INTERNET

Avanço tecnológico muda o conceito de dados anônimos ou sensíveis

Convergência Digital ... 14/09/2016 ... Convergência Digital

Os projetos de lei em tramitação sobre proteção de dados pessoais não valem para dados anônimos ou anonimizados, mas o avanço tecnológico praticamente acabou com essa condição. Como lembra o consultor Danilo Doneda, autor da proposta inicial de lei de proteção de dados pessoais apresentada pelo Poder Executivo (PL 5276/16), “o potencial de tratamento aumentou e com isso vieram técnicas de reidentificação, ao ponto que hoje já se diz que não existem mais dados anônimos”.

“A questão é determinar, portanto, como regular. No PL 5276/16, eles [dados anônimos] não estariam sujeitos às regras de proteção de dados, a não ser que sejam submetidos a processos de reidentificação ou com certa facilidade de-anonimizados. Mais do que etiquetar dados como anônimos, pessoais, sensíveis e assim por diante, cresce cada vez mais a ideia de que o risco apresentado por determinada utilização dos dados deve ser um critério para compor as preocupações que devem ser levado em conta.”

Ao participar do do 30º Seminário Internacional da ABDTIC, realizado em São Paulo, nos dias 31 de agosto e 1º de setembro, Doneda apontou ainda que “é um tema em formação, como qualificar risco abrindo mão da definição tradicional de dados pessoais, sendo que para muitos casos essas definições ainda são úteis. Infelizmente talvez não se consiga a segurança máxima. E aí vale mais do que tudo a utilização de práticas leais, transparentes e abertas com clientes, usuários e dados que serão tratados”. 


Netshoes vai pagar R$ 500 mil por vazamento de dados de quase 2 milhões de clientes

Acordo foi firmado entre a empresa e o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). Vazamento das informações aconteceu em janeiro do ano passado e comprometeu dados pessoais como nome, CPF, e-mail, data de nascimento e histório de compras.

Fusões e aquisições vão marcar ano dos ISPs no Brasil

Prestadores de serviços ganham a preferência dos consumidores por oferecerem velocidade e estabilidade na oferta da banda larga. Segundo a IDC Brasil, chegou a vez dos provedores avançarem no B2B.

CGI.br: Política de cibersegurança tem de respeitar privacidade e direitos humanos

Em nota, Comitê Gestor endossa o documento 'Chamado de Paris', produzido no IGF 2018. E alerta que decisões sobre o ciberespaço preciisam de uma abordagem multissetorial.

Dados Pessoais: Google recebe punição máxima de 50 milhões de euros na França

A Regulação de Proteção Geral de Dados (GDPR), em vigor desde maio do ano passado na União Europeia, vira pesadelo para as companhias de Internet.

Anatel impõe ofertas obrigatórias de conexão em apenas seis PTTs

Pontos de troca de tráfego escolhidos são os de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Fortaleza, Curitiba e Brasília. A decisão afeta Oi, Telefônica, Claro, TIM e Algar.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G