INOVAÇÃO

Governo admite que precisa unificar iniciativas de fomento à inovação

Luís Osvaldo Grossmann e Luiz Queiroz ... 08/03/2017 ... Convergência Digital

Com quase uma década e meia de legislação específica e instrumentos de fomento, as ferramentas disponíveis para que o governo incentive o setor privado a apostar na inovação são várias, mas falta sintonia. É como analisa o secretário de inovação e novos negócios do Ministério do Desenvolvimento, Marcus Vinícius de Souza, que também ressalta a importância da recuperação da economia para dar espaço a esse movimento dos empresários. 

“A primeira atividade que as empresas cortam é inovação, é P&D, porque elas precisam sobreviver. Então, é a primeira coisa a ser cortada. Mas a gente espera que depois dessa redução que vimos nos últimos dois, três anos, por conta da crise, que isso retorne com o crescimento econômico”, reconhece. 

“O cardápio de instrumentos de inovação oferecido pelos governos no Brasil é completo, muito semelhante ao de países desenvolvidos. Isso quer dizer que está funcionando? Não necessariamente, porque embora tenhamos todos esses instrumentos falta aperfeiçoá-los para que sejam mais rápidos, menos burocráticos, e pela questão do tamanho desses investimentos – não adianta desenvolver todos esses instrumentos sendo que os recursos são limitados.” 

Souza destaca, no entanto, a multiplicação de empresas iniciantes, startups, alvo de programas como o Inovativa Brasil, que ajuda os empreendedores a formarem uma rede de contatos e conhecimento, especialmente em relação a potenciais investidores. “Apesar da dificuldade da crise econômica, temos visto uma grande proliferação de startups no Brasil. As empresas tem conseguido, através do programa, alavancar investimentos privados oito vezes maiores do que aportamos.”

O certo, sustenta o secretário, é que não há alternativa a não ser inovar. “Com a competição internacional que a gente enfrenta hoje em dia, o empresário tem que inovar. O Brasil não é mais tão barato quanto já foi, quanto são concorrentes do leste europeu, ou do sudeste asiático, e não tem o desenvolvimento avançado dos países desenvolvidos. Portanto não há muita margem de manobra para o empresário nacional se não inovar.”

O secretário de inovação e novos negócios do Ministério do Desenvolvimento, Marcus Vinícius de Souza,vai participar do 2º Seminário Brasscom Políticas Públicas & Negócios, que acontecerá nos dias 15 e 16 de março, em Brasília. Assistam a entrevista.

A Brasscom, hoje, representa 40 empresas do setor de TIC e 15 instituições e tem atuado na propagação de novas tendências, entre elas, Internet das Coisas, Big Data, Computação em Nuvem, Mobilidade, Segurança e Privacidade dos Dados. As inscrições para o 2º Seminário Brasscom Políticas Públicas & Negócios já estão abertas. Saiba como participar: http://seminariobrasscom.com.br/inscreva-se/


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Opinião
Por que devemos projetar chips no Brasil?
Rogério Moreira e Murilo Pessatti*
Opinião
BNDES e o impacto na Inovação
Cláudia Trindade Prates, João Paulo Pieroni e Luciano Machado*

Uber: São mais de 1000 decisões judiciais favoráveis ao negócio no Brasil

Diretora Jurídica da empresa, Mariana Barbosa, diz que temer a regulamentação, mas ela precisa ser 'justa para não inviabilizar o modelo de negócios'.

CADE faz estudo favorável ao Uber e sugere desregulamentação para táxis

O Departamento de Estudos Econômicos -DEE - elaborou uma nota técnica onde defende a economia de compartilhamento como benéfica para consumidores e ofertantes.

TOTVS é a única empresa de TI do Brasil em ranking global de Inovação

Estudo com 1 mil empresas que mais investem em P&D no mundo inclui outras três empresas nacionais: Petrobras, Vale e Embraer. Amazon, Alphabet (Google), Intel e Samsung lideram. Indústrias de tecnologia, automotiva e saúde concentram 61% dos aportes.

Inovação: Governo investe menos, empresas um pouco mais. Recursos caem R$ 2,8 bilhões

Dados são do MCTIC e compara 2015 a 2014. Pedidos de patentes seguem caindo no País.

TCU usa robô para fazer varredura diária de irregularidades

Alice, de ‘análise de licitações e editais’, rastreia documentos e atas do Comprasnet, o portal de compras públicas do governo federal,. Cruzamento de dados avalia valores, exigências e fornecedores para enviar alertas. 



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G