Convergência Digital - Home

Planejamento estima gastar R$ 16 milhões em nuvem coletiva para órgãos federais

Convergência Digital
Luís Osvaldo Grossmann - 08/03/2017

O governo federal estima em R$ 16,6 milhões a contratação, ainda em 2017, de serviços de computação em nuvem para, no mínimo, 40 órgãos federais. Conforme o termo de referência que está em consulta pública, a compra coletiva deverá ser feita por pregão e na modalidade de registro de preços, com dois fornecedores distintos. 

Assim, a proposta é de divisão dessa contratação coletiva em três lotes, sendo os dois primeiros para o serviço de ‘nuvem’ em si, sendo 60% no primeiro e 40% no segundo, ficando para o terceiro lote o suporte técnico, treinamento e gerenciador ‘multinuvem’. “Os Lotes 1 e 2 serão adjudicados a licitantes necessariamente distintas, caracterizando atendimento à necessidade de contratar mais de um provedor”. 

Segundo a Secretaria de Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, a separação atende orientação do TCU e dá mais segurança aos órgãos públicos, ao tentar evitar aprisionamento a um único fornecedor e viabilizar preços menores na licitação. 

“Corroborou ainda a necessidade de contratar mais de um provedor, os riscos elencados no Acórdão no 1.739/2015 do Tribunal de Contas da União, relativos a necessidade de considerar oportuno mais de um provedor como alternativa de Plano de Continuidade, a necessidade de viabilizar a transferência de operações de um provedor de computação em nuvem para um provedor alternativo, a necessidade de assegurar continuidade dos serviços no caso de interrupções planejadas ou não, e assegurar nível de serviços adequados, entre outros”, diz o termo de referência. 

Além disso, a STI elenca a “heterogeneidade” dos clientes e garantias de segurança para sustentar que “a recomendação aos órgãos será de sempre contratar dois provedores para mitigar risco de descontinuidade de serviços críticos”. “Para o objetivo de garantir a continuidade dos serviços, cada uma das licitantes vencedoras deverá prover os serviços a partir de, no mínimo, duas localidades geograficamente distintas, em distâncias superiores a 30 km”.

O texto completo do termo de referência ficará em consulta pública até 24/3. Originalmente essa consulta se dá pelo portal Participa.br, mas por falhas técnicas que até aqui não permitem acessar por ali, a proposta também foi colocada no site do Governo Eletrônico e pode ser conferida neste link. As sugestões devem ser encaminhadas por email para cgser@planejamento.gov.br.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis

Destaques
Destaques

Teles partem para soluções próprias de big data

A adoção da análise preditiva dos dados ainda é considerada 'excessivamente cautelosa' nas operadoras de telecomunicações da América Latina. Mercado na região de big data chegou a R$ 2 bilhões no ano passado.

O fim da era dos serviços tradicionais nos data centers

Mercado está em franca expansão e atrai investimentos de fundos de private equity na América Latina, mas provedores têm de reestruturar as suas ofertas para atender a demanda das empresas. Hosting dedicado ainda foi o produto mais demandado em 2016.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Hiperconvergência: vilã ou heroína da TI?

Por Paulo de Godoy*

Antes de optarem por uma solução hiperconvergente, os CIOs precisam saber quão grande será o impacto dessa adoção nos negócios da empresa, considerando os seus reais benefícios e o investimento de tempo e dinheiro no novo conceito.

O uso inteligente do Big Data a favor da indústria

Por Marlos Bosso*

Os impactos da revolução 4.0 são inevitáveis. Identrificar o que está por vir é o desafio dos executivos.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site