INTERNET

Google não pode ser obrigada a monitorar conteúdo de terceiros, diz STJ

Luís Osvaldo Grossmann ... 17/02/2017 ... Convergência Digital

O Superior Tribunal de Justiça voltou a firmar posição de que não cabe a aplicações da internet, como as redes sociais, monitorar o conteúdo postado por terceiros em suas plataformas. Ao reformar uma decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo, o STJ sustentou tratar-se de “flagrante ilegalidade” a ordem para que o Google analisasse postagens de um usuário no Orkut.  

“Não há no ordenamento jurídico qualquer dispositivo legal que obrigue o recorrente a realizar um ‘monitoramento’ das informações e conteúdos que serão disponibilizados pelo extinto Orkut ou por qualquer outra 

aplicação oferecida pelo recorrente. Aliás, na hipótese dos autos, esse chamado monitoramento nada mais é que a imposição de censura prévia à livre manifestação em redes sociais”, diz a relatora do caso, ministra Nancy Andrighi. 

A queixa original trata de um pedido de remoção de conteúdo considerado ofensivo postado por um usuário da rede social Orkut. O ofendido pedia, ainda, a identificação do ofensor, com a divulgação, pelo Google, de “nome, endereço, RG e CPF”. Embora não configurasse parte do pleito, o TJSP acrescentou a ordem para que a empresa “monitore as mensagens ofensivas” postadas no perfil mencionado no processo. 

Para a relatora, acompanhada por unanimidade pela Terceira Turma do STJ, a decisão em si já constitui “flagrante ilegalidade”. “De um pedido para remoção e conservação do conteúdo lesivo chega-se a uma sentença que ordena o monitoramento dos materiais a serem publicados por um determinado usuário do Orkut, o que constitui nada mais que uma ordem de censura prévia aos conteúdos da rede social em comento.”

E sustenta a reforma daquela sentença com base na jurisprudência. “Conforme entendimento desta Corte, o controle editorial prévio do conteúdo das informações se equipara à quebra do sigilo da correspondência e das comunicações, vedada pelo art. 5o, XII, da CF/88. Não bastasse isso, a avaliação prévia do conteúdo de todas as informações inseridas na web eliminaria um dos maiores atrativos da internet, que é a transmissão de dados em tempo real.”

“Em outras palavras, exigir dos provedores de conteúdo o monitoramento das informações que veiculam traria enorme retrocesso ao mundo virtual, a ponto de inviabilizar serviços que hoje estão amplamente difundidos no cotidiano de milhares de pessoas. A medida, portanto, teria impacto social extremamente negativo.”

Adicionalmente, o STJ considera “excessivo” o fornecimento de “nome completo, endereço e os números de RG e CPF”. “A jurisprudência deste Superior Tribunal de Justiça é consolidada no sentido de – para adimplir sua obrigação de identificar usuários que eventualmente publiquem conteúdos considerados ofensivos por terceiros – é suficiente o fornecimento do número IP correspondente à publicação ofensiva indicada pela parte.”


Banda larga fixa: ISPs adicionam o dobro de novos acessos do que as teles

Foram 122 mil novos acessos de banda larga por parte dos provedores Internet. Já as teles, somadas, adicionaram 60 mil acessos no mês de junho.

Austrália proíbe servidor público de ‘curtir’ ou comentar contra o governo nas redes sociais

País criou um guia de conduta nas redes sociais com regras rigorosas. Uma delas exige que os funcionários públicos removam comentários desagradáveis, mesmo que de terceiros, ainda que naveguem fora de horário de trabalho. 

Banco Central adia regulamentação dos marketplaces

Autoridade Monetária atendeu pleito do setor varejista da Internet e deu mais tempo para a adequação às novas regras. De acordo com a FECOMÉRCIO/SP, pelo menos, 25 mil empresas seriam afetadas com a medida.

STJ diz que Facebook não é obrigado a fazer controle prévio das postagens

Para a ministra do Tribunal, Nancy Andrighi, exigir dos provedores de conteúdo o monitoramento das informações que veiculam “traria enorme retrocesso ao mundo virtual, a ponto de inviabilizar serviços que hoje estão amplamente difundidos no cotidiano de milhares de pessoas”.

ICANN dá vitória à Amazon na briga de domínio com os governos do Brasil e do Peru

Três anos depois de perder a primeira batalha, a provedora conseguiu uma revisão do processo na ICANN e recuperou o dominio .Amazon.

Revista Abranet 21 . junho/agosto 2017
Veja a Revista Abranet nº 21 Convenção Abranet 2017 reuniu provedores de Internet na Bahia para debater não apenas o mercado, mas também a atual situação do Brasil.
Veja também: Oportunidades no Wi-Fi; A revolução do blockchain; WannaCry para a Internet e muito mais.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G