Convergência Digital - Home

TI e Negócio: no uso de dados cada um no seu papel

Convergência Digital
Por Roberta Prescott - 10/08/2016

Existe um abismo entre as áreas de TI e negócio, no qual as áreas de negócio querem os dados o mais rápido possível e a TI tem um backlog gigantesco e não consegue entregar os dados na velocidade desejada, afirmou, em entrevista em vídeo ao CDTV, o arquiteto de solução da Informática Marcelo Tardeli.

Para resolver o impasse, o arquiteto de solução diz que cada área deveria atuar dentro do papel que lhe cabe. “A área de TI, hoje, é vista como mantenedora dos dados, não é a área que vai se beneficiar ou fazer uso dos dados. Já a área de negócio, usando a TI, é quem vai fazer uso dos dados”, explicou.

O especialista também fala dos projetos de big data e como eles devem ser projetados para se tornarem efetivos. Nesta terça-feira, 09/08, foi realizado o Iº Informatica World Tour, em São Paulo. Assistam a entrevista.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Dados em excesso vão provocar abandono das aplicações de Internet das Coisas

Gartner adverte que um terço das soluções de IoT vão 'morrer' antes mesmo de serem implantadas. Consultoria diz que é hora de identificar as lacunas e as fraquezas nos modelos de negócios.

Transformação digital estimula migração de aplicações críticas para a nuvem

Uso da nuvem pública fica mais atraente para instituições financeiras latinoamericanas.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mão de obra é o "Calcanhar de Aquiles" da Inteligência Artificial

Por Eduardo Prado*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o consultor Eduardo Prado, mostra como os gigantes da tecnologia travam uma dura batalha para conseguir fidelizar os especialistas existentes. Ele também adverte: há uma busca desenfreada pela competência em IA.

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site