Convergência Digital - Home

Teles partem para soluções próprias de big data

Convergência Digital
Convergência Digital* - 22/02/2017

Apesar do declínio da receita dos serviços tradicionais no mercado latino-americano de telecomunicações, Big Data poderia atuar como facilitador da transformação digital, gerando novas oportunidades de crescimento em toda a região, sustenta estudo divulgado pela consultoria Frost & Sullivan.

Atualmente, reporta o levantamento, os provedores de telecomunicações estão adotando, cautelosamente, o Big Data para melhorar sua experiência e relacionamentos com seus clientes. A próxima fase será remodelar seus negócios com análise preditiva, aplicações de próxima geração e complexidade de caso de uso avançada, seguidas de estratégias de monetização, como a venda de dados para usuários finais.

"O Big Data poderia oferecer grandes oportunidades de negócios e geração de receita. Os dados dos usuários, serviços, redes, localização e fontes de gerenciamento podem ser monetizados através da promoção de produtos, propaganda direcionada, up-sales, qualidade de experiência (QoE) e otimização de rede ", disse Carina Gonçalves, Analista da Indústria de Transformação Digital da Frost & Sullivan.

O estudo Big Data Telecommunications Market Evolution in Latin America faz parte da assinatura da Frost & Sullivan "Mobile & Wireless Communications Growth Partnership". O total de investimentos (CAPEX) do mercado de telecomunicações em Big Data no mercado latino-americano atingiu US$ 633,3 milhões em 2016. O investimento deverá atingir US$ 1.779,2 milhões em 2022, liderado pelo Brasil e México. O estudo fornece informações sobre o desenvolvimento de Big Data entre os principais provedores de telecomunicações da América Latina, identificando estrutura, uso e investimentos. A cobertura geográfica inclui Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, México e Peru.

Falta mão de obra qualificada

O relatório destaca ainda que, devido à falta de conhecimento, há resistência de algumas empresas em adotar o Big Data. Definir com eficácia o valor que o Big Data extrairá e justificar o retorno do investimento com impacto incremental no lucro são ainda tarefas difíceis. Não por acaso, pondera a Frost & Sullivan, a governança e o trabalho para definir o foco das iniciativas de Big Data estão restringindo a implementação da tecnologia na região. Outras restrições que afetam o mercado incluem:

• As operadoras precisam implementar rapidamente novas aplicações para impulsionar a evolução do mercado; contudo, a falta de mão-de-obra qualificada está tornando o processo mais lento.
• Segurança e privacidade são preocupações constantes, especialmente em torno da ausência de políticas de compartilhamento de dados e promoção da utilização ética e segura dos dados.
• Lidar com grandes e complexas organizações com múltiplos sistemas de fornecedores e integrar todos os dados e fontes é demorado e desafiador.
• Fracos algoritmos foram aplicados a novos casos de uso; portanto, as empresas de telecomunicações estão desenvolvendo suas próprias soluções Big Data, usando apenas fornecedores de suporte tecnológico.

"As empresas de telecomunicações estão lutando para rentabilizar os serviços over-the-top, de valor agregado e de nuvem. Além disso, a conectividade e as capacidades tradicionais estão em declínio. O desempenho da rede alinhado com as metas comerciais da empresa de telecomunicações e a combinação de insights entre os serviços serão críticos para o sucesso ", completou a analista da Indústria de Transformação Digital da Frost & Sullivan, Carina Gonçalves.

*Com informações da Frost&Sullivan

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Big data: Brasil deve elevar investimento em 25% este ano

Estimativa do Gartner foi apresentada por Bruno Russo, integrante da unidade de negócios da Localweb Corp, durante webinar promovido pela Assespro-SP. “O movimento que as empresas estão fazendo hoje é investir em cada vez menos em infraestrutura e cada vez mais em dados", destacou.

Empresário brasileiro é mais confiante em seus recursos de análises de dados

Segundo a consultoria KPMG, apenas 15% dos empresários brasileiros não confiam nos recursos de análises de dados utilizados, se comparados com os Estados Unidos e o Reino Unido, que apresentam baixa probabilidade de confiar nos recursos (42% e 43%, respectivamente).



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mão de obra é o "Calcanhar de Aquiles" da Inteligência Artificial

Por Eduardo Prado*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o consultor Eduardo Prado, mostra como os gigantes da tecnologia travam uma dura batalha para conseguir fidelizar os especialistas existentes. Ele também adverte: há uma busca desenfreada pela competência em IA.

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site