Home - Convergência Digital

Direito à desconexão: a folga 'off-line' entra na gestão das empresas

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 15/02/2017

Ainda que de forma tímida, as empresas no Brasil começam a discutir um tema essencial em tempos de inclusão digital: o chamado 'Direito à Desconexão', ou seja, o de não exigir a permanente conexão dos colaboradores com as atividades e responsabilidades profissionais, além do horário de trabalho, por meio de mensagens de celular, aplicativos, sistemas de e-mail, telefone fixo, rádios comunicadores, entre outros meios, diz a advogada Viviane Castro Neves, sócia gestora do escritório Advocacia Castro Neves, Dal Mas e mestre em Direito do Trabalho.

"O Direito à Desconexão não se confunde com o sobreaviso, com a falta de gozo de 60 minutos do intervalo para refeição e descanso de uma hora ou da fruição regular de férias. É mais amplo e não possui previsão legal específica", explica. "Atualmente, as empresas devem se preocupar com o direito à desconexão em razão da utilização indiscriminada dos novos meios de comunicação e do próprio comportamento dos colaboradores", esclarece a especialista. "Na maioria dos casos, não é a empresa e, sim, os próprios empregados, como indivíduos, que precisam aprender a desconectar-se e a respeitar o direito de desconexão do outro", complementa a advogada.

Segundo ainda a Dra. Viviane Castro Neves, a preocupação com a desconexão dos colaboradores deve estar na pauta das políticas de gestão de pessoas das empresas no Brasil. Hoje, já existem algumas ações na Justiça discutindo o direito à desconexão. "Na maioria dos casos, ocorrendo a violação do direito à desconexão nos períodos de descanso, os empregados podem alegar que adquiriram doença profissional e requererem indenizações por dano moral, dano existencial, horas extras e/ou pagamento em dobro das férias", comenta.

Com fundamento do princípio constitucional da dignidade da pessoal humana, o desembargador Dr. Luiz Otávio Linhares Renault, da 1ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de Minas Gerais, condenou uma empresa ao pagamento de R$ 10 mil a título de indenização por dano moral existencial, fundamentando que: "Viver não é apenas trabalhar; é conviver; é relacionar-se com seus semelhantes na busca do equilíbrio, da alegria, da felicidade e da harmonia, consigo própria, assim como em todo o espectro das relações sociais materiais e espirituais", destacou o julgador, ponderando que quem somente trabalha dificilmente é feliz. Assim como não é feliz quem apenas se diverte. "A vida é um ponto de equilíbrio entre trabalho e lazer", registrou.

Off-line e online

Como explica a advogada, o rompimento do direito à desconexão acontece quando há exigência do empregador no sentido de o empregado manter-se conectado de forma efetiva, sistemática e reiterada,  e o contato com o profissional se materializa, fora do ambiente e horário de trabalho, por quaisquer meios de comunicação tecnológicos, como Whatsapp, telefone fixo, rádio comunicador, acesso remoto de e-mail, etc. "A violação ao direito à desconexão somente será configurado se ficar comprovado que a empresa foi omissa ou praticou ato lesivo à vida social do trabalhador, causando-lhe grave privação da convivência em família e na sociedade, ao exigir de forma efetiva que o empregado permaneça conectado durante os períodos de descanso, de forma habitual e repetitiva", esclarece.

Por exemplo, se um empregador está de férias, viajando com a família, e faz parte de um grupo de trabalho da empresa no Whatsapp e eventualmente comenta ou escreve alguma informação no grupo,  não há que se falar na violação do direito à desconexão, porque tal fato não o impediu de usufruir das férias e muito menos do convívio social.Em um mundo cada vez mais conectado, onde a necessidade de se estar online o tempo todo parece mais latente no mercado de trabalho, é natural o surgimento de novos desafios na relação entre empresas e colaboradores.

