OPINIÃO

Marco Civil da Internet – Pega ou não pega?

Por Flávia Lefèvre*
28/11/2016 ... Convergência Digital

Em junho de 2014 foi editada a Lei 12.965 – o Marco Civil da Internet (MCI) – como resultado de uma construção democrática sem precedentes no país, com a participação de todos os agentes envolvidos. Agora, em maio deste ano, foi editado o Decreto 8.771/2016; também precedido de quatro consultas públicas: uma instaurada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br); outra pela Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL) e mais duas pelo Ministério da Justiça.

A lei, considerada um modelo internacionalmente, determinou que a governança da Internet deve se dar de forma multiparticipativa, transparente, colaborativa e democrática, com a participação do governo, do setor empresarial, da sociedade civil e da comunidade acadêmica” de modo a se promover a “racionalização da gestão, expansão e uso da internet, com participação do CGI.br”.

E o decreto que regulamenta esta lei, ao definir quais são os órgãos públicos envolvidos no cumprimento dos direitos e obrigações estabelecidos pelo MCI – ANATEL, Secretaria de Defesa do Consumidor (SENACON) e Conselho Administrativo de Direito Econômico (CADE), estabeleceu que a atuação deveria ser colaborativa, levando em conta diretrizes estabelecidas pelo CGI.br.

Ocorre que uma série de direitos decisivos para a utilização racional da Internet no Brasil têm sido impactados por práticas comerciais implementadas pelas maiores provedoras de conexão a Internet desde janeiro de 2015, sem que haja um pronunciamento consequente e tempestivo por parte do CGI.br.

Por outro lado, a ANATEL, cuja atribuição é tratar de telecomunicações, estando expressamente excluída por lei sua atuação no campo dos serviços de valor adicionado, como é o caso do serviço de conexão a Internet e os serviços de aplicações e conteúdos, não demora em sempre se pronunciar a respeito de temas críticos para os consumidores, tais como limite de franquia de dados, com bloqueio ao acesso à internet e privilégio e discriminação de aplicações, pela prática da tarifa zero.

E estes pronunciamentos têm sido sempre contra os interesses dos consumidores. Dois exemplos: no início de 2015, quando as operadoras móveis mudaram a prática dos planos de acesso a Internet, passando a interromper o provimento ao final do volume de dados com acesso a aplicações definidas por acordos comerciais, pronunciou-se no sentido de que a prática ela legal, na medida em que bastaria um aviso unilateral por SMS com antecedência de trinta dias para que as condições de uso do serviço fossem alteradas; e agora, mais escandaloso ainda, foi noticiado que, em processo instaurado pelo Ministério Público Federal no CADE para apurar a ilegalidade das práticas da tarifa zero nos planos móveis para aplicações como Facebook e WhatsApp, novamente a ANATEL, sem ter qualquer competência legal para tratar deste tema, manifesta-se alegando que esta prática gera efeitos favoráveis ao consumidor.

Além de recentes manifestações de órgãos reguladores na Europa e EUA a respeito da prática conhecida como zero-rating com ponderações a respeito do seu potencial nocivo para direitos concorrênciais, inovação e direitos dos consumidores, o Decreto 8.771/2016, ao especificar questões relacionadas à neutralidade de rede, deixou expresso que ficam vedadas condutas unilaterais ou acordos entre o responsável pelo serviço de conexão a Internet e os provedores de aplicação que “comprometam o caráter público e irrestrito do acesso à internet e que priorizem pacotes de dados em razão de arranjos comerciais; ou privilegiem aplicações ofertadas pelo próprio responsável pela transmissão, pela comutação ou pelo roteamento ou por empresas integrantes de seu grupo econômico”.

Ou seja, a opinião da ANATEL contraria frontalmente o que está disposto tanto no MCI quanto no seu Decreto regulamentador.

Mas, para além da dupla ilegalidade da manifestação da agência de telecomunicações, vale perguntar qual o motivo pelo qual o CADE chamou a ANATEL e não chamou o CGI.br para se pronunciar sobre o tema? E, mais, por que o CGI.br está tão recalcitrante em levar para a sociedade o debate sobre a relevância da governança multiparticipativa e de seu papel de definidor de diretrizes para o uso da Internet no Brasil?

A governança multiparticipativa da Internet é fundamental para a garantia do caráter aberto e democrático da Internet, da liberdade de expressão, para a privacidade e proteção de dados pessoais, valores estes que estão contemplados pela Constituição Federal e pelo MCI e são muito maiores do que a atribuição específica da ANATEL, cuja atuação tem sido focada em aspectos econômicos e na defesa dos interesses das empresas privadas de telecomunicações reguladas por ela e que prestam de forma verticalizada, concentrando negativamente o mercado, o serviço de telecomunicações com o serviço de valor adicionado de conexão a Internet. A sociedade precisa decidir: vamos ou não vamos dar consequência ao Marco Civil da Internet?


Carreira
Sobram empregos, mas jovens querem mais para atuar na cibersegurança

Estudo mostra que, até 2022, haverá 1,8 milhão de posições de trabalho em aberto no segmento, um incremento de 20% em relação a 2015.Mas os chamados Millennials não aparecem dispostos a atuar no gerenciamento. Eles querem mais.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

Governo precisa atuar como coordenador na remoção às barreiras inúteis em Telecom

Se não é possível ao governo fazer investimentos, que ele funcione como um coordenador e incentive o diálogo com os órgãos que, hoje, dificultam os investimentos em redes, diz o presidente-executivo da TelComp, João Moura. Novo ciclo do PGMC é a última oportunidade para fomentar a inclusão.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G