OPINIÃO

Governança e gestão de TI: conheça as diferenças

Por Sergio Massao Jomori*
10/01/2017 ... Convergência Digital

A Governança Corporativa tem conseguido especial destaque em grandes,médias e pequenas corporações do mundo todo, principalmente a partir de 2001, com o colapso causado pelas fraudes contábeis e fiscais de grandes empresas norte-americanas, como a Enron Corporation e a Worldcom. Na época, constatou-se que algumas empresas de contabilidade, como a Arthur Andersen, que eram responsáveis pelas auditorias dessas corporações, também estavam envolvidas nas fraudes; o que acabou resultando na aprovação, pelo congresso dos EUA, da Lei Sarbannes-Oxley, com o propósito de restaurar a confiança na governança corporativa.

Para dar uma dimensão do tamanho do problema, em 2001 a Enron era uma das empresas líderes mundiais em distribuição de energia, empregando cerca de 21.000 pessoas. A Arthur Andersen era uma das "Big Five" empresas de contabilidade do mundo. Foi nesse ambiente de crise e desconfiança que se fortaleceu a governança corporativa, baseada nos princípios da transparência, equidade, conformidade e prestação de contas (_accountability_) e Responsabilidade Corporativa. Os termos "Governança" e "Gestão" estão intimamente relacionados, porém, possuem significados e objetivos distintos.

A - GOVERNANÇA CORPORATIVA - é o conjunto de processos, políticas e leis que regulam a maneira como uma empresa é dirigida, administrada ou controlada, sempre observando seus objetivos estratégicos e os relacionamentos entre acionistas/cotistas, conselho de administração, diretoria e órgãos de controle. Enquanto a - GOVERNANÇA DE TI - é o conjunto de políticas, normas, métodos e procedimentos relacionados à utilização da tecnologia da informação, assegurando eficiente utilização de recursos, apoio aos processos da organização, garantindo um desdobramento adequado e alinhado às definições estabelecidas pela Governança Corporativa.

Já a -GESTÃO DE TI- é o conjunto de processos e controles que tem como foco o fornecimento de serviços e produtos de TI, sendo parte integrante da Governança de TI. Não é difícil de se constatar o papel fundamental da Tecnologia da Informação nas empresas de todos os portes e segmentos, pois quase todas as informações financeiras, operacionais, administrativas passam por sistemas de informação. Atualmente não se espera mais que a área de TI da empresa seja responsável somente pela infraestrutura física de TI; é fundamental que ela garanta que os sistemas estejam sempre disponíveis,confiáveis, seguros, além de ter desempenho e usabilidade adequados.

Reconhecendo a importância estratégica da Tecnologia da Informação na sobrevivência e crescimento da empresa, é fundamental que seu corpo diretivo dê prioridade ao investimento de recursos e esforços em iniciativas relacionadas à melhoria na Governança de TI. Incontáveis projetos de TI não conseguem atingir seus objetivos de custo, prazo e escopo, pela falta de maturidade dos processos e dos mecanismos de Governança e de Gestão de TI na organização.

Com o objetivo de orientar os trabalhos de melhoria de maturidade dos processos organizacionais, diversos frameworks (modelos, normas, práticas) são comumente utilizados na implementação da Governança Corporativa, Governança de TI e Gestão de TI, como, ISO31000, COSO ERM, ISO9000 COBIT, VAL IT ISO38500, ITIL, ISO20000, ISO27000, TOGAF, PMBOK, CMMI, MPS.BR, Scrum, entre outros. Empresas bem-sucedidas sabem utilizar eficientemente os benefícios einovações da Tecnologia da Informação para adicionar valor ao negócio,com mecanismos de Governança de TI totalmente alinhados a seus objetivos estratégicos.

Sergio Massao Jomori é Diretor Vice-Presidente de Qualidade, Planejamento e Controle da ASSESPRO-SP e Sócio-diretor da ASR Consultoria


Carreira
Sobram empregos, mas jovens querem mais para atuar na cibersegurança

Estudo mostra que, até 2022, haverá 1,8 milhão de posições de trabalho em aberto no segmento, um incremento de 20% em relação a 2015.Mas os chamados Millennials não aparecem dispostos a atuar no gerenciamento. Eles querem mais.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

Governo precisa atuar como coordenador na remoção às barreiras inúteis em Telecom

Se não é possível ao governo fazer investimentos, que ele funcione como um coordenador e incentive o diálogo com os órgãos que, hoje, dificultam os investimentos em redes, diz o presidente-executivo da TelComp, João Moura. Novo ciclo do PGMC é a última oportunidade para fomentar a inclusão.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G