GOVERNO

Para TCU, a digitalização travou no Brasil

Luiz Queiroz e Luís Osvaldo Grossmann ... 13/03/2017 ... Convergência Digital

Em que pesem os esforços recentes, especialmente no campo da legislação, o Brasil ainda ocupa uma “posição incômoda” entre as nações que buscam a digitalização, especialmente do Estado. Segundo o ministro do Tribunal de Contas da União, Aroldo Cedraz, esse é um esforço que depende muito mais de vontade política do que recursos ou mesmo tecnologia. 

“O Brasil tem ocupado uma posição absolutamente incômoda entre países que buscam avanços na área digital. Precisamos avançar para diminuir a enorme e pesada burocracia, avançar rapidamente para a era digital para voltarmos a ser uma economia produtiva. O governo já deveria ter tomado atitudes muito mais participativas nesse processo”, sustentou o ministro. 

Segundo ele, “isso só acontecerá de fato se o Estado promover os meios para essa transformação digital. Não precisamos ser a maior economia do mundo para isso, nem mesmo uma potencia tecnológica. Basta vontade política de diminuir os cartórios, os carimbos, evitar esforços repetitivos, duplicidade de ações, que é uma verdadeira burrice ocupada”. 

Ele lembrou que alguns passos já foram dados, em especial com a publicação de Decretos presidenciais que tratam de governança digital e compartilhamento de dados, (8279 e 8638, ambos de 2016), mas insistiu que os resultados efetivos, principalmente em políticas públicas, “só virão quando usarmos massivamente as ferramentas digitais”. 

O movimento, no entanto, não depende apenas de governos. “Não há perspectiva de transformação de um Estado analógico em digital sem expressiva participação da sociedade e da iniciativa privada. Sabemos que a iniciativa privada brasileira também está se preparando, mas acho que precisamos avançar mais rapidamente." O ministro Aroldo Cedraz é um dos palestrantes do 2º Seminário Brasscom Políticas Públicas & Negócios, que acontece nos dias 15 e 16 de março, em Brasília. Assistam a entrevista.


Cobertura Especial do 2º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2017

Telebras desbanca teles e assume rede da Dataprev por R$ 292 milhões

Estatal assume rede que interliga 1,7 mil agências do INSS e data centers no lugar da Embratel, Telefônica, Oi e British Telecom.


Presidente do Serpro diz que sinergia com Dataprev dá ganho de valor ao Estado

Para Glória Guimarães, as duas empresas são convergentes, fazem serviços diferentes para entes distintos e, principalmente, não há competição entre elas. A executiva revela ainda que Serpro e Dataprev já alinham modelos de negócios.

TCU: faltam estratégia e coordenação na compra pública de TI

O secretário de fiscalização de tecnologia da informação do Tribunal de Contas da União, Márcio Braz, sustenta que a fragmentação das aquisições é um erro e é hora de o Estado trabalhar com ganhos de escala.


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do evento

Para Abinee, revisão da Lei de Telecom vai gerar mais emprego

Em documento oficial, a entidade, que representa o setor de Tecnologia da Informação e Comunicação, sustenta que a alteração do marco regulatório é importante para incentivar investimentos nas redes de banda larga.

Empresas de TI e Telecom rejeitam reforma do PIS/Cofins

Estudo feito pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação estima que, caso aprovada, a reforma implicaria na eliminação de cerca de dois milhões de postos de trabalho. TI prevê o desaparecimento de um em cada cinco postos de trabalho. Em telecom, um prejuízo de R$ 2 bilhões/ano.

MCTIC tem 60 dias para apresentar mudanças à Lei do Bem

Dados de dezembro, mostram que menos de 1% das empresas tributadas no país que poderiam se beneficiar com a legislação, que concede incentivos fiscais para quem quer investir em pesquisa e desenvolvimento.

Congresso tem frente parlamentar contra a pirataria

Frente Parlamentar Mista em Defesa da Propriedade Intelectual e do Combate à Pirataria sustenta que o país perde R$ 120 bilhões anualmente por conta da pirataria.


Acompanhe a Cobertura Especial do WCIT 2016

Fim da gestão do Governo dos EUA abre nova era para a Internet

Desde 1º de outubro, as funções técnicas da internet – nomes, números e protocolos – não envolvem mais um contrato da ICANN com o governo americano. “O Brasil influenciou nessa transição”, diz o secretário-executivo do CGI.br, Hartmut Glaser. 


Acompanhe a Cobertura Especial do WCIT 2016

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G