TELECOM

Para MCTIC, FUST 'morreu' e é preciso um novo fundo para a banda larga

Luís Osvaldo Grossmann ... 14/03/2017 ... Convergência Digital

Ao defender a aprovação da revisão do marco legal das telecomunicações, o secretario de Telecomunicações do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, André Borges, sustentou que mesmo com as mudanças será necessário manter algum tipo de fundo de investimento, nos moldes do Fust, para cobrir custos da expansão das redes de banda larga. 

“Uma principal fonte de financiamento para um programa desses seria um fundo de investimento, mas na situação orçamentária do pais contar com um fundo é muito difícil. Mas esse é um trabalho que precisa ser feito, estudar a extinção do Fust e criação de outro fundo de investimento em banda larga, talvez com incentivo à demanda”, sustentou o secretário ao participar, nesta terça, 14/3, de debate sobre as mudanças propostas promovido pela Momento Editorial. 

Borges defendeu a aprovação do PLC 79/16, que abre caminho para o fim das concessões de telefonia e a substituição por autorizações, como forma de viabilizar os investimentos necessários para redes de transporte e acesso à internet. 

“A revisão da LGT é absolutamente essencial e provavelmente a principal fonte de recursos para se poder trabalhar nesses projetos, isso assumindo que as concessionárias vão exercer a opção de adaptar sua licença de concessão para autorização”, disse. 

Além da conta de quanto será a vantagem com o fim das concessões, o secretário elencou eventuais futuros Termos de Ajustamento de Conduta, mas insistiu na necessidade de um fundo. “Tem que ser feito encaminhamento de projeto de lei ou alterando Fust ou extinguindo e criando outro que tenha previsão de investimento em conectividade”, disse.


Oi assume negociação para participação acionária da China Telecom

Revelação acontece logo depois de o ministro Gilberto Kassab afirmar que a operadora precisa de dinheiro novo para evitar a intervenção ou a caducidade das concessões.

Telecom sofre forte queda, mas ainda lidera receita do setor de serviços

Pesquisa Anual dos Serviços do IBGE, referente a 2015, mostra que Telecomunicações gerou uma receita de R$ 162 bilhões, mas caiu de 18,9% no ranking para 11,3%. Tecnologia da Informação também perdeu posição para outros segmentos.

Claro Brasil: Modelo é o culpado pelo fracasso da interiorização da banda larga

Presidente da Claro Brasil, José Félix, sustentou que do jeito que está o modelo de telecom não tem mais jeito.

OTTs exigem mudanças, mas TV paga precisa entregar o que o consumidor quer

A verticalização do setor - onde atores estão distribuindo, programando e produzindo conteúdo - é um enorme desafio para os reguladores, diz o diretor da AT&T/DirectTV, Michael Hartmann.

Anatel vai à assembleia da Oi para votar contra plano de recuperação

Orientação é da Advocacia Geral da União. “Do jeito que está, vamos à assembleia para dizer não”, disse o presidente da agência Juarez Quadros. 

Presidente de Claro Brasil diz que pagar por TV aberta é insustentável

Para José Félix, acerto com a Simba, que reúne Record, SBT e RedeTV!, tem futuro limitado. “Não sei quanto tempo esse acordo vai durar. Um sinal que está no ar não tem que ser pago.”


Veja a revista do 60º Painel Telebrasil 2016
Revista do 60º Painel Telebrasil 2016
O Brasil enfrenta uma de suas mais graves crises, e as telecomunicações em banda larga são essenciais para a retomada do desenvolvimento sustentável, com inclusão social, na moderna sociedade da informação e do conhecimento. Este foi o mote dos debates durante o 60º Painel Telebrasil, realizado nos dias 22 e 23 de novembro, em Brasília.

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G