INCLUSÃO DIGITAL

Representação na PGR pede investigação sobre satélite da Telebras

Luís Osvaldo Grossmann ... 19/04/2017 ... Convergência Digital

Depois de uma ação no Supremo Tribunal Federal, agora uma representação na Procuradoria Geral da República, subscrita por parlamentares e entidades sociais, pede que o Ministério Público Federal investigue irregularidades no plano da Telebras de oferecer em leilão a capacidade do satélite geoestacionário de defesa e comunicações. 

“Apenas 20% da capacidade civil do satélite será destinada a atender diretamente as demandas sociais de interesse público, tais como levar banda larga às escolas, postos de saúde, hospitais, postos de fronteira e outras localidades de grande interesse social”, sustenta a representação, apresentada nesta quarta, 19/4, à PGR. 

Ainda segundo essa argumentação, “assim, 80 % será repassado as grandes operadoras  como forma de captação imediata de recursos, menosprezando a importância de uma estratégia brasileira soberana de proteção das comunicações estratégicas do governo, bem como de ampliar o acesso à conexão à internet de qualidade”. 

A representação é assinada pelas deputadas Margarida Salomão (PT-MG), Luiza Erundina (PSOL-SP) e Luciana Santos (PCdoB-PE) e pelos deputados André Figueiredo (PDT-CE), Alessandro Molon (Rede-RJ) e Carlos Zarattini (PT-SP), além da senadora Fátima Bezerra (PT-RN) e os senadores Roberto Requião (PMDB-PR) e Lindbergh Farias (PT-RJ). Também encaminham o documento as entidades Proteste, Centro Barão de Itararé, Actatantes, Internet sem Fronteiras, Instituto Nupef, Intervozes, Coletivo Digital, FNDC e Ibidem. 

Eles ressaltam que na proposta apresentada pela Telebras – até aqui em um chamamento público com vistas ao leilão de capacidade – não consta