GOVERNO » Compras Governamentais

TCU: faltam estratégia e coordenação na compra pública de TI

Luís Osvaldo Grossmann e Pedro Costa ... 20/03/2017 ... Convergência Digital

A fragmentação da produção e compra de tecnologia da informação entre os diversos órgãos do governo reduz a eficiência e aumenta os gastos públicos. A análise do Tribunal de Contas da União é de que o Estado precisa trabalhar com ganhos de escala, o que exige estratégia e coordenação. 

“A questão de escala é importante para que a gente promova ganhos de eficiência nas organizações governamentais. A gente tem acompanhado os modelos e as estratégias de TI ao longo dos últimos 10 anos e o que a gente nota é uma repetição de esforços. Muitas organizações fazem soluções ou desenvolvem estruturas que atendem apenas a própria necessidade e isso é muito caro”, disse o secretário de fiscalização de TI do Tribunal de Contas da União, Márcio Braz. 

Mas como lembrou durante o 2º Seminário Brasscom Políticas Públicas & Negócios, realizado nos dias 15 e 16 de março, em Brasília, isso exige uma estratégia comum. “A gente só vai ter ganhos de eficiência quando conseguirmos orquestrar as organizações públicas a trabalhar sob uma mesma estratégia. Não significa centralizar todo o serviço e produção de TI em um único organismo, que seria péssimo para inovação, mas propiciar que soluções às vezes simples não sejam feitas de maneira duplicada.”

“A estratégia de compra tem que estar ligada à estratégia de governança, à estratégia digital do governo como um todo. Se as compras públicas não estiverem alinhadas à estratégia, o órgão pode até fazer uma boa compra, necessária para sua realidade, mas sob o ponto de vista do governo como um todo não seria mais indicada, por atender apenas àquele ministério. Na medida que a gente consiga pensar no mais eficiente para o Estado, a gente consegue avançar no ganho de escala e ter economias que são necessárias.” Assistam a entrevista.


Para Abinee, revisão da Lei de Telecom vai gerar mais emprego

Em documento oficial, a entidade, que representa o setor de Tecnologia da Informação e Comunicação, sustenta que a alteração do marco regulatório é importante para incentivar investimentos nas redes de banda larga.

Empresas de TI e Telecom rejeitam reforma do PIS/Cofins

Estudo feito pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação estima que, caso aprovada, a reforma implicaria na eliminação de cerca de dois milhões de postos de trabalho. TI prevê o desaparecimento de um em cada cinco postos de trabalho. Em telecom, um prejuízo de R$ 2 bilhões/ano.

MCTIC tem 60 dias para apresentar mudanças à Lei do Bem

Dados de dezembro, mostram que menos de 1% das empresas tributadas no país que poderiam se beneficiar com a legislação, que concede incentivos fiscais para quem quer investir em pesquisa e desenvolvimento.

Congresso tem frente parlamentar contra a pirataria

Frente Parlamentar Mista em Defesa da Propriedade Intelectual e do Combate à Pirataria sustenta que o país perde R$ 120 bilhões anualmente por conta da pirataria.

Governo prepara lançamento do satélite da Telebras para o dia 21 de março

O Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) embarcou em direção ao Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa. O equipamento saiu da cidade francesa de Cannes, local onde foi construído pela empresa Thales Alenia.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G