Assim como nas doenças da era moderna no âmbito pessoal, as de convívio profissional precisam ser observadas. "A questão é de extrema importância, mas não deve causar alarde desnecessário. Os meios de comunicação são facilitadores das atividades profissionais e do convívio em sociedade. É preciso apenas que empregadores e empregados aprendam, juntos, formas de garantir a desconexão", explica a Dra. Viviane Castro Neves. Ela elenca dicas para não descumprir o direito à desconexão.

Políticas de prevenção:

A empresa deve se preocupar com o tema e estabelecer mecanismos e procedimentos para que seja observado o direito à desconexão;

Sistemas de TI: 

Senhas de acesso a bancos de dados, e-mails, celulares corporativos e outros meios de comunicação que possam ser acessados fora do horário de trabalho podem ser bloqueadas nos períodos de descanso;

Política de gestão:

Imprescindível criar uma comunicação clara e direta entre os gestores e seus subordinados para que não haja o desmedido contato com os colaboradores fora do horário de trabalho; Viviane cita um exemplo simples de orientação para os gestores: um determinado empregado tem como término do seu horário de trabalho às 18 horas. Seu gestor envia um e-mail solicitando uma tarefa às 17h55 que demanda quatro horas de trabalho para a execução, sem exigir um retorno imediato. Neste caso, o empregado pode sair no seu horário normal de trabalho e, no dia seguinte, executar a tarefa solicitada.

Não há violação do direito à desconexão por parte da empresa. Contudo, o que vem acontecendo é que o empregado, preocupado em atender prontamente seu gestor, vai para casa, trabalha quatro horas e envia a tarefa ao gestor às 23 horas. A empresa não violou o direito à desconexão. Mas, na prática, o empregado não se desconectou. Para evitar o ocorrido, basta o gestor colocar no e-mail: "solicito enviar o trabalho amanhã até às 18 horas" ou, ainda, basta programar o envio do e-mail para o dia seguinte, no horário compatível com a jornada de seu subordinado.

Plantões:

Para suprir a ausência do colaborador no período legal de descanso,  a empresa pode criar sistemas de plantões para emergências, onde somente o plantonista ficará conectado. E nestes casos, deverá a empresa oferecer a devida compensação ou contraprestação pecuniária a este profissional.

*Com assessoria de Imprensa do escritório Advocacia Castro Neves, Dal Mas

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

23/01/2018
Área de TI volta a contratar depois de dois anos de retração no Brasil

18/01/2018
IOS abre cerca de 1.300 vagas para cursos gratuitos de capacitação profissional em TI

17/01/2018
Empresas de TI oferecem mais de 300 vagas

15/01/2018
Investigador de dados: Uma função a mais para o profissional de TI

08/01/2018
MOIP abre processo seletivo de equipe Global de DevOps no Brasil

07/12/2017
Fuja, corra, dos reclamões!

05/12/2017
Dobrou o número de demissões em TI no Rio de Janeiro

01/12/2017
Construa o seu próprio sucesso profissional

30/11/2017
Remuneração de um CSO pode chegar a R$ 40 mil em 2018

23/11/2017
App replica modelo do Uber para contratação de profissionais de TI

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Quatro lições para dar coragem e autonomia às pessoas

Por Amanda Matos Cavalcante*

As pessoas são os principais e mais importantes ativos de uma corporação.

Destaques
Destaques

Um em cada cinco trabalhadores dependerá da Inteligência Artificial

Confundir IA com automação por conta das previsões pessimistas de perdas de emprego ofusca o maior benefício da tecnologia, adverte o Gartner. Consultoria projeta a criação de dois milhões de novos postos de trabalho, por conta da IA, até 2025.

Linguagem C desbanca Java e Python e assume liderança entre os desenvolvedores

Índice Tiobe mostra ainda que há novas linguagens ganhando força, entre elas, a R, que subiu do 16º lugar para o 8º lugar.

Pessoas selam o sucesso ou o fracasso da transformação digital

Sem funcionários engajados, a estratégia tende a fracassar, pontua o vice-presidente do Gartner, Cassio Dreyfuss.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site