INTERNET

STJ afasta cautelares contra executivo do Facebook

Luís Osvaldo Grossmann ... 19/04/2017 ... Convergência Digital

Não parece perto de terminar a batalha judicial que tenta forçar o WhatsApp a grampear conversas no aplicativo de mensagens. Mais de um ano depois de ter a prisão decretada, o vice presidente do Facebook na América Latina, Diego Dzodan, conseguiu do Superior Tribunal de Justiça um habeas corpus que o livra de medidas cautelares adicionais, adotadas depois que os graus superiores rejeitaram aquela ordem de prisão da primeira instância. 

O caso remete ao juízo de Lagarto, a maior cidade do interior de Sergipe, que por conta de uma investigação sobre tráfico de drogas determinou o ‘grampo’ de conversas de suspeitos pelo Whatsapp. Como o aplicativo alegou que a criptografia adotada impedia de fazê-lo, o juiz Marcel Montalvão acabou decretando a prisão preventiva do principal executivo do Facebook no Brasil – a rede social comprou o Whatsapp em 2014. Além de determinar o bloqueio do app em todo o país.

A prisão foi revogada no dia seguinte à prisão pelo TJSE e o bloqueio do aplicativo foi levado ao Supremo Tribunal Federal – onde foi proibido por liminar em processo que ainda aguarda julgamento e uma audiência pública sobre o tema, prometida desde o ano passado mas aparentemente esquecida pelo STF. 

Aparentemente, porém, a Justiça sergipana não ficou satisfeita, pois aplicou medidas cautelares adicionais contra o VP do Facebook: determinou que ele comparecesse mensalmente em juízo para informar suas atividades, além de proibi-lo de se ausentar do país sem antes informar à Justiça datas de saída e retorno. 

Nesta terça, 18/4, o STJ derrubou essas cautelares. Por unanimidade, a Sexta Turma acompanhou o voto do relator, Nefi Cordeiro, para quem as justificativas necessárias para a aplicação das medidas cautelares não foram apresentadas, o que não impede a fixação de novas cautelares por decisão fundamentada.

“Inobstante a identificação da ausência dos requisitos ensejadores da prisão preventiva, o acórdão recorrido aplicou medidas cautelares diversas da prisão ao recorrente e não apresentou fundamentação idônea, pois não apontou a necessidade e a adequação das cautelares impostas”, explicou o relator.

Vale lembrar que o Ministério Público Federal abriu uma nova frente contra o Facebook, e pessoalmente contra o vice-presidente da América Latina, que fica sediado no Brasil. Moveu contra Dzodan uma ação por desobediência, desta vez por negativas relacionadas a um processo que corre na Justiça do Rio de Janeiro. Essa ação também veio na esteira de uma negativa de um outro pedido de prisão conta o mesmo executivo.


Banda larga fixa: ISPs adicionam o dobro de novos acessos do que as teles

Foram 122 mil novos acessos de banda larga por parte dos provedores Internet. Já as teles, somadas, adicionaram 60 mil acessos no mês de junho.

Austrália proíbe servidor público de ‘curtir’ ou comentar contra o governo nas redes sociais

País criou um guia de conduta nas redes sociais com regras rigorosas. Uma delas exige que os funcionários públicos removam comentários desagradáveis, mesmo que de terceiros, ainda que naveguem fora de horário de trabalho. 

Banco Central adia regulamentação dos marketplaces

Autoridade Monetária atendeu pleito do setor varejista da Internet e deu mais tempo para a adequação às novas regras. De acordo com a FECOMÉRCIO/SP, pelo menos, 25 mil empresas seriam afetadas com a medida.

STJ diz que Facebook não é obrigado a fazer controle prévio das postagens

Para a ministra do Tribunal, Nancy Andrighi, exigir dos provedores de conteúdo o monitoramento das informações que veiculam “traria enorme retrocesso ao mundo virtual, a ponto de inviabilizar serviços que hoje estão amplamente difundidos no cotidiano de milhares de pessoas”.

ICANN dá vitória à Amazon na briga de domínio com os governos do Brasil e do Peru

Três anos depois de perder a primeira batalha, a provedora conseguiu uma revisão do processo na ICANN e recuperou o dominio .Amazon.

Revista Abranet 21 . junho/agosto 2017
Veja a Revista Abranet nº 21 Convenção Abranet 2017 reuniu provedores de Internet na Bahia para debater não apenas o mercado, mas também a atual situação do Brasil.
Veja também: Oportunidades no Wi-Fi; A revolução do blockchain; WannaCry para a Internet e muito mais.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G