GOVERNO » Compras Governamentais

TCU: faltam estratégia e coordenação na compra pública de TI

Luís Osvaldo Grossmann e Pedro Costa ... 20/03/2017 ... Convergência Digital

A fragmentação da produção e compra de tecnologia da informação entre os diversos órgãos do governo reduz a eficiência e aumenta os gastos públicos. A análise do Tribunal de Contas da União é de que o Estado precisa trabalhar com ganhos de escala, o que exige estratégia e coordenação. 

“A questão de escala é importante para que a gente promova ganhos de eficiência nas organizações governamentais. A gente tem acompanhado os modelos e as estratégias de TI ao longo dos últimos 10 anos e o que a gente nota é uma repetição de esforços. Muitas organizações fazem soluções ou desenvolvem estruturas que atendem apenas a própria necessidade e isso é muito caro”, disse o secretário de fiscalização de TI do Tribunal de Contas da União, Márcio Braz. 

Mas como lembrou durante o 2º Seminário Brasscom Políticas Públicas & Negócios, realizado nos dias 15 e 16 de março, em Brasília, isso exige uma estratégia comum. “A gente só vai ter ganhos de eficiência quando conseguirmos orquestrar as organizações públicas a trabalhar sob uma mesma estratégia. Não significa centralizar todo o serviço e produção de TI em um único organismo, que seria péssimo para inovação, mas propiciar que soluções às vezes simples não sejam feitas de maneira duplicada.”

“A estratégia de compra tem que estar ligada à estratégia de governança, à estratégia digital do governo como um todo. Se as compras públicas não estiverem alinhadas à estratégia, o órgão pode até fazer uma boa compra, necessária para sua realidade, mas sob o ponto de vista do governo como um todo não seria mais indicada, por atender apenas àquele ministério. Na medida que a gente consiga pensar no mais eficiente para o Estado, a gente consegue avançar no ganho de escala e ter economias que são necessárias.” Assistam a entrevista.


Diretor da Dataprev que propôs demitir mil funcionários pede exoneração

Desafeto político do presidente da estatal, Leandro Magalhães, Júlio César de Araújo Nogueira foi imposto para a diretoria da empresa pelo ex-ministro do Planejamento, Dyogo Henrique de Oliveira, que, agora, segue para a presidência do BNDES.

Câmara aprova urgência para votar a reoneração da folha de pagamento

Empresas de TI e de Call center podem ter de voltar a contribuir com alíquota de 20% , após 90 dias da publicação da nova legislação.

Decreto cria estrutura multissetorial para cuidar da transformação digital

A tradicional SEPIN, secretaria de Políticas de Informática, deixa de existir e se transforma na SEPOD, secretaria de políticas digitais, com Thiago Camargo Lopes à frente. Como política de Estado,  cobrança de resultados acontecerá em diversas pastas.

Estratégia Digital reúne antigas demandas e programas repaginados

Escolas conectadas, incentivos a isenções de ICMS, uso do Fust, apoio a startups, estímulo a exportações e até um novo Proinfo fazem parte das ações estratégicas que estimulem a economia digital no Brasil.

Jarbas Valente assume Telebras. Maximiliano Martinhão volta ao MCTIC

Seis meses e meio depois de assumir a presidência da Telebras, Martinhão, que estava antes à frente da SEPIN, retorna ao Ministério. Ele vai cuidar da Secretaria de Inovação.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G