TELECOM

Anatel vai ao TCU limpar “ruído” sobre o fim das concessões de telecom

Luís Osvaldo Grossmann ... 25/01/2017 ... Convergência Digital

A Anatel foi ao Tribunal de Contas da União nesta quarta-feira, 25/1, para limpar o ‘ruído’ com a repercussão negativa de que as mudanças na Lei Geral de Telecomunicações podem representar ganhos superiores a R$ 100 bilhões para as operadoras de telefonia. “Fomos ao TCU e iremos a outros órgãos de controle também, de forma que se tenha uma demonstração de que se quer fazer a coisa justa, certa, correta. A força do sinal tem que ser maior que o ruído”, explicou o presidente da agência, Juarez Quadros. 

No encontro com o ‘algoz’ de telecom na corte de contas, o ministro Bruno Dantas, o principal recado foi de que o valor a ser ajustado com as operadoras pelos bens reversíveis e o fim das obrigações associadas às concessões de telefonia será calculado a partir das análises de duas consultorias, no mesmo formato utilizado para a definição do preço mínimo na privatização do setor.

“Temos agora um novo processo, mais importante até que o primeiro, lá e 1998. Nossa intenção é que ele seja dividido em estágios, levados ao Tribunal para aprovação, e um deles é contratação dos consultores para achar qual o preço justo que valem os ativos para fazer migração do regime de concessão para autorização. Depois tem a validação, quanto cada um pagou, transformou em investimento, as garantias firmes que a lei está exigindo.”

A escolha do interlocutor foi importante. Bruno Dantas é o ministro do TCU que tem se dedicado a acompanhar o setor de telecomunicações de perto e especialmente o desempenho da Anatel como agência reguladora. É dele a decisão que suspendeu o acordo de troca de multas por investimentos com a Oi, conceito semelhante ao que governo e agência querem implementar na mudança do regime de prestação de serviços. 

 A mudança na LGT e a consequente desregulamentação do setor vinha avançando em velocidade de cruzeiro até que o Senado acelerou ainda mais o processo no fim do ano passado. A manobra chamou a atenção para uma das maiores controvérsias da revisão do modelo, que é o acordo para a transferência dos ativos herdados da privatização – como as redes de cobre que ainda fornecem mais da metade da banda larga do país. 

Dentro do governo, tanto no extinto Minicom como na área econômica, a interpretação é de que tais ativos estariam próximos dos R$ 20 bilhões. Mas avaliações da Anatel usadas pelo próprio Tribunal de Contas da União situam esse patrimônio mais perto dos R$ 100 bilhões.


Recuperação judicial: Oi mantém proposta de parcelar dívida com Anatel em até 20 anos

Operadora também prevê negociação para a conversão de multas em investimentos (TACs). A agência reguladora é, hoje, a maior credora da tele com dívida, orçada pela Oi, em R$ 10 bilhões. E pela Anatel em R$ 13 bilhões. Nova versão do plano de recuperação judicial foi apresentada à Justiça. Assembleia de credores está marcada para o dia 23 de outubro.

STF devolve projeto da nova Lei de Telecom para o Senado

Confirmando a expectativa positiva dos presidentes das operadoras, o ministro Alexandre de Moraes, determinou ao Senado a análise dos recursos referentes ao projeto 79/16 e o submeta ao plenário da casa para votação.

Anatel volta a adiar decisões sobre destino da Oi

Análise de três processos sobre a situação econômica da operadora foi retirada da pauta do Conselho Diretor da agência. 

Desacertos entre acionistas e credores da Oi acendem sinal vermelho na Anatel

“A polaridade entre acionistas e parte dos credores extrapola o esperado e gera prejuízo ao desenvolvimento das negociações", adverte o conselheiro Leonardo de Morais.

CEO da Ericsson adota cautela com condenação da Lei de Informática na OMC

CEO global da fabricante, Börje Ekholm, ressaltou que o mundo caminha para o software e que a empresa irá produzir onde 'for mais produtivo e lucrativo'. Brasil está entre os 10 mercados principais da multinacional. Sobre o 5G, o CEO foi taxativo: operadoras não podem mais perder tempo.

Telecom sofre forte queda, mas ainda lidera receita do setor de serviços

Pesquisa Anual dos Serviços do IBGE, referente a 2015, mostra que Telecomunicações gerou uma receita de R$ 162 bilhões, mas caiu de 18,9% no ranking para 11,3%. Tecnologia da Informação também perdeu posição para outros segmentos.


Veja a revista do 60º Painel Telebrasil 2016
Revista do 60º Painel Telebrasil 2016
O Brasil enfrenta uma de suas mais graves crises, e as telecomunicações em banda larga são essenciais para a retomada do desenvolvimento sustentável, com inclusão social, na moderna sociedade da informação e do conhecimento. Este foi o mote dos debates durante o 60º Painel Telebrasil, realizado nos dias 22 e 23 de novembro, em Brasília.

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G