e a empesa planeja fechar 2016 com um faturamento de R$ 6 milhões. Para 2017, esse montante sobe para R$ 25 milhões. O aporte da FINEP acelera a fase de qualificação dos produtos junto à Telcordia, órgão internacional. Até dezembro, esse processo será finalizado e com esses certificados, o próximo passo será incrementar a produção local efetivamente.

"Vamos chegar a 3000 dispositivos produzidos até o fim de 2017. Para chegarmos a 10 mil precisaremos de mais investimentos como já falamos. O nosso objetivo é colocar a fábrica funcionando em dois turnos e ampliar o seu tamanho", reforça Oliveira. Os principais produtos da BrPhotonics são os dispositivos fotônicos integrados, modulador, em substrato de polímero e em silício, o receptor em silício, e o laser sintonizável de cavidade externa.

Entre os dispositivos fotônicos integrados, alguns modelos já estão em comercialização; outros se encontram em fase final de desenvolvimento ou qualificação.  O portfólio da BrPhotonics inclui ainda os blocos de propriedade intelectual (IPs), que representam algoritmos responsáveis por habilitar a transmissão e recepção óptica para sistemas coerentes, em formatos adequados à utilização em chips microeletrônicos. O licenciamento e a integração desses IPs também já fazem parte do conjunto de produtos atualmente em comercialização, de modo a promover, de forma consistente, a convergência fotônica-microeletrônica.

As instalações industriais da BrP, inauguradas no ano passado, são responsáveis pelo processamento e alinhamento de chips fotônicos destinados à utilização em sistemas ópticos de alta velocidade (de 100 Gb/s a 1 Tb/s), em redes de fibra óptica de longa distância ou metropolitanas (metro) e para prover conectividade em cloud computing. Para produzir esses componentes, foram montadas áreas limpas classe 100 (onde são fabricados os chips fotônicos) e classe 10.000 (que abriga a infraestrutura de empacotamento desses componentes).


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Ministério da Economia quer privatizar o financiamento à inovação

Além das empresas estatais de TICs como Serpro, Dataprev, Telebras e Ceitec, lista da secretaria de desestatizações , comandada por Salim Mattar, inclui a Finep, agência de fomento do MCTIC, e o próprio BNDES.

Com mais IA, biometria e big data, CNH Digital pula de 3 mil emissões/dia para 18 mil/dia

O cruzamento de dados biográficos e biométricos deu resultado e governo federal quer uma plataforma multicanal para atender a demanda de serviços digitais, revela o secretário de governo digital, Luiz Felipe Monteiro. Algoritmos também ganham destaque.

Rede GoB2B quer ser a plataforma de negócios global do Brasil

Empresa responsável pela criação da iniciativa reuniu um banco de dados com mais de 700 mil normas que permite uma companhia brasileira negociar, via rede, com qualquer outra global, sem intermediários apenas pela descrição do produto procurado, conta o dono da patente, Pierre Grossmann.

PwC: Brasil entra na segunda onda dos carros autônomos

Estudo da consultoria,publicado pelo site Autos Giros, mostra que o automóvel está deixando de ser uma propriedade para se tornar ‘apenas’ um veículo para a mobilidade. Mudança estrutural imposta pela tecnologia determina estratégias ousadas.

BNDES dobra financiamento e chega a R$ 30 milhões para projetos de Internet das Coisas

Investimentos somam R$ 88 milhões e vão viabilizar 15 projetos-piloto, tocados por 11 instituições, nas áreas de saúde, rural e cidades inteligentes.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G