INTERNET

Brasileiro dispara no uso do Snapchat e do Instagram

Convergência Digital* ... 08/12/2016 ... Convergência Digital

A popularidade do Instagram e do Snapchat aumentou muito nos últimos dois anos, com os usuários de internet buscando mais conteúdos reais, pessoais e “de bastidores”. Segundo um novo estudo global do Connected Life, da Kantar TNS, realizado com 70 mil usuários de internet em 57 países e dentre os quais 1.022 no Brasil, 38% dos internautas da América Latina usam o Snapchat, número que mais que triplicou desde 2014, quando o estudo registrava 12%.

O desejo de compartilhar fotos, ideias e momentos também contribuíram para elevar a presença de internautas no Instagram – são 62% usuários do aplicativo atualmente na América Latina, enquanto em 2014 esse número era de 36%. No recorte brasileiro da pesquisa Connected Life, o uso dessas plataformas é ainda maior do que a média global.

Em 2015, 55% dos brasileiros entrevistados usavam o Instagram e 23% estavam no Snapchat, números que saltaram em 2016 para 75% e 57%, respectivamente. De acordo com a análise da Kantar TNS, o Brasil é um país muito social e com grande penetração de smartphones. Esses dois fatores, quando combinados, levam a um alto percentual de uso de mídias e aplicativos.

O crescimento do uso dessas plataformas ilustra o ciclo de adoção de novas tecnologias, que sempre se inicia pelos “early adopters”, os pioneiros do uso, que acabam influenciando outros públicos a aderirem às novidades. “Existe uma oportunidade real para as marcas aproveitarem essa tendência ao criar conteúdo compartilhável e “personalizável”, ao entender que as mídias sociais estão cada vez ganhando espaço na vida das pessoas”, afirma Rupak Patitunda, gerente de pesquisa da Kantar TNS Brasil.

Ainda segundo Rupak, o desafio, porém, acaba sendo engajar o consumidor por meio de conteúdos relevantes, direcionados para o público certo nas plataformas e momentos adequados. 30% dos entrevistados disseram sentir que seus comportamentos online estavam sendo rastreados pelas marcas, então é preciso tratar ações do tipo com cuidado. Por isso, a adequação entre o meio, a mensagem e a relevância é o segredo para superar a inadequação das ações das marcas nas novas mídias.

De acordo com o estudo, os influenciadores e celebridades ajudam a mudar a percepção das pessoas sobre as marcas. Duas em cada quatro pessoas da faixa etária dos 16 aos 24 anos (40%) dizem que confiam mais no que as pessoas dizem online sobre uma marca do que em fontes “oficiais”, como jornais, sites das marcas ou anúncios de TV.

Não é só para os jovens

Ainda que as gerações mais novas sejam a maior parcela de usuários de mídias sociais em todas as plataformas, uma faixa etária mais velha tem ganhado espaço: um em cada cinco usuários de internet entre os 55 e 65 anos estão usando o Instagram, um salto de 47% em relação a 2015. O apelo do compartilhamento de “fotos em tempo real” também tem aumentado nessa faixa etária, com 9% dos usuários entre 55 e 65 anos sendo usuários do Snapchat, mais do que os 3% de 2015. No Brasil, 57% dos usuários de internet dessa faixa etária também usam o Instagram e 37% também conhecem e usam o Snapchat.

O Connected Life é um estudo global que analisa as atitudes e comportamentos de mais de 70 mil usuários de internet em 57 países, sendo 1.022 no Brasil. Os dados apresentados nessa matéria foram coletados em todos os mercados entre os meses de junho e setembro de 2016. A medição de uso de Instagram e Snapchat considera a declaração dos usuários sobre o seu uso (diário, semanal, mensal ou em menor frequência que isso). Para mais informações, acesse www.connectedlife.tnsglobal.com

 


PL de Dados Pessoais tem de olhar para as pequenas e médias empresas

Equilíbrio deve ser a palavra-chave da legislação de forma a assegurar o desenvolvimento tecnológico. "Não temos só as grandes companhias", adverte Ciro Freitas, advogado da Pinheiro Neto.

Economia digital: 'Sem dados, regulamentação fica muito emocional'

A afirmação é do professor da FGV e ex-conselheiro e superintendente-geral do CADE, Carlos Ragazzo. Segundo ele, falta uma discussão estruturada sobre a regulamentação de novas tecnologias no país.

BRFibra: ISPs fazem o trabalho das operadoras, mas faltam backbones e sistemas DWDM

"Ter a fibra óptica no acesso não é tudo. Precisamos ter condições de distribuir as informações", observa o José Paulo Linné, presidente da BRFibra Telecomunicações.

Em 12 meses, internet fixa ganhou 1,5 milhão de novas conexões

A alta foi de 5,92% no período. Brasil tem 28,1 milhões de acessos ativos a internet fixa. Provedores Internet responderam por 66% dessas novas conexões.

PEC inclui acesso à Internet entre os direitos fundamentais

Medida, aprovada na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara Federal, será analisada por uma Comissão Especial a ser criada. Irá ainda a Plenário para votação.

Revista Abranet 22 . set/nov 2017
Veja a Revista Abranet nº 22 Reforma trabalhista: impactos para os ISPs. Conheça o novo cenário e saiba o que muda para as empresas de Internet. E mais: Os robôs chegaram pra valer; A incerteza dos 450 MHz; TIC Educação: o papel dos provedores.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G