Home - Convergência Digital

Nova decisão diverge e diz que motorista do Uber tem vínculo trabalhista

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann* - 16/02/2017

Duas semanas depois de uma primeira sentença da Justiça do Trabalho de Minas Gerais negar o pedido de um motorista do Uber, saiu também do tribunal mineiro uma decisão em sentido contrário: há vínculo empregatício entre motorista e aplicativo. 

Segundo o juiz da 33ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte, Márcio Gonçalves, “a empresa se apresenta no mundo do marketing como uma plataforma de tecnologia, mas, considerados os fatos objetivos de sua relação com os motoristas e clientes, caracteriza-se, na verdade, como uma empresa de transportes”.

Além da obrigação de assinar a Carteira de Trabalho do motorista, o Uber foi condenado a pagar a ele horas extras, adicional noturno, multa prevista na CLT, verbas rescisórias pelo rompimento do contrato sem justa causa e restituição dos valores gastos com combustível e também com a água e balas oferecidas aos passageiros.

O Uber contestou a existência de vínculo. Na defesa, disse que explora plataforma tecnológica que permite aos usuários solicitar, junto a motoristas independentes, transporte individual privado. Por essa linha, foi o motorista quem contratou o aplicativo para a captação de clientes e por isso foi ele quem remunerou o Uber, e não o contrário. 

O juiz considerou, porém, que tanto os pagamentos realizados pelos usuários são feitos para o aplicativo, que a cada semana repassa valores aos motoristas depois de recolher seu percentual, como é o Uber quem define o valor da tarifa. “Isso demonstra que a reclamada não apenas faz a intermediação dos negócios entre passageiros e condutores, mas, ao contrário, recebe por cada serviço realizado e, posteriormente, paga o trabalhador.”

Duas semanas antes, em 30 de janeiro, a Justiça decidira pleito semelhante em sentido oposto. Para o juiz Felipe Sickert, da 34ª Vara do Trabalho, também de Belo Horizonte, as evidências apontaram para “ausência de subordinação do reclamante para com as reclamadas, o que inviabiliza o pretendido reconhecimento do vínculo empregatício”. 

Segundo ele, “não se confunde com a subordinação jurídica a mera existência de obrigações contratuais entre as partes - o que é comum em todo tipo de contrato. O próprio reclamante revela a ausência da aludida subordinação jurídica, já que as reclamadas não lhe davam ordens, nem lhe dirigiam determinações”. 

Segundo o Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais, apenas lá na 3ª região já existem mais de uma dezena de pedidos de motoristas pelo reconhecimento de vínculo trabalhista com o Uber. Os motoristas em geral para os requisitos da caracterização da relação de emprego e pedem verbas trabalhistas e rescisórias, alegando dispensa injusta. O app apresenta-se como uma plataforma digital de serviços e nega possibilidade de vínculo, pois diz que é o motorista quem o contrata e o remunera para angariar clientes através do aplicativo.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

12/06/2018
Liga de futebol da Espanha usa celulares para espionar transmissão de jogos

11/06/2018
Netflix, Spotify e Deezer são os serviços mais acessados no smartphone

08/06/2018
STJ: Provedores são obrigados a reconhecer usuários antes mesmo da vigência do Marco Civil

28/05/2018
Apps de e-gov não pedem consentimento e coletam mais dados do que precisam

21/05/2018
MPF discute com EUA novo acordo bilateral para acesso a dados no exterior

14/05/2018
Maior acionista da Oi tenta barrar recuperação judicial nos EUA

11/05/2018
Governo adota aplicativo para fiscalizar e agilizar obras

07/05/2018
STJ adere à era dos smartphones e permite petição móvel

07/05/2018
Brasileiros buscam smartphones entre R$ 700 a R$ 1.220,00

07/05/2018
Justiça dá 30 dias para Microsoft mudar coleta de dados no Windows 10

Veja mais artigos
Veja mais artigos

eSocial desafia a rotina dos Recursos Humanos

Por Juliana Andrade*

Chegou a hora de as empresas tirarem proveito da robotização, especialmente, na análise de cadastros para observar se há ou não alguma informaçaõ que destoe da atualidade. O regime fiscal online exige a reparação dos dados.

Destaques
Destaques

Juízes do Trabalho: Reforma trabalhista só vale depois da sua entrada em vigor

Decisão foi tomada por mais de 700 juízes e desembargadores. Para eles, a Lei 13.467/2017 só deve valer para processos e contratos iniciados após 11 de novembro de 2017, quando a legislação entrou em vigor.

Lei Trabalhista: TST decide que demissão só pode ser homologada no sindicato

Tema é controverso, mas o ministro Alexandre Agra Belmonte decidiu em setença que "se o empregado tiver mais de um ano de serviço, o pedido de demissão somente terá validade se assistido pelo seu sindicato".

Os 10 cargos em alta na TI para 2018

Conhecimento técnico não é mais o diferencial. Habilidades no relacionamento e de liderança estão pesando muito na hora da contratação.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site