SEGURANÇA

Arsenal de malware da CIA reforça defesa de tratado global

Convergência Digital* ... 09/03/2017 ... Convergência Digital

As revelações do WikiLeaks sobre o uso que a Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) faz de ferramentas de ciberespionagem mostram os riscos da vigilância em massa e fortalecem a defesa de uma regulamentação internacional, pontuou o relator especial da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o direito à privacidade, Joe Cannataci.

"Provavelmente a verdadeira história aqui é que alguém conseguiu entrar nos espaços supostamente seguros da CIA, extrair e publicar estas coisas", disse à Reuters. Cannataci, durante reunião na ONU, exortou os Estados a trabalharem para criar um tratado internacional que proteja a privacidade das pessoas, dizendo que as salvaguardas tradicionais se tornaram obsoletas na era digital.

"A história sobre as técnicas de hackeamento da CIA no WikiLeaks é mais uma prova, se alguma é necessária, de que as agências de inteligência e os dados que coletam muitas vezes são tão vulneráveis quando os de qualquer um e que elas não deveriam estar correndo o risco de coletar enormes quantidades de dados sobre todos nós de maneira indiscriminada", afirmou.

Cannataci citou indícios de que informações coletadas por países, inclusive por meio da aquisição em larga escala e da vigilância em massa, estão cada vez mais vulneráveis a invasões virtuais de governos estrangeiros ou do crime organizado.

A ideia de um tratado internacional já foi defendida pelo ex-espião para os Estados Unidos, Edward Snowden. Em 2015, ele defendeu a redação de um acordo internacional sobre direitos de privacidade. O tratado teria cláusulas contra a vigilância inadequada e a favor da proteção aos delatores, num momento em que afirma haver mais países ampliando suas capacidades de espionagem.


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

Mais de 120 milhões de CPF de brasileiros vazaram de servidor mal configurado

O fato aconteceu em março deste ano e foi detectado pela empresa InfoArmor. O dono do servidor mal configurado não foi identificado. Os vazamentos se multiplicam no País. Só essa semana foram três: TIVIT, Sicredi e SKY.

BT Brasil defende clientes de mais de 125 mil ataques cibernéticos/mês

De acordo com o diretor geral da operadora no Brasil, Alex Inglês, em 12 meses, a companhia ‘defendeu’ cerca de 18 mil ataques DDoS de larga escala, alguns chegando a 650 gibabits. Complexidade tributária afasta investimentos em rede no Brasil, afirma ainda o executivo.

EUA voltam a acusar China de espionagem cibernética

Agência de Segurança Nacional alega que os chineses violam acordo para restringir esse tipo de ‘ataque’ firmado em 2015.

No Brasil, 20% das PMEs quebram após ataque hackers

Levantamento feito com 285 empresas mostra que boa parte pagou resgate para ter dados recuperados após ataque hacker. O pagamento é feito, em média, de 0,3 a 0,4 do valor de um bitcoin (R$ 9,6 mil). Entre as PMEs pesquisadas, seis de cada 10 admitiram ter sido contaminadas por malware.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G