Convergência Digital - Home

Menos de 4% das empresas tiram proveito efetivo dos dados

Convergência Digital
Por Roberta Prescott - 09/08/2016

Apenas 4% das empresas tiram proveito dos benefícios do uso de dados, destacou Franz Aman, vice-presidente-sênior de marca e geração de demanda da Informatica, no 1º Informatica World Tour 2016 realizado em São Paulo, nesta terça-feira, 09/08.

Em entrevista à CDTV, o executivo explicou que isto ocorre porque as companhias não têm conseguido analisar os dados de maneira integrada. “Elas ainda operam em silos”, destacou. Aman explicou ainda como as empresam devem combinar esforços de tecnologia,processos e pessoas qualificadas para fazer melhor uso dos dados.

“É preciso balancear estes três fatores”, disse na entrevista. Ao comentar sobre o estágio das empresas brasileiras, Aman destacou como a Kroton Educacional, sem legado de TI, investiu em ferramentas para conhecer seus estudantes. Assistam.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Dados em excesso vão provocar abandono das aplicações de Internet das Coisas

Gartner adverte que um terço das soluções de IoT vão 'morrer' antes mesmo de serem implantadas. Consultoria diz que é hora de identificar as lacunas e as fraquezas nos modelos de negócios.

Transformação digital estimula migração de aplicações críticas para a nuvem

Uso da nuvem pública fica mais atraente para instituições financeiras latinoamericanas.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mão de obra é o "Calcanhar de Aquiles" da Inteligência Artificial

Por Eduardo Prado*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o consultor Eduardo Prado, mostra como os gigantes da tecnologia travam uma dura batalha para conseguir fidelizar os especialistas existentes. Ele também adverte: há uma busca desenfreada pela competência em IA.

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site