Convergência Digital - Home

Nuvem não é 'modinha' e segue em primeiro lugar

Convergência Digital
Convergência Digital* - 17/04/2017

Não se enganem. A migração para a computação em nuvem segue tendo um forte impacto, direto ou indireto, sobre uma porcentagem cada vez maior dos investimentos anuais em TI, transformando a computação em Cloud em uma das forças mais disruptivas nos mercados de Tecnologia da Informação desde os primeiros dias da era digital, sustenta estudo do Gartner.

Quando as empresas têm que fazer decisões que envolvem o budget de TI, as opções de utilizar serviços em nuvem para iniciativas novas ou para substituir os sistemas existentes causam uma mudança nos investimentos, que migram das soluções de TI tradicionais para Cloud. Isso resulta na alteração para sistemas armazenados em Cloud e acontece com mais frequência pela postura de “Nuvem em primeiro lugar” que a maioria das empresas está adotando nas decisões sobre o destino de investimentos de TI.

“Essa orientação para ‘Nuvem em primeiro lugar’ continuará a aumentar a taxa de adoção e, consequentemente, a mudança para Cloud.  O índice de migração vai variar de acordo com a dinâmica de cada segmento do mercado”, explica Ed Anderson, Vice-Presidente de Pesquisas do Gartner. Estimativas da consultoria sobre os gastos com TI mostram que a previsão de investimento em sistemas para Data Centers é de US$ 175 bilhões em 2017, subindo para US$ 181 bilhões até 2020.

 Os investimentos em serviços de infraestrutura como serviço (IaaS) dos sistemas em Nuvem passarão de US$ 34 bilhões em 2017 para US$ 71 bilhões em 2020. No final de 2020, esses gastos representarão 39% do total de custos com sistemas para Data Centers. “Com as empresas buscando novas arquiteturas de TI e filosofias operacionais, elas se preparam para as novas oportunidades do mundo digital, que incluem soluções de TI da próxima geração como a Internet das Coisas (IoT)”, afirma o analista.

“As companhias que estão adotando modelos operacionais dinâmicos baseados em Nuvem estão se posicionando para otimizar seus custos e tornarem-se mais competitivas”, acrescenta Anderson. Por essas razões, sinaliza o Gartner, os provedores de serviços e tecnologia precisam ser agressivos ao identificar e aproveitar essas mudanças nos gastos de TI para capturarem novas oportunidades futuras de rendimento e administrarem suas rendas passadas.

“Os fornecedores de todos os tipos devem ficar atentos e ser proativos na busca por oportunidades de expansão relacionadas à Nuvem, além de diversificar seus negócios que serão impactados diretamente por essa mudança. Os provedores que não conseguirem administrar de forma correta e a tempo essa transformação serão vítimas dela e não conseguirão aproveitar as oportunidades das soluções que a Nuvem oferece”, completa Anderson.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.
3ª Semana da Inovação 2017
Huawei se prepara para ser fornecedor de nuvem pública do governo

Empresa planeja se tornar um dos principais fornecedores de computação em nuvem do governo brasileiro, a partir do fortalecimento de uma estrutura local.


Destaques
Destaques

STJ condena compartilhamento de dados de clientes entre os bancos

Foi mantida a condenação do HSBC. Tribunal considerou abusiva cláusula que não permite ao correntista optar se quer ou não abrir mão de seus dados.

Confaz tributa software em nuvem e streaming como Netflix

Decisão foi tomada em reunião do Conselho Nacional de Política Fazendária. Regra entra em vigor a partir de março de 2018.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?

Empresas de TI ou organizações dependentes dela?

Por Paulo de Godoy*

Considerada parte do ‘guarda-chuva’ da Inteligência Artificial, a Machine Learning vem crescendo e ganhando força à medida que o volume de dados explode.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site