INCLUSÃO DIGITAL

Representação na PGR pede investigação sobre satélite da Telebras

Luís Osvaldo Grossmann ... 19/04/2017 ... Convergência Digital

Depois de uma ação no Supremo Tribunal Federal, agora uma representação na Procuradoria Geral da República, subscrita por parlamentares e entidades sociais, pede que o Ministério Público Federal investigue irregularidades no plano da Telebras de oferecer em leilão a capacidade do satélite geoestacionário de defesa e comunicações. 

“Apenas 20% da capacidade civil do satélite será destinada a atender diretamente as demandas sociais de interesse público, tais como levar banda larga às escolas, postos de saúde, hospitais, postos de fronteira e outras localidades de grande interesse social”, sustenta a representação, apresentada nesta quarta, 19/4, à PGR. 

Ainda segundo essa argumentação, “assim, 80 % será repassado as grandes operadoras  como forma de captação imediata de recursos, menosprezando a importância de uma estratégia brasileira soberana de proteção das comunicações estratégicas do governo, bem como de ampliar o acesso à conexão à internet de qualidade”. 

A representação é assinada pelas deputadas Margarida Salomão (PT-MG), Luiza Erundina (PSOL-SP) e Luciana Santos (PCdoB-PE) e pelos deputados André Figueiredo (PDT-CE), Alessandro Molon (Rede-RJ) e Carlos Zarattini (PT-SP), além da senadora Fátima Bezerra (PT-RN) e os senadores Roberto Requião (PMDB-PR) e Lindbergh Farias (PT-RJ). Também encaminham o documento as entidades Proteste, Centro Barão de Itararé, Actatantes, Internet sem Fronteiras, Instituto Nupef, Intervozes, Coletivo Digital, FNDC e Ibidem. 

Eles ressaltam que na proposta apresentada pela Telebras – até aqui em um chamamento público com vistas ao leilão de capacidade – não consta “nenhuma obrigação de atendimento à população, meta de universalização da banda larga, ou preço mínimo fixo para venda da banda larga.  As empresas vencedoras terão total liberdade para se valerem do satélite exclusivamente com a intenção de satisfazer seus próprios interesses privados, sem qualquer exigência de contrapartida em benefício da população como um todo.”

A representação aponta, ainda, que o caráter público do satélite geoestacionário foi fundamental para que a Anatel concedesse licença à estatal sem necessidade de licitação. “Em nenhum momento do seu pedido de inexibilidade de licitação a Telebras informou, direta ou indiretamente, a sua pretensão em depois de adquirida a licença e tendo sido construído o satélite ao custo de R$ 2,7 bilhões, que o mesmo seria comercializado as grandes operadoras de satélites”, argumentam parlamentares e entidades. 

Além disso, alegam que o desvio de finalidade já implica em alteração do plano de negócios originalmente apresentado pela Telebras, com mudanças que, argumentam, no mínimo perderão a capacidade de pressionar para baixo os preços cobrados pelo mercado. “Ao optar por comercializar o SGDC e abdicar do papel público da Telebras, o que não constava do projeto inicial, a consequência será que o investimento de R$ 2,7 bilhões não irá baratear o acesso à internet banda larga na ponta. Em síntese, é uma transferência pura de patrimônio público para o setor privado.”

A representação ao MPF é mais uma tentativa de provocar mudanças no novo plano de negócios para o satélite, alterado depois da deposição de Dilma Rousseff e de mudanças na direção da Telebras. A primeira tentativa está formalizada em uma ação movida pelo PDT junto ao STF em que pede que seja anulado o edital de comercialização da capacidade do satélite.


Carreira
Reforma trabalhista: Não haverá contrato novo ou velho

“Se não, muitos empresários poderiam dispensar os trabalhadores da ‘lei velha’ e contratar outros com contrato novo, pela ‘lei nova’. Para não haver esse perigo, a lei aplica-se a todos os contratos em vigor no Brasil”, explica o Juiz do Trabalho, Marlos Melek.

TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

TV digital: Quatro milhões de kits distribuídos no país

Próxima etapa será na cidade do Rio de Janeiro e em 18 municípios do entorno. Expectativa é ampliar a distribuição em mais 1,2 milhão de kits, revela a Seja Digital, entidade responsável pela entrega dos equipamentos.

Palotina, no PR, investe em TIC para se transformar em cidade inteligente

Com pouco mais de 35 mil habitantes, a localidade está em processo de informatização da gestão pública e busca alternativa de investimentos para expandir a oferta de banda larga.

Telebras promete banda larga 10 vezes mais barata com novo satélite

Depois de roadshowm em São Paulo, estatal fará apresentações em Londres e Nova York para atrair competidores ao leilão da banda Ka que pretende realizar em 28 de agosto. 

Falta disposição política para criar cidades inteligentes no Brasil

Muitas prefeituras estão comprando tecnologia e criando uma 'torre de babel' dos seus sistemas, adverte José Marinho, diretor da Rede Cidade Digital. "Esses dados não vão gerar informações, não vão melhorar a gestão pública. Eles são um gasto", acrescenta.

Oi: Quase 60% dos domicílios da nossa região não têm banda larga

Ao falar sobre a nova lei geral de Telecom e bens reversíveis, o presidente da Oi, Marco Schroeder, diz que se 'os bens reversíveis valem R$ 100 bi, e não valem, eu vou vender a minha parte".

450MHz: Relator propõe dois anos para que teles troquem satélite por rede na área rural

Conselheiro da Anatel, Otávio Rodrigues, entende que as dificuldades não impediam o uso da faixa de 450 MHz e que o uso de soluções por satélite constituem descumprimento ao edital do primeiro leilão 4G, de 2012.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G