INTERNET

Regulação da internet já começou pelos impostos, diz Anatel

Luís Osvaldo Grossmann ... 15/02/2017 ... Convergência Digital

Ao abrir um dia de discussões técnicas sobre a revisão dos regulamentos de competição, interconexão e ofertas de atacado, o presidente da Anatel, Juarez Quadros, afirmou que de certa forma a internet já começou a ser ‘regulada’ no Brasil pelos impostos. 

“Serviços já começam a ser cobrados em ISS. Nos streamings de música já há andamento também na questão dos direitos autorais ao Ecad. Ou seja, mesmo que a questão não esteja regulada, pelo menos os tributos já começaram a se apresentar”, disse nesta quarta, 15/2, ao abrir o workshop “Novo modelo da gestão das relações de atacado das telecomunicações”, promovido pela agência.

É certo que a Anatel não considera que já exista regulação sobre os serviços prestados sobre a rede mundial, mas ao mexer no regulamento de interconexão a proposta em debate garante à agência o poder de exigir informações sobre os contratos firmados entre empresas da internet, apelidadas OTTs, e operadoras de telecomunicações. 

Por outro lado, Quadros apontou para o desejo de avançar na desregulamentação dos regulados, demanda das operadoras tradicionais como forma de dar maior competitividade na disputa de mercado com os provedores de serviços e conteúdos via internet. 

“A desregulamentação é um tema para o qual temos nos voltado e orientado as superintendências. Se observarmos na Europa, onde o tema também já está em discussão, no sentido mais amplo de tentar regular os não regulados de modo mínimo, e desregular os regulados, como uma tentativa de equilíbrio. Aqui no Brasil ainda não se tem tratado muito a respeito, mas as operadoras reclamam bastante do excesso de regulação.”

No caso da interconexão, objetivo expresso é conhecer melhor as relações entre esse agentes e com isso a norma busca deixar firmado que a Anatel pode analisar as relações entre os serviços de telecom e de internet, tendo acesso, por exemplo, aos termos dos contratos entre empresas como Netflix ou grandes CDNs como Akamai, com os provedores de infraestrutura. 

Para isso, o regulamento prevê que: 

Art. 50. É assegurado aos interessados o uso das redes de serviços de telecomunicações para prestação de serviços de valor adicionado, em regime de livre pactuação.

§ 1º Eventuais conflitos no relacionamento previsto no caput serão dirimidos pela Anatel.

§ 2º A Anatel poderá solicitar a qualquer tempo cópia dos contratos que materializem o relacionamento previsto no caput.

Como mencionado pelo presidente da Anatel, no fim do ano passado foi sancionada a Lei Complementar 157/16, que prevê a incidência de ISS sobre a “disponibilização, sem cessão definitiva, de conteúdos de áudio, vídeo, imagem e texto por meio da internet”, atingindo serviços como Netflix e Spotify, por exemplo. 

E agora o Superior Tribunal de Justiça reverteu as decisões de primeira instência e determinou que o streaming de músicas pela internet deve pagar direito autoral ao Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad). Para o STJ, a transmissão pela rede equivale à exibição pública da obra musical.


Fim da neutralidade de rede nos EUA está marcado para o dia 11 de junho

Presidente da FCC, Ajit Pai, está confiante na efetivação da medida, apesar de um movimento no Senado do país para derrubar as mudanças regulatórias aprovadas em dezembro de 2017.

BNDES terá piloto, em junho, para liberar entre R$ 1 milhão e R$ 10 milhões aos ISPs

Programa, batizado de BNDES 10, será lançado até o começo de junho e terá como diferencial a liberação dos recursos em um prazo de até 10 dias. Iniciativa também dispensa a apresentação de garantias por parte dos provedores Internet.

NIC.br lança cartilha com vacinas contra “fake news”

Como lembra o fascículo elaborado pelo Cert.br, boatos existem há tempos, mas ganham na internet terreno fértil para se propagar. Bom senso, atenção e confirmação fazem diferença.

Europa terá cota de conteúdo local para Netflix e empresas online

Nova legislação estenderá regras da televisão para serviços de vídeo na internet e inclui exigência de 30% de conteúdo europeu nas plataformas ‘on demand', além de contribuição para fundo do audiovisual.

Projeto prevê Direito ao Esquecimento de pessoas públicas no Marco Civil

Projeto não tenta impedir a divulgação de fatos sobre ocupantes de cargos públicos, mas abre um debate sobre o esquecimento de fatos, ainda que verídicos, de pessoas públicas que podem um dia vir a ocupar cargos por meio de eleições.

Revista Abranet 24 . maio-junho-julho 2018
Veja a Revista Abranet nº 23 A Convenção Abranet 2018 reuniu, na Bahia, cerca de cem empresas de internet. As discussões foram além do dia a dia e abordaram aspectos como planejamento, inovação e estratégia.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G