TELECOM

Anatel vai ao TCU limpar “ruído” sobre o fim das concessões de telecom

Luís Osvaldo Grossmann ... 25/01/2017 ... Convergência Digital

A Anatel foi ao Tribunal de Contas da União nesta quarta-feira, 25/1, para limpar o ‘ruído’ com a repercussão negativa de que as mudanças na Lei Geral de Telecomunicações podem representar ganhos superiores a R$ 100 bilhões para as operadoras de telefonia. “Fomos ao TCU e iremos a outros órgãos de controle também, de forma que se tenha uma demonstração de que se quer fazer a coisa justa, certa, correta. A força do sinal tem que ser maior que o ruído”, explicou o presidente da agência, Juarez Quadros. 

No encontro com o ‘algoz’ de telecom na corte de contas, o ministro Bruno Dantas, o principal recado foi de que o valor a ser ajustado com as operadoras pelos bens reversíveis e o fim das obrigações associadas às concessões de telefonia será calculado a partir das análises de duas consultorias, no mesmo formato utilizado para a definição do preço mínimo na privatização do setor.

“Temos agora um novo processo, mais importante até que o primeiro, lá e 1998. Nossa intenção é que ele seja dividido em estágios, levados ao Tribunal para aprovação, e um deles é contratação dos consultores para achar qual o preço justo que valem os ativos para fazer migração do regime de concessão para autorização. Depois tem a validação, quanto cada um pagou, transformou em investimento, as garantias firmes que a lei está exigindo.”

A escolha do interlocutor foi importante. Bruno Dantas é o ministro do TCU que tem se dedicado a acompanhar o setor de telecomunicações de perto e especialmente o desempenho da Anatel como agência reguladora. É dele a decisão que suspendeu o acordo de troca de multas por investimentos com a Oi, conceito semelhante ao que governo e agência querem implementar na mudança do regime de prestação de serviços. 

 A mudança na LGT e a consequente desregulamentação do setor vinha avançando em velocidade de cruzeiro até que o Senado acelerou ainda mais o processo no fim do ano passado. A manobra chamou a atenção para uma das maiores controvérsias da revisão do modelo, que é o acordo para a transferência dos ativos herdados da privatização – como as redes de cobre que ainda fornecem mais da metade da banda larga do país. 

Dentro do governo, tanto no extinto Minicom como na área econômica, a interpretação é de que tais ativos estariam próximos dos R$ 20 bilhões. Mas avaliações da Anatel usadas pelo próprio Tribunal de Contas da União situam esse patrimônio mais perto dos R$ 100 bilhões.


Internet Móvel 3G 4G
No Brasil, Wi-fi responde por mais da metade do acesso a Internet por smartphones

Novo relatório da britânica OpenSignal mostra que o 4G continua acelerando, com velocidades de download em alta, mas persiste o uso de conexões fixas mesmo por dispositivos móveis. Mas o Wi-fi mantém a sua relevância na comunicação móvel.

Cabo Monet, que une Google, Algar Telecom e Angola Cables, começa a operar no 2º semestre

O cabo submarino já foi todo instalado no mar e, agora, o trabalho se concentra nas estações terrenas. Já o cabo de fibra óptica SACS deverá entrar em operação em 2018.

Skylane Optics defende a homologação dos transceptores ópticos pela Anatel

Empresa de origem belga quer fazer do país uma plataforma de exportação, mas reclama que não há certificação e fiscalização nas redes atuais. "Muito da instabilidade de rede vem de produtos ruins importados sem nenhum controle", pontua Rudinei Santos Carapinheiro.

Anatel: Projeto de lei não faz doação nem envolve R$ 100 bilhões

Segundo agência, o valor residual dos bens reversíveis, que serão parte das contrapartidas de investimento em banda larga conforme previsto no PLC 79/16, “é algo em torno de R$ 18 bilhões”.

Oi e Telefônica: “R$ 100 bilhões é um valor fantasioso”

Presidentes das duas maiores operadoras do país, e o próprio governo, sustentam que o acerto de contas para trocar concessão de telefonia por autorização envolve cifras muito menores. "Esse número pegou e detestaria que o projeto fosse aprovado com essa mancha", afirma o presidente da Telefônica, Eduardo Navarro.

Senado só vota o Marco de Telecom com decisão final do STF

Presidente da casa, Eunício de Oliveira, garantiu ainda que após essa decisão, dará ao PL 79/2016, um tratamento regimental 'aberto e claro'. Liminar mandou devolver o projeto ao Senado, mas não há data para o julgamento do mérito no Supremo Tribunal Federal.

Para PGR, Acel e Abrafix não podem propor ação direta de inconstitucionalidade

Em julgamento da lei do Mato Grosso do Sul sobre serviço de acesso a internet, Ministério Público Federal revisa posicionamento e sustenta que as entidades não são representativas de classe pois “não abrangem, cada uma, toda a categoria de prestadoras”.


Veja a revista do 60º Painel Telebrasil 2016
Revista do 60º Painel Telebrasil 2016
O Brasil enfrenta uma de suas mais graves crises, e as telecomunicações em banda larga são essenciais para a retomada do desenvolvimento sustentável, com inclusão social, na moderna sociedade da informação e do conhecimento. Este foi o mote dos debates durante o 60º Painel Telebrasil, realizado nos dias 22 e 23 de novembro, em Brasília.

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G