GOVERNO » Compras Governamentais

Com seis anos de atraso, Telebras avança nos contratos com o governo

Luís Osvaldo Grossmann ... 14/03/2017 ... Convergência Digital

A Telebras parece ter despertado para o que era a estratégia inicial na reestruturação da empresa e depois de seis anos dá sinais começa a avançar de fato sobre os contratos para ser fornecedor de rede para órgãos públicos. Até aqui são pelo menos R$ 40 milhões em receitas anuais já garantidas, em um movimento que voltou a atrair broncas do mercado privado. 

Parece pouco diante do buraco, mais uma vez confirmado com a divulgação, nesta segunda, 14/3, do balanço de 2016. Nele, o prejuízo voltou a subir, agora para R$ 270,8 milhões, ou 15% superior ao registrado em 2015, quando ficou um pouco acima dos R$ 235 milhões. Mas como indica a estatal, é o começo do que se pretende a chave para a operação autosustentável. 

“A Telebras intensificou sua presença junto aos órgãos de governo, ampliando sua atuação, assumindo desafios que resultaram na concretização de negócios que propiciarão a melhoria de sua posição no mercado de prestação de serviço”, diz a empresa nas demonstrações financeiras apresentadas à Comissão Valores Mobiliários. 

A estatal não relaciona no balanço, mas fazem parte dessa afirmação os acordos firmados com a Anatel, a Agência Nacional de Transportes Terrestres, o Instituto Chico Mendes e o Serviço Florestal Brasileiro, todos já assinados e em operação, ou com início previsto ainda para este começo de 2017. Os próximos devem ser com o Ibama e o Ministério do Planejamento. 

Em si, esses acordos já alinhavados têm potencial para dobrar a receita líquida da estatal, que desde 2015 rodeiam os R$ 56 milhões. A expectativa é que a comercialização da capacidade do satélite geoestacionário, que deve ser lançado na próxima semana, faça de 2017 o primeiro ano de operação sem prejuízo desde a reestruturação da estatal, em 2010. 

“Com a operação do SGDC, em 2017, vislumbra-se a ampliação da oferta de banda larga em todo território nacional, especialmente nas áreas remotas, mediante um aumento significativo das vendas”, sustenta a empresa no novo balanço. A estatal não adianta quanto, mas espera em empurrão significativo das receitas este ano com o leilão da capacidade do satélite, o que deve acontecer entre abril e maio. 

Esse leilão, por sinal, abre outra frente de ofertas a órgãos públicos ao mirar não apenas o governo federal, mas também estados e municípios. A proposta de edital, atualmente em consulta, prevê que “para a prestação de serviços à Administração Pública Federal, Estadual ou Municipal, e seus respectivos órgãos, associações públicas, sociedades de economia mista e empresas públicas, se fará necessário autorização prévia emitida pela Telebras”. 

Ressalte-se que o fornecimento de serviços aos órgãos públicos está na gênese da reestruturação. O Decreto 7175/10 já determinava que caberia à estatal “implementar a rede privativa de comunicação da administração pública federal”. Era com base nisso que o primeiro presidente da nova estatal, Rogério Santanna, esperava virar a chave do prejuízo em três anos. 

Desde que Santanna foi sacado da empresa, em 2011, a Telebras esfriou o ímpeto pelas contratações com o governo. Com a redescoberta do apetite, as teles privadas voltaram a reclamar e querem que o governo reveja a previsão de contratos sem licitação entre órgãos e a estatal. Os novos contratos, no entanto, parecem sinalizar um certo pragmatismo: são essas receitas que permitirão ao governo não fazer nenhum aporte adicional na estatal depois de pagar os R$ 2 bilhões do satélite.


eSocial: deixar para novembro pode ser um erro fatal das empresas do Simples Nacional

Em entrevista ao Convergência Digital, o coordenador do eSocial, José Maia, advertiu: "Não deixem para a última hora. Aproveitem a transição".

Órgãos públicos do Executivo estão proibidos de exigir CPF e CNPJ

Medida impõe o compartilhamento de dados sem nenhuma regra de cuidado com as informações. Portaria proíbe a exigência ainda de certidões de débitos tributários e dívida ativa e certidão de quitação eleitoral.

Serpro repudia acusação de venda de dados pessoais

Estatal diz nunca ter repassado conteúdo ao site 'Consulta Pública', 'congelado' por uma ação do MPF do Distrito Federal. Sustenta ainda que não vende 'secretamente' dados de pessoas naturais ou jurídicas.

Apps de e-gov não pedem consentimento e coletam mais dados do que precisam

Segundo estudo do InternetLab com aplicativos federais e de São Paulo, nenhum dos aplicativos pede consentimento expresso e metade não possui qualquer política de privacidade.

Anac autoriza Secretaria de Patrimônio da União usar drones para fiscalização

Licitação para a compra de equipamentos pelo governo deverá acontecer a partir do final de maio. Drones vão ser usados para fiscalizar uso irregular de áreas de praia, margens de rios, terrenos de marinha e espelhos d'água, dentre outros bens públicos de propriedade da União.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G