SEGURANÇA

Ex-assessor de Obama assume presidência da Cyber Threat Alliance

Luiz Queiroz* ... 16/02/2017 ... Convergência Digital

A Cyber Threat Alliance (CTA), por meio de nota oficial anunciou nesta quinta-feira, 16/02, a disposição da entidade de ampliar a sua missão de compartilhar informações de ameaças visando aprimorar as defesas contra adversários cibernéticos em todas as empresas associadas e proteger clientes; desenvolver a segurança cibernética das principais infraestruturas de TI; e aumentar a segurança, disponibilidade, integridade e eficiências dos sistemas de informação. Para tanto, chamou para o comando da entidade Michael Daniel, ex-coordenador de segurança cibernética da Casa Branca, durante o Governo Obama.

A CTA foi constituída como uma organização sem fins lucrativos em janeiro deste ano. Hoje reúne alguns dos gigantes da tecnologia norte-americana envolvidos com a segurança cibernética. Participam da Cyber Threat Alliance as empresas Fortinet, Intel Security, Palo Alto Networks e Symantec. Com a decisão de janeiro, de transformar a entidade numa organização sem fins lucrativos, também passaram a participar como co-fundadores as empresas Check Point Software Technologies Ltd. e Cisco.

Desde o seu lançamento, a CTA tem trabalhado em atividades como a troca de informações sobre botnets, ameaças móveis e indicadores de comprometimento (IoCs) relativos a ameaças persistentes avançadas (APTs) e exemplares de malwares avançados.

"Notáveis esforços cooperativos da CTA quebraram a versão 3.0 do código da CryptoWall, uma das mais lucrativas famílias de ransomware no mundo, totalizando mais de US$ 325 milhões resgatados. A pesquisa e as constatações da CTA forçaram os criminosos a desenvolver a versão 4.0 da CryptoWall, também descoberta pela CTA, o que resultou em um número bem menor de ataques bem sucedidos, comprovando o poder do compartilhamento de inteligência de ameaças da CTA", informa a entidade.

Juntos, os seis membros fundadores contribuem para o desenvolvimento de uma nova plataforma automatizada de compartilhamento de inteligência de ameaças, que assegure a troca de dados acionáveis de ameaças.

Quem é Michael Daniel

O Ex-coordenador de Segurança Cibernética da Casa Branca, durante o Governo Obama, Michael Daniel, esteve no Brasil por ocasião do NETMundial junto com demais autoridades da delegação Americana. Ele por diveras vezes se mostrou um defensor do modelo multistakeholder de governança da Internet.

No campo da segurança cibernética, chegou certa vez a admitir que os esforços governamentais tinham ficado aquém das expectativas. Isso porque os governos, de forma isolada,não podiam enfrentar o problema sem o envolvimento direto da sociedade e das empresas do mercado.

Ao proferir palestra em 2014 na "Billington Cybersecurity Conference", em Washington, Daniel praticamente teve uma antevisão do que viria ser futuramente a CTA de hoje, quando defendeu que o Governo Obama estava procurando uma forma alternativa de envolver o setor privado, sem depender da regulamentação tradicional e gerando um universo capaz de ser colaborativo no combate às ameaças.

Convém lembrar que, como política governamental de combate à ciberespionagem, os EUA, no Governo Obama, se envolveram numa crise diplomática com o Brasil, quando foram denunciados por prática de espionagem pelo ex-funcionário da NSA, Edward Snowden. E Michael Daniel estava na Casa Branca vivenciando bem de perto o problema. Talvez daí tenha vindo a compreensão de que esse problema envolve mais do que o aparato governamental de defesa.

"O futuro da segurança cibernética reside aqui. A colaboração da CTA permitirá a nós acelerar o ritmo de inovação enquanto trabalhamos para proteger a nuvem, dispositivos móveis e fornecer os melhores meios para prevenção de ameaças avançadas", destacou Gil Shwed, fundador e CEO, Check Point.

*Com informações da Cyber Threat Alliance.


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Identidade digital: cada vez mais sensível para o seu negócio

Com sistemas ainda mais aprimorados e tecnologias que entregam leituras perfeitas de imagens, empresas do setor financeiro – e de outras áreas sensíveis na sociedade – deverão desenvolver uma vasta teia de informações sobre o cliente. Tecnologias como a leitura facial, de íris e de digitais devem, no médio prazo, se tornarem imperceptíveis.

MPDF abre investigação sobre vazamento de 2 milhões de dados de clientes da C&A

Segundo o Ministério Público do Distrito Federal, a própria empresa admitiu ter sido alvo de um ciberataque no Brasil. Entre as informações vazadas estariam o número do CPF, e-mail, valor adquirido e outros.

Gastos globais com segurança vão crescer 12,4% em 2018

Questões relacionadas à privacidade puxam investimentos, que vão passar de R$ 450 bilhões.

Os robôs já chegaram ao centro de operações de Segurança

Mas eles nunca vão substituir os homens na resposta aos incidentes, mesmo com o uso de certas técnicas de inteligência artificial. "Há um exagero muito grande com o uso dessa tecnologia", adverte o vice-presidente de pesquisas do Gartner, Augusto Barros.

Governo lidera e 40% dos sites brasileiros não são seguros

Levantamento feito pela BigData Corp, a pedido da Serasa, indica que pelo menos 7,2 milhões de endereços não possuem certificado de criptografia SSL. Percentual é alto mesmo em sites que fazem transações financeiras.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G