Home - Convergência Digital

Nova decisão diverge e diz que motorista do Uber tem vínculo trabalhista

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann* - 16/02/2017

Duas semanas depois de uma primeira sentença da Justiça do Trabalho de Minas Gerais negar o pedido de um motorista do Uber, saiu também do tribunal mineiro uma decisão em sentido contrário: há vínculo empregatício entre motorista e aplicativo. 

Segundo o juiz da 33ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte, Márcio Gonçalves, “a empresa se apresenta no mundo do marketing como uma plataforma de tecnologia, mas, considerados os fatos objetivos de sua relação com os motoristas e clientes, caracteriza-se, na verdade, como uma empresa de transportes”.

Além da obrigação de assinar a Carteira de Trabalho do motorista, o Uber foi condenado a pagar a ele horas extras, adicional noturno, multa prevista na CLT, verbas rescisórias pelo rompimento do contrato sem justa causa e restituição dos valores gastos com combustível e também com a água e balas oferecidas aos passageiros.

O Uber contestou a existência de vínculo. Na defesa, disse que explora plataforma tecnológica que permite aos usuários solicitar, junto a motoristas independentes, transporte individual privado. Por essa linha, foi o motorista quem contratou o aplicativo para a captação de clientes e por isso foi ele quem remunerou o Uber, e não o contrário. 

O juiz considerou, porém, que tanto os pagamentos realizados pelos usuários são feitos para o aplicativo, que a cada semana repassa valores aos motoristas depois de recolher seu percentual, como é o Uber quem define o valor da tarifa. “Isso demonstra que a reclamada não apenas faz a intermediação dos negócios entre passageiros e condutores, mas, ao contrário, recebe por cada serviço realizado e, posteriormente, paga o trabalhador.”

Duas semanas antes, em 30 de janeiro, a Justiça decidira pleito semelhante em sentido oposto. Para o juiz Felipe Sickert, da 34ª Vara do Trabalho, também de Belo Horizonte, as evidências apontaram para “ausência de subordinação do reclamante para com as reclamadas, o que inviabiliza o pretendido reconhecimento do vínculo empregatício”. 

Segundo ele, “não se confunde com a subordinação jurídica a mera existência de obrigações contratuais entre as partes - o que é comum em todo tipo de contrato. O próprio reclamante revela a ausência da aludida subordinação jurídica, já que as reclamadas não lhe davam ordens, nem lhe dirigiam determinações”. 

Segundo o Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais, apenas lá na 3ª região já existem mais de uma dezena de pedidos de motoristas pelo reconhecimento de vínculo trabalhista com o Uber. Os motoristas em geral para os requisitos da caracterização da relação de emprego e pedem verbas trabalhistas e rescisórias, alegando dispensa injusta. O app apresenta-se como uma plataforma digital de serviços e nega possibilidade de vínculo, pois diz que é o motorista quem o contrata e o remunera para angariar clientes através do aplicativo.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

18/08/2017
Divulgação de pesquisa eleitoral no WhatsApp dá multa de R$ 53 mil

17/08/2017
Apps no Brasil: WhatsApp supera Facebook. Twitter e Skype ficam bem atrás

11/08/2017
TJRJ nega pedido de Marcelo Crivella para retirar críticas do YouTube

10/08/2017
Com Watch, Facebook parte para a briga com You Tube e Netflix

09/08/2017
MPF tenta derrubar leis que impedem Uber de atuar em Pernambuco

08/08/2017
Amizade no Facebook não desqualifica testemunha em ação trabalhista

07/08/2017
STJ confirma multa de R$ 200 mil ao Google porque manteve vídeo online

03/08/2017
Uber engole rivais 99, Easy e Cabify no Brasil

03/08/2017
BB oferece WiFi gratuito em SP para crescer 20% base de usuários de app

31/07/2017
Justiça impede Anatel de remover retransmissor de TV instalado por município

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Quatro lições para dar coragem e autonomia às pessoas

Por Amanda Matos Cavalcante*

As pessoas são os principais e mais importantes ativos de uma corporação.

Destaques
Destaques

Reforma trabalhista entra em vigor em novembro no Brasil

O presidente Michel Temer sancionou a reforma Trabalhista, sem vetos, mas garante que enviará uma Medida Provisória para dar mais transparência a pontos como, por exemplo, se haverá ou não a exigência de um prazo de 18 meses para o traballhador terceirizado ser recontratado. Presidente do TST, Ives Gandra Filho, diz que lei traz 'segurança jurídica'.

"O momento é de cautela. TI é uma profissão diferenciada", diz presidente do Sindpd/SP

Embora entenda a Reforma Trabalhista como um 'desmonte' dos direitos dos trabalhadores, o presidente do Sindpd/SP, Antonio Neto, recomenda a não precipitação aos profissionais de TI.

Transformação digital faz dobrar média salarial em TI

Os profissionais mais requisitados na área tdem sido analistas, coordenadores, gerentes e chefes de segurança. Remuneração praticamente dobrou em 12 meses.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site