SEGURANÇA

Wikileaks: CIA tem arsenal de malware para hackear smartphones, TVs e carros

Luís Osvaldo Grossmann ... 07/03/2017 ... Convergência Digital

A CIA, agência norte-americana, tem ferramentas para espionar dispositivos eletrônicos com Android, iOS ou Windows e é capaz até mesmo de transformar televisores da Samsung em microfones disfarçados, tudo remotamente, graças a um imenso arsenal de vírus, trojans e demais “malware transformados em armas” desenvolvido por mais de 5 mil hackers a serviço da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos. 

A denúncia foi feita nesta terça-feira, 07/03, pelo Wikileaks e se baseia em 8.761 documentos que revelam “a total capacidade da CIA para hackear”, segundo Julian Assange. “Esse arquivos incluem muito mais páginas do que os arquivos expostos por [Edward] Snowden sobre o poder da NSA e outras agências”, sustenta o Wikileaks. Os documentos podem ser conferidos aqui

Essa primeira série de documentos, batizada de ‘Ano Zero’, também mostra que o arsenal criado pela agência de espionagem nos últimos anos “permite à CIA contornar a criptografia do WhatsApp, Signal, Telegram, Wiebo, Confide e Cloackman ao hackear os smartphones onde estão instalados e coletar tráfego de áudio e mensagens antes da criptografia ser aplicada”. 

Uma ferramenta específica, chamada Weeping Angel (Anjo Lamentador, uma paródia dos vilões da série britânica Doctor Who) é capaz de “infestar smart TVs, transformando-as em microfones escondidos”. Segundo o Wikileaks, essa ferramenta foi desenvolvida em parceria com MI5 britânico e simula que o televisor esteja desligado enquanto permite que o aparelho funcione como um ‘grampo’ com transmissão do áudio captado no ambiente via internet. 

Também segundo a denúncia, pelo menos desde 2014 a CIA trabalha em ferramentas que possibilitem assumir o sistema de controle de carros e caminhões. No caso dos smartphones, os aparelhos “informam a geolocalização do usuário, comunicações de áudio e texto, bem como permitem ativar câmera e microfone”. 

O Wikileaks sustenta, ainda, que “a CIA perdeu o controle da maior parte de seu arsenal para hackear, inclusive malware, vírus, trojans, exploits de ‘zero day’, controles remotos de sistemas e documentos associados”. Diz ainda que no fim de 2016 o Centro de Ciber Inteligência da CIA, a divisão de hackers da agência, tinha mais de 5 mil usuários registrados e produziu mais de mil dessas ferramentas de espionagem. “Tamanha é a escala do empreendimento da CIA que em 2016 seus hackers usaram mais código do que o utilizado para fazer o Facebook funcionar”, completa o Wikileaks.


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

Microsoft alerta para risco de novo ataque como WannaCry

“A vunerabilidade é ‘wormable’, o que significa que qualquer futuro malware que a explore pode propagar de um computador para outro de forma similar ao que vimos em 2017”, explica o diretor de resposta a incidentes da MS, Simon Pope.

Unisys: Transformação digital amplia papel da cibersegurança

Ao abrir o acesso por multicanais e dar maior transparência aos seus serviços, por conta da jornada digital, governo e empresas reforçam a preocupação com o compliance, observa o vice-presidente de Tecnologia da Unisys na América Latina, Marcel Valverde. Sobre a Lei de Dados Pessoais, o executivo é taxativo: "Vai exigir um grande esforço de adequação".

Dados Pessoais: Empresas abrem mão da análise de risco e erram feio na estratégia

Ataques malware explodem e País ganha destaque global como hospedeiro para ataques botnets, revela o diretor geral da SonicWaal do Brasil, Arley Brogiato.

Segurança da Informação segue muito baixa nos órgãos do Governo

O coordenador geral de contratações de TICs do ministério da Economia, Silvio Lima, admite que é preciso acelerar a capacitação das equipes. "O governo digital vai aumentar exponencialmente a base de dados nas nossas mãos". Consequência da baixa maturidade foi a decisão de não comprar por serviço na área.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G