TELECOM

Para MCTIC, FUST 'morreu' e é preciso um novo fundo para a banda larga

Luís Osvaldo Grossmann ... 14/03/2017 ... Convergência Digital

Ao defender a aprovação da revisão do marco legal das telecomunicações, o secretario de Telecomunicações do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, André Borges, sustentou que mesmo com as mudanças será necessário manter algum tipo de fundo de investimento, nos moldes do Fust, para cobrir custos da expansão das redes de banda larga. 

“Uma principal fonte de financiamento para um programa desses seria um fundo de investimento, mas na situação orçamentária do pais contar com um fundo é muito difícil. Mas esse é um trabalho que precisa ser feito, estudar a extinção do Fust e criação de outro fundo de investimento em banda larga, talvez com incentivo à demanda”, sustentou o secretário ao participar, nesta terça, 14/3, de debate sobre as mudanças propostas promovido pela Momento Editorial. 

Borges defendeu a aprovação do PLC 79/16, que abre caminho para o fim das concessões de telefonia e a substituição por autorizações, como forma de viabilizar os investimentos necessários para redes de transporte e acesso à internet. 

“A revisão da LGT é absolutamente essencial e provavelmente a principal fonte de recursos para se poder trabalhar nesses projetos, isso assumindo que as concessionárias vão exercer a opção de adaptar sua licença de concessão para autorização”, disse. 

Além da conta de quanto será a vantagem com o fim das concessões, o secretário elencou eventuais futuros Termos de Ajustamento de Conduta, mas insistiu na necessidade de um fundo. “Tem que ser feito encaminhamento de projeto de lei ou alterando Fust ou extinguindo e criando outro que tenha previsão de investimento em conectividade”, disse.


Anteprojeto que muda Fust e Fistel chega ao MCTIC

Anatel encaminhou a proposta como sugestão de uso dos recursos e redução de taxas incidentes sobre a internet das coisas. Mas teles questionam contas.

Teles reduzem índice de queixas dos usuários. Pós-pago foi o mais reclamado

Reclamações contra os serviços de telefonia fixa, móvel, TV por assinatura e banda larga caíram 15,6% no primeiro semestre, de acordo com dados da Anatel. Mas com o impulso do 4G, o celular pós-pago, por conta da cobrança dos pacotes, foi o mais reclamado em junho.

Prejuízo acelera processo de venda da Nextel Brasil

Controladora da operadora, NII Holdings, amargou um prejuízo de US$ 20 milhões, ou R$ 80 milhões, no segundo trimestre. Rumores dão conta que TIM e Telefônica/Vivo disputariam o ativo.

Fundos americanos já concentram 26% da Oi

Depois do York e do Goldentree, operadora informou ao mercado que o fundo Solus ficou com 9,71% do capital. BDNES perdeu participação.

Oi chama ex-presidente da TIM para novo Conselho de Administração

Além dos atuais seis integrantes do conselho transitório, proposta traz mais cinco nomes ao novo conselho, entre eles Rodrigo Abreu, ex-TIM e, hoje, na Quod.

TIM não vai repassar ao cliente custo de contrato com WhatsApp Business

Operadora foi a primeira a fechar um acordo comercial para uso da ferramenta da OTT no Brasil e, neste momento, não vai cobrar dos clientes pelo uso do canal de relacionamento.


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G