GOVERNO

Serpro/Dataprev: Planejamento quer participar do controle da megaestatal de TI

Luiz Queiroz ... 03/02/2017 ... Convergência Digital

O "estudo" que propõe a integração do Serpro e a Dataprev em três etapas, sendo a última destinada à fusão das duas empresas, apresenta uma proposta de governança da megaempresa pública de TI um tanto controversa. Primeiro, destaca-se a longa linha de comando que a grande estatal teria, com várias instâncias de poderes que podem de alguma forma paralisar a tomada de decisões. Em segundo lugar, deixa claro que há um interesse forte do Planejamento de participar da cadeia de comando junto com o Ministério da Fazenda, pasta a qual as duas empresas estão vinculadas.

Não basta alegar que "todos são governo". Até porque governo também diverge internamente e quando isso ocorre projetos são travados e acabam sem solução. A proposta elaborada pelo Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, em poder do portal Convergência Digital, mesmo que não seja um documento definitivo, deixa claro o interesse da pasta de participar da cadeia de comando da megaestatal.

Como hoje não pode interferir diretamente nas escolhas do ministro da Fazenda para a diretoria das empresas, uma vez que o Serpro e a Dataprev são vinculados àquela pasta, o Planejamento então criou uma "instância superior", que definiria os rumos da futura megaempresa, independentemente do pensamento da diretoria ou do Conselho de Administração, estruturas que também foram mantidas no futuro organograma.

O controle da megaempresa de TI estaria afinal de contas nas maos de quem? De um sugestivo "Comitê de Governança", formado pelos ministérios da Fazenda e da Casa Civil da Presidência da República, além do Ministério do Planejamento. Este último quer participar com dois membros, oriundos da Secretaria de Coordenação de Governança das Empresas Estatais (SEST) e da Secretaria de Tecnologia da Informação (STI).  Não por acaso, as duas secretarias que já elaboraram documentos sustentando a necessidade de fusão e as mais interessadas em mandar de alguma forma no Serpro e na Dataprev.

Ao Conselho de Administração, segundo esse estudo da STI, caberia o papel de fazer o monitoramento da empresa. E a diretoria ficaria responsável pela implementação das diretrizes que viessem de cima, de por as mãos na massa e executar o que for determinado pelas instâncias superiores.

Paquiderme

Só que a cadeia de comando é enorme e não para por aí. O chamado "Comitê de Governança", que definiria os rumos da empresa, se desdobraria num "Grupo Executivo" que, por sua vez, se desdobraria ainda em cinco "Grupos de Trabalho", os quais trabalhariam em paralelo às diretorias da Dataprev e do Serpro. Convém lembrar que de acordo com o estudo, nas duas primeiras fases de integração as duas empresas estatais irão operar separadas, porém em sinergia total até chegar à terceira, quando ocorrerá de fato a fusão.

A julgar pela nomenclatura dos grupos de trabalho, os autores do estudo foram pouco criativos, já que esses nomes são quase que uma cópia das atuais diretorias do Serpro.

- GT de infraestrutura e Tecnologia
- GT de Operações e Processos
- GT de Patrimônio e Aquisições
- GT Financeiro e de Pessoal
- GT de Serviços a Clientes

Sendo assim, eventual política pública ou serviço que o Serpro e a Dataprev fiquem encarregados de executar  seguiria a seguinte linha de comando.

1 - O Comitê de Governança define a política ou o serviço;

2 - E manda o Grupo Executivo elaborar o projeto;

3 -  Que manda os Grupos de Trabalho criarem os projetos e submeterem de volta ao Comitê de Governança;

4 - Que então manda os diretores das estatais passarem para a fase de execução;

5 - Que hoje mandam suas cinco "Superintendências" realizarem o serviço e;

6 - Que determinam aos Gerentes que executem a ordem. (geralmente cinco gerentes no Serpro). Isso, sem contar que a estrutura ainda contará com uma Assessoria Jurídica, encarregada de dar pareceres favoráveis ou não ao projeto e de realizar auditorias depois. E que o Conselho de Administração não resolva também a dar pitacos.

Em resumo, a futura megaestatal de TI já nasceria com um vício muito comum na Administração Pública Federal: a de ser um verdadeiro cabide de empregos. Para um estudo que fala em "ganhos de escala" na TI Federal, já se sabe que a nova megaestatal terá muito cacique. Resta saber para quantos índios.

Clique na imagem para ampliá-la


Cobertura Especial do 2º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2017

Telebras desbanca teles e assume rede da Dataprev por R$ 292 milhões

Estatal assume rede que interliga 1,7 mil agências do INSS e data centers no lugar da Embratel, Telefônica, Oi e British Telecom.



Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do evento

Governo aumenta obrigações e empresas sustentam mercado de certificação digital

Brasil terminou 2017 com 3,59 milhões de certificados digitais emitidos, segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Tecnologia, responsável pela ICP-Brasil. As pessoas físicas ainda seguem resistentes ao modelo.

Consumidor com mais de três linhas telefônicas em casa pode ter de prestar contas à Justiça

Proposta de projeto de Lei foi apresentada pelo Deputado Heuler Cruvinel (PSD/GO), com o intuito de reprimir golpes telefônicos. Se passar, as operadoras de telefonia tereão de notificar as autoridades de segurança em até 48 horas.

Brasil é reprovado nas ações políticas e tributárias de incentivo à Inovação

País ficou em 32º em 38 posições possíveis em ranking mundial, feito pela Consumer Technology Association (CTA). Foi baixa também a pontuação em investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento e na própria formação de capital humano.

Carteira de trabalho digital tem mais de 110 mil downloads

Foram 2,6 mil downloads por dia desde o final de novembro quando o aplicativo foi lançado. A maior parte dos downloads foi para o Android.


Acompanhe a Cobertura Especial do WCIT 2016

Fim da gestão do Governo dos EUA abre nova era para a Internet

Desde 1º de outubro, as funções técnicas da internet – nomes, números e protocolos – não envolvem mais um contrato da ICANN com o governo americano. “O Brasil influenciou nessa transição”, diz o secretário-executivo do CGI.br, Hartmut Glaser. 


Acompanhe a Cobertura Especial do WCIT 2016

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G