NEGÓCIOS

Itaú Unibanco e Bradesco trabalham juntos em projeto de blockchain

Por Roberta Prescott ... 13/04/2017 ... Convergência Digital

O blockchain está unindo instituições financeiras concorrentes para estudar como a nova tecnologia pode ser usada. O maior exemplo disto foi a criação da R3, uma empresa de tecnologia financeira dedicada a trabalhar com os bancos para entender como eles podem tirar proveito do blockchain. Atualmente, a R3 reúne um consórcio com cerca de 80 bancos ao redor do mundo, incluindo os brasileiros Itaú Unibanco e Bradesco, que estão trabalhando juntos em alguns projetos. 

O Itaú Unibanco começou a testar a tecnologia em 2015 com Ethereum, se juntou ao R3 e hoje lidera, junto com outros bancos, um grupo de trabalho da Febraban sobre blockchain, revelou o executivo da instituição financeira, Igor Freitas. Segundo ainda ele, o banco trabalha - em modelo de prova de conceito - com a tecnologia para compartilhamento de informação cadastrais das pessoas, para que os dados passem ser das pessoas físicas e não das instituições. "Nossas provas de conceito sempre partem do negócio. A tecnologia tem de partir de ideia de negócio e fazer sentido para o banco e cliente."

Há cerca de um ano, em palestra no Ciab , Maurício Alban Salas, superintendente de arquitetura do Itaú Unibanco, havia revelado a criação de um centro de excelência com frentes estratégica, tecnológica e funcional com objetivo de mapear oportunidades e cenários e identificar parcerias de negócio e alianças estratégicas. Entre as possibilidades de adoção, Alban Salas citou o uso de blockchain como tecnologia para resolver problemas internos, como transações entre sistemas privados, e uso na negociação de debentures, com objetivo de reduzir a intermediação dos bancos no processo de emissão e negociação.

O Bradesco também começou testes em 2015 e, atualmente, conta com um grupo interdepartamental para estudar riscos e oportunidades. A prova de conceito da instituição, conforme relatou o executivo da instituição, George Marcel, foi na área de prevenção à fraude. Sem entrar em detalhes, o executivo do banco disse que há outras provas de conceito no pipeline. "Objetivo é termos um piloto em 2017 ou 2018."

O projeto de compartilhamento de dados é fruto de um desenvolvimento colaborativo, algo novo entre os bancos.  Nele, Itaú, Bradesco e B3 (resultado da fusão da BM&FBovespa com a Cetip para formar a B3 — Brasil, Bolsa e Balcão) estão juntos desenvolvendo a solução e avaliando qual plataforma é melhor para os casos de usos.

"Queremos entender melhor as diferenças de plataformas. Para implantar algo temos de concordar qual plataforma vamos usar e estamos discutindo isto. Está interessante trabalhar em conjunto com outros que são concorrentes", completou Marcel, do Bradesco. Os executivos participaram do evento Emerging Links, realizado em São Paulo.



Cobertura Especial do 2º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2017

Telebras desbanca teles e assume rede da Dataprev por R$ 292 milhões

Estatal assume rede que interliga 1,7 mil agências do INSS e data centers no lugar da Embratel, Telefônica, Oi e British Telecom.



Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do evento

Porto Alegre se frustra com arrecadação de imposto sobre streaming

Capital gaúcha foi a primeira do país a instituir a alíquota de 2% do ISS (Imposto sobre Serviço) em março deste ano. Mas Fazenda municipal admite: dinheiro que entrou nos cofres públicos foi abaixo do esperado.

Governo Trump bloqueia venda de fabricante de chips para fundo chinês

Venda da Lattice Seiconductor por US$ 1,3 bilhão, anunciada há 10 meses, foi vetada pelos Estados Unidos. 

Alemanha proíbe Microsoft de atualizar Windows sem autorização do usuário

Empresa enviava para usuários do Windows 7 e 8.1 arquivos variando entre 6GB a 8GB para forçar a atualização para o Windows 10. Em comunicado, a Microsoft diz que vai parar de usar essa modalidade no país.

Internet das Coisas cresce quase três dígitos e impulsiona o software

Estudo da Associação Brasileira das Empresas de Software revela que o mercado brasileiro de software e serviços no país ficou em R$ 57 bilhões em 2016, o que coloca o país em 9º lugar no ranking mundial. Brasil possui 15.707 empresas, sendo que 95% delas são consideradas de micro e pequeno porte.

TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G