INTERNET

Coleta desenfreada de dados, desinformação e propaganda enganosa ameaçam a Internet

Luís Osvaldo Grossmann ... 13/03/2017 ... Convergência Digital

Ao lembrar o 28º aniversário da proposta de criação da World Wide Web, neste domingo 12/03, seu criador, Tim Berners-Lee, elencou três tendências que, acredita, são ameaças para o futuro da rede: a coleta desenfreada de dados, as notícias falsas e as propagandas políticas enganosas. 

“Imaginei [a web] como uma plataforma aberta, permitindo que qualquer um, onde quer que estivesse, pudesse compartilhar informações, acessar oportunidades e colaborar entre fronteiras geográficas e culturais. Nos últimos 12 meses, contudo, tenho estado cada vez mais preocupado com três novas tendências, que acredito que devemos combater para que a web possa alcançar seu verdadeiro potencial como ferramenta a serviço de toda a humanidade”, diz Berners-Lee em carta. 

O primeiro problema, alerta o ‘pai’ da web, é que perdemos controle o sobre nossos dados pessoais. “Quando nossos dados são armazenados em espaços particulares, longe de nosso alcance, perdemos as benesses que poderíamos ter caso tivéssemos controle direto sobre os dados e escolhêssemos quando e com quem gostaríamos de compartilhá-los”, diz Berners-Lee

Segundo ele, “a coleta disseminada de dados por empresas também apresenta outros impactos. Em colaboração – ou coerção – com empresas, os governos passaram a observar todos os nossos movimentos online, e aprovaram leis extremas que atropelam nossos direitos à privacidade (...). Mesmo nos países em que acreditamos que os governos trabalham em prol de seus cidadãos, vigiar todas as pessoas o tempo todo está indo longe demais.”

A segunda ameaça, explica, é que “é muito fácil difundir desinformações na web”. Como ressaltou, muitas pessoas se valem “de um punhado de sites e mídias sociais e mecanismos de busca” para se informar. Mas como clicar em links apresentados é também uma forma de monetização, há incentivos para mostrar tendências específicas. 

“O resultado é que esses sites nos mostram conteúdo que acreditam que nós vamos querer clicar – o que significa que desinformação ou “notícias falsas”, que têm títulos surpreendentes, chocantes, criados para apelar aos nossos preconceitos, podem se espalhar como fogo. Pelo uso da ciência de dados e de exércitos de bots, pessoas com más intenções podem jogar com o sistema para disseminar desinformação para ganhos financeiros ou políticos.”

Finalmente, o ‘pai’ da web lembra que a propaganda política também se sofisticou, com o uso de algoritmos e ‘tanques de dados pessoais’, capazes de adotar campanhas sob medida para cada eleitor, mesmo que isso signifique disseminar versões diferentes de informações. 

“Uma fonte sugere que nas eleições de 2016 nos Estados Unidos, mais de 50 mil variações de anúncios foram lançadas diariamente no Facebook, uma situação quase impossível de se monitorar. E suspeita-se que alguns anúncios políticos – nos Estados Unidos e pelo mundo – estão sendo usados de maneira antiética para conduzir eleitores para sites de notícias falsas, por exemplo, ou para manter pessoas longe das pesquisas eleitorais. Anúncios direcionados permitem que uma mesma campanha lance informações diferentes e possivelmente contraditórias para grupos diferentes. Isso é democrático?”, provoca Berners-Lee. 

As soluções não serão simples, reconhece. Ainda assim, ele aponta o que podem ser caminhos para enfrentar essas três ameaças. “Precisamos trabalhar junto com empresas da web para estabelecer um equilíbrio que coloque o controle de uma quantidade considerável de dados de volta às mãos das pessoas”, inclusive, “explorar modelos alternativos de receita, como assinaturas e micropagamentos”.

Berners-Lee também lembra que é preciso “lutar contra o alcance excessivo de dados por governos através de leis de vigilância”. “Precisamos nos opor às desinformações, incentivando portais como Google e Facebook a continuarem se esforçando para combater o problema, ao mesmo tempo evitando a criação de centrais que decidam o que seria ‘verdade’ ou não”. 

Além disso, ele entende ser necessário maior transparência nos algoritmos e “talvez estabelecer um conjunto de princípios comuns a se seguir”. “Precisamos, com urgência, fechar o ‘ponto cego da internet’ na regulamentação das campanhas políticas”


Projeto quebra o Marco Civil para dar mais poder ao Ministério Público e à polícia

Projeto de Lei quer que provedores abram informações- qualificação pessoal, filiação e endereço do suspeito - sem autorização judicial.

Exposição de fotos íntimas na Internet pode dar cadeia no Brasil

Plenário da Câmara aprovou projeto que modifica a Lei da Maria da Penha para tipificar a exposição indesejada na Internet. Matéria, agora, vai para o Senado.

PL quer responsabilizar provedor Internet por autoria de conteúdo

PL 6928/2017 propõe diversas alterações no Marco Civil e estabelece ainda a adoção da identificação de usuário na Internet por meio da certificação digital.

Compras na Internet: Brasileiro muda e opta pelo pagamento à vista

Os parcelamentos entre duas e seis vezes, opção mais usada em 2015, perderam vez para as compras à vista no cartão de crédito, opção escolhida por 46,2% dos consumidores.

Pequenos provedores encaram ‘morte súbita’ na saída do Simples

“Somos o único setor que tem aumento significativo. A carga máxima de ICMS dentro do Simples é 3,95%. Mas quando põe o pé fora do Simples é no mínimo 25%. Outros setores tem transições suaves. Para nós é a morte súbita”, diz o presidente da Abrint, Erich Rodrigues.

Revista Abranet 19 . Dez 2016 - Fev 2017
Veja a Revista Abranet nº 19 Há duas décadas nascia a Abranet, e o empreendedorismo e a inovação ainda hoje fazem parte da cartilha dos associados. Na era digital, novos desafios são lançados e exigem das empresas de Internet no Brasil um olhar atento ao futuro.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G