OPINIÃO

Pokémon GO, Realidade Aumentada e planos corporativos

Por Paulo Roberto Ferreira*
19/08/2016 ... Convergência Digital

Na última reunião do G100, em que se discutia os cenários para a economia brasileira, um assunto aparentemente desconectado entrou na discussão e tomou a atenção de todos: a chegada do Pokémon GO ao Brasil.

Vários executivos tinham casos interessantes sobre a aplicação do jogo que utiliza realidade aumentada (RA) no mundo dos negócios, como por exemplo, o L’Inizio, um restaurante bar em Long Island, Nova York, que aumentou suas vendas em 75% no fim de semana pela ativação do recurso “módulo de atração” que traz personagens virtuais Pokémon para a loja.

É muito possível que o Pokémon GO se converta rapidamente em uma plataforma social de geolocalização. Especialistas em marketing já avaliam direcionar investimentos para o Pokémon GO à medida que o jogo atraia uma base maior de usuários.

Por mais que associemos inicialmente a utilização destas tecnologias e aplicativos à área de Entretenimento Digital, Marketing e Publicidade, suas aplicações são muito mais abrangentes.  Vários investimentos vêm acontecendo para o emprego de RA em áreas como: Educação, Arquitetura, Construção, Viagens e Medicina. A Juniper Research projeta que tecnologias de Realidade Aumentada impulsionarão as receitas anuais de aplicativos, que alcançarão US$2,4 bilhões em 2019.

E como o Pokémon GO chegou a uma discussão sobre rumos da economia? A questão inicial era: como planejar em um ambiente em que mudanças tecnológicas, disruptivas, surgem em velocidade cada vez maior?

Particularmente tenho a convicção que os antigos planos estratégicos de 3-5 anos se tornaram parcialmente obsoletos. A grande discussão que devemos priorizar é como liderar na era digital. A convergência de várias tecnologias como: mobilidade, analytics, plataformas e mídias sociais, cloud computing, novos dispositivos tornam as mudanças cada vez mais intensas e rápidas. A forma de se relacionar com as pessoas, funcionários e clientes, e até mesmo os atuais modelos de negócios são diretamente impactados por essa realidade.

Didier Bonnet e Andrew McAfee, no recém lançado livro ‘Liderando na Era Digital’ (baseado em uma pesquisa conjunta entre MIT Center For Digital Business e a Capgemini Consulting), destacam que as empresas devem construir sua transformação digital repensando seus modelos e processos de negócios como um todo e, também, a forma de se relacionar com seus clientes. E o sucesso desta iniciativa só é possível a partir de uma liderança forte, que conduza e tenha a visão voltada à transformação.

A Accenture, em sua publicação ‘Accenture Technolgy Vision 2016’, apresenta outro aspecto fundamental em toda esta discussão: a supremacia das pessoas na era digital. E essa é a base para responder à pergunta: Como planejar em um ambiente em que mudanças tecnológicas, disruptivas, surgem em velocidade cada vez maior? Criando uma cultura corporativa que privilegie a aproximação com os clientes, que repense constantemente seus modelos e processos de negócios, mas que coloque as pessoas em primeiro lugar. Os fatores tecnológicos são ferramentas, meios para alcançar os objetivos e têm que ser vistos desta forma.

As pessoas continuam sendo o grande fator de mudança e sucesso! O papel de um líder é o de conduzir esta mudança, inspirar as pessoas a buscar novas habilidades e se adaptar a esta realidade. A tecnologia é insumo imprescindível às empresas, mas as pessoas são estratégicas.

* Paulo Roberto Ferreira é executivo de tecnologia da informação e Membro Titular do G100 Brasil


Carreira
Sobram empregos, mas jovens querem mais para atuar na cibersegurança

Estudo mostra que, até 2022, haverá 1,8 milhão de posições de trabalho em aberto no segmento, um incremento de 20% em relação a 2015.Mas os chamados Millennials não aparecem dispostos a atuar no gerenciamento. Eles querem mais.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

Governo precisa atuar como coordenador na remoção às barreiras inúteis em Telecom

Se não é possível ao governo fazer investimentos, que ele funcione como um coordenador e incentive o diálogo com os órgãos que, hoje, dificultam os investimentos em redes, diz o presidente-executivo da TelComp, João Moura. Novo ciclo do PGMC é a última oportunidade para fomentar a inclusão.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G