OPINIÃO

Pokémon GO, Realidade Aumentada e planos corporativos

Por Paulo Roberto Ferreira*
19/08/2016 ... Convergência Digital

Na última reunião do G100, em que se discutia os cenários para a economia brasileira, um assunto aparentemente desconectado entrou na discussão e tomou a atenção de todos: a chegada do Pokémon GO ao Brasil.

Vários executivos tinham casos interessantes sobre a aplicação do jogo que utiliza realidade aumentada (RA) no mundo dos negócios, como por exemplo, o L’Inizio, um restaurante bar em Long Island, Nova York, que aumentou suas vendas em 75% no fim de semana pela ativação do recurso “módulo de atração” que traz personagens virtuais Pokémon para a loja.

É muito possível que o Pokémon GO se converta rapidamente em uma plataforma social de geolocalização. Especialistas em marketing já avaliam direcionar investimentos para o Pokémon GO à medida que o jogo atraia uma base maior de usuários.

Por mais que associemos inicialmente a utilização destas tecnologias e aplicativos à área de Entretenimento Digital, Marketing e Publicidade, suas aplicações são muito mais abrangentes.  Vários investimentos vêm acontecendo para o emprego de RA em áreas como: Educação, Arquitetura, Construção, Viagens e Medicina. A Juniper Research projeta que tecnologias de Realidade Aumentada impulsionarão as receitas anuais de aplicativos, que alcançarão US$2,4 bilhões em 2019.

E como o Pokémon GO chegou a uma discussão sobre rumos da economia? A questão inicial era: como planejar em um ambiente em que mudanças tecnológicas, disruptivas, surgem em velocidade cada vez maior?

Particularmente tenho a convicção que os antigos planos estratégicos de 3-5 anos se tornaram parcialmente obsoletos. A grande discussão que devemos priorizar é como liderar na era digital. A convergência de várias tecnologias como: mobilidade, analytics, plataformas e mídias sociais, cloud computing, novos dispositivos tornam as mudanças cada vez mais intensas e rápidas. A forma de se relacionar com as pessoas, funcionários e clientes, e até mesmo os atuais modelos de negócios são diretamente impactados por essa realidade.

Didier Bonnet e Andrew McAfee, no recém lançado livro ‘Liderando na Era Digital’ (baseado em uma pesquisa conjunta entre MIT Center For Digital Business e a Capgemini Consulting), destacam que as empresas devem construir sua transformação digital repensando seus modelos e processos de negócios como um todo e, também, a forma de se relacionar com seus clientes. E o sucesso desta iniciativa só é possível a partir de uma liderança forte, que conduza e tenha a visão voltada à transformação.

A Accenture, em sua publicação ‘Accenture Technolgy Vision 2016’, apresenta outro aspecto fundamental em toda esta discussão: a supremacia das pessoas na era digital. E essa é a base para responder à pergunta: Como planejar em um ambiente em que mudanças tecnológicas, disruptivas, surgem em velocidade cada vez maior? Criando uma cultura corporativa que privilegie a aproximação com os clientes, que repense constantemente seus modelos e processos de negócios, mas que coloque as pessoas em primeiro lugar. Os fatores tecnológicos são ferramentas, meios para alcançar os objetivos e têm que ser vistos desta forma.

As pessoas continuam sendo o grande fator de mudança e sucesso! O papel de um líder é o de conduzir esta mudança, inspirar as pessoas a buscar novas habilidades e se adaptar a esta realidade. A tecnologia é insumo imprescindível às empresas, mas as pessoas são estratégicas.

* Paulo Roberto Ferreira é executivo de tecnologia da informação e Membro Titular do G100 Brasil


Carreira
Reforma Trabalhista destrói conquistas da Convenção Coletiva de Trabalho de TI

"É a política de terra arrasada na qual se planeja substituir os trabalhadores que hoje têm carteira assinada por terceirizados, PJs e contratados parciais", afirma o presidente do Sindpd/São Paulo, Antonio Neto.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

Governo precisa atuar como coordenador na remoção às barreiras inúteis em Telecom

Se não é possível ao governo fazer investimentos, que ele funcione como um coordenador e incentive o diálogo com os órgãos que, hoje, dificultam os investimentos em redes, diz o presidente-executivo da TelComp, João Moura. Novo ciclo do PGMC é a última oportunidade para fomentar a inclusão.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G