Home - Convergência Digital

Justiça do Trabalho diz que não há vínculo empregatício entre motorista e Uber

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 03/02/2017

No que parece ser a primeira decisão sobre o tema no Brasil, a Justiça do Trabalho de Minas Gerais rejeitou os pedidos de um motorista do Uber em Belo Horizonte (MG) e decidiu que não existe vínculo empregatício entre o profissional e o aplicativo de transporte privado. 

O autor da ação, que atuou como motorista do Uber entre junho e novembro de 2016, procurou mostrar vínculo de emprego ao alegar que “não detém toda a autonomia para o exercício da atividade’ ou ainda que “o sistema implantado não permitirá jamais uma remuneração justa pelo extenuante trabalho”. 

Segundo ele, “a Uber, por meio do seu aplicativo, controla o serviço de transporte efetuado entre os motoristas e os passageiros, fixa a tarifa pelo serviço, recebe o valor pago pelo cliente e realiza semanalmente o repasse das quantias recebidas dos clientes para o motorista contratado, retendo 25% ou 30% desse valor”. 

Mas para o juiz Felipe Sickert, da 34ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte, o conjunto de evidências aponta em direção contrária e “revela a ausência de subordinação do reclamante para com as reclamadas, o que inviabiliza o pretendido reconhecimento do vínculo empregatício”. 

Segundo a decisão, “não se confunde com a subordinação jurídica a mera existência de obrigações contratuais entre as partes - o que é comum em todo tipo de contrato. O próprio reclamante revela a ausência da aludida subordinação jurídica, já que as reclamadas não lhe davam ordens, nem lhe dirigiam determinações”. 

No caso, a Uber alegou que o motorista tinha “aceitado livremente as condições que lhe foram oferecidas para a utilização da plataforma Uber” e “salientam que o reclamante não recebeu nenhum remuneraração por parte das reclamadas e que foi ele quem as remunerou pela utilização do aplicativo. Asseveram que o autor tinha ‘completa autonomia para o estabelecimento dos dias e horários nos quais pretendia se conectar ao aplicativo para atender os usuários da Uber que buscam o serviço de transporte individual privado’”. 

Ainda na decisão, o juiz acata a alegação do aplicativo de que “no contrato celebrado entre o motorista e a Uber do Brasil, fica evidenciado que esta fornece serviços de tecnologia, não serviços de transporte, não atuando como empresa de transporte, nem operando como agente para o transporte de passageiros”, daó porque, conclui, : não vejo como afirmar que o autor estivesse inserido, como empregado, na estrutura empresarial, sob a ótica da subordinação estrutural”.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

19/10/2017
Acordo no Senado prevê votação da Lei do Uber em 24 de outubro

10/10/2017
Uber leva abaixo-assinado com 815 mil assinaturas ao Senado

09/10/2017
Governo usa aplicativo para tramitação de documentos

03/10/2017
STJ rejeita novo pedido da Anatel para ficar fora da assembleia da Oi

29/09/2017
Justiça atende 77% dos processos que pedem acesso à informações

28/09/2017
Banco Inter usa app para alcançar 1 milhão de usuários

28/09/2017
Juiz atende Oi e alega ‘modificações substanciais’ no plano de recuperação

26/09/2017
Governo de SP lança edital para contratar app de transporte

26/09/2017
Senado muda texto da Câmara e tem novo projeto para Uber e similares

18/09/2017
Com 100 Acórdãos, STJ começa a firmar jurisprudência sobre internet no Brasil

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Quatro lições para dar coragem e autonomia às pessoas

Por Amanda Matos Cavalcante*

As pessoas são os principais e mais importantes ativos de uma corporação.

Destaques
Destaques

Profissional do futuro é um análogo do canivete suíço

Esse especialista terá de reunir capacidades polivalentes, diz o consultor Marcos Semola. O especialista também decreta: O RH que pensa na caixinha está morto.

Reforma trabalhista: Não haverá contrato novo ou velho

“Se não, muitos empresários poderiam dispensar os trabalhadores da ‘lei velha’ e contratar outros com contrato novo, pela ‘lei nova’. Para não haver esse perigo, a lei aplica-se a todos os contratos em vigor no Brasil”, explica o Juiz do Trabalho, Marlos Melek.

BI, big data e cientista de dados: salários entre R$ 12 mil a R$ 30 mil no Brasil

Pesquisa revela que corporações brasileiras buscam especialistas nessas áreas para conduzir seus negócios.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site