Convergência Digital - Home

Ameaça interna é risco a ser mitigado na gestão dos dados

Convergência Digital
Ana Paula Lobo e Roberta Prescott - 10/08/2016

A série de maior sucesso da Netflix, House of Cards, foi concebida depois de uma análise das informações dos consumidores o que comprova a importância concorrencial dos dados no mercado, observou o diretor de pré-vendas para a América Latina da Informatica, Carlos Salvador.

Durante sua apresentação no Iº Informatica World Tour, realizado em São Paulo, nesta terça-feira, 09/08, Salvador ressaltou que não há certo ou errado na gestão dos dados. "Precisamos entender como o negócio funciona e adequar a informação ao objetivo da empresa", afirma o executivo.

Com relação ao conceito de dados 3.0, Salvador lembra que o dado 1.0 foi quando se concretizou o uso da informação para melhorar o negócio, o dado 2.0 veio com o sucesso dos sistemas de gestão empresarial e o 3.0, com a nuvem e o big data. O especialista da Informatica adverte: Um dos pontos mais relevantes dos dados 3.0 é a segurança da Informação. "Não adianta blindar o perímetro da empresa". Assistam a entrevista.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Computação sem servidor: ela está cada vez mais próxima

A Severless Computing vai colocar pressão nos fornecedores de hardware e software e exigirá uma guinada nos modelos atuais de negócios.

Data center como serviço: jornada digital repagina a oferta de TI

A TI e o centro de dados passam a ser geradores de serviços e não o proprietário da infraestrutura na evolução para a transformação digital.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mão de obra é o "Calcanhar de Aquiles" da Inteligência Artificial

Por Eduardo Prado*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o consultor Eduardo Prado, mostra como os gigantes da tecnologia travam uma dura batalha para conseguir fidelizar os especialistas existentes. Ele também adverte: há uma busca desenfreada pela competência em IA.

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site