GOVERNO » Compras Governamentais

Com seis anos de atraso, Telebras avança nos contratos com o governo

Luís Osvaldo Grossmann ... 14/03/2017 ... Convergência Digital

A Telebras parece ter despertado para o que era a estratégia inicial na reestruturação da empresa e depois de seis anos dá sinais começa a avançar de fato sobre os contratos para ser fornecedor de rede para órgãos públicos. Até aqui são pelo menos R$ 40 milhões em receitas anuais já garantidas, em um movimento que voltou a atrair broncas do mercado privado. 

Parece pouco diante do buraco, mais uma vez confirmado com a divulgação, nesta segunda, 14/3, do balanço de 2016. Nele, o prejuízo voltou a subir, agora para R$ 270,8 milhões, ou 15% superior ao registrado em 2015, quando ficou um pouco acima dos R$ 235 milhões. Mas como indica a estatal, é o começo do que se pretende a chave para a operação autosustentável. 

“A Telebras intensificou sua presença junto aos órgãos de governo, ampliando sua atuação, assumindo desafios que resultaram na concretização de negócios que propiciarão a melhoria de sua posição no mercado de prestação de serviço”, diz a empresa nas demonstrações financeiras apresentadas à Comissão Valores Mobiliários. 

A estatal não relaciona no balanço, mas fazem parte dessa afirmação os acordos firmados com a Anatel, a Agência Nacional de Transportes Terrestres, o Instituto Chico Mendes e o Serviço Florestal Brasileiro, todos já assinados e em operação, ou com início previsto ainda para este começo de 2017. Os próximos devem ser com o Ibama e o Ministério do Planejamento. 

Em si, esses acordos já alinhavados têm potencial para dobrar a receita líquida da estatal, que desde 2015 rodeiam os R$ 56 milhões. A expectativa é que a comercialização da capacidade do satélite geoestacionário, que deve ser lançado na próxima semana, faça de 2017 o primeiro ano de operação sem prejuízo desde a reestruturação da estatal, em 2010. 

“Com a operação do SGDC, em 2017, vislumbra-se a ampliação da oferta de banda larga em todo território nacional, especialmente nas áreas remotas, mediante um aumento significativo das vendas”, sustenta a empresa no novo balanço. A estatal não adianta quanto, mas espera em empurrão significativo das receitas este ano com o leilão da capacidade do satélite, o que deve acontecer entre abril e maio. 

Esse leilão, por sinal, abre outra frente de ofertas a órgãos públicos ao mirar não apenas o governo federal, mas também estados e municípios. A proposta de edital, atualmente em consulta, prevê que “para a prestação de serviços à Administração Pública Federal, Estadual ou Municipal, e seus respectivos órgãos, associações públicas, sociedades de economia mista e empresas públicas, se fará necessário autorização prévia emitida pela Telebras”. 

Ressalte-se que o fornecimento de serviços aos órgãos públicos está na gênese da reestruturação. O Decreto 7175/10 já determinava que caberia à estatal “implementar a rede privativa de comunicação da administração pública federal”. Era com base nisso que o primeiro presidente da nova estatal, Rogério Santanna, esperava virar a chave do prejuízo em três anos. 

Desde que Santanna foi sacado da empresa, em 2011, a Telebras esfriou o ímpeto pelas contratações com o governo. Com a redescoberta do apetite, as teles privadas voltaram a reclamar e querem que o governo reveja a previsão de contratos sem licitação entre órgãos e a estatal. Os novos contratos, no entanto, parecem sinalizar um certo pragmatismo: são essas receitas que permitirão ao governo não fazer nenhum aporte adicional na estatal depois de pagar os R$ 2 bilhões do satélite.


BNDES tem novo modelo de financiamento em infraestrutura

No lugar dos empréstimos-ponte, banco vai adotar “empréstimos sindicalizados”, ou seja, concedidos por um conjunto de bancos. Instituição torce para o interesse de bancos estrangeiros nesses negócios.

GovData marca início da gestão centralizada da TI no governo

Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações vai subsidiar e intermediar o acesso às informações guardadas por Serpro e Dataprev, em modelo de assinatura anual à plataforma. O ministério de Desenvolvimento Social e Agrário fez um piloto e o tempo de análise de dados, que era de 40 dias, caiu para um dia.

Governo terá plataforma única para cruzamento de dados no Poder Executivo

Planejamento chegou a proibir os órgãos federais de contratarem soluções de Big Data e Analytics para evitar dispersões.

Greve continua e não há data para lançamento do satélite da Telebras

Previsto para o dia 21 de março, o lançamento, agora, só deverá acontecer pelo menos 10 dias depois do fim da greve geral na Guiana Francesa. Governo diz que atraso não causa prejuízo aos projetos nem financeiro.

Gilberto Kassab sofre duas investigações oficiais por conta da Lava Jato

O jornal Estado de São Paulo divulgou a lista do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal. Foi determinada a abertura de inquérito contra contra nove ministros do governo Temer, 29 senadores e 42 deputados federais, entre eles os presidentes das duas Casas - Senado e Câmara.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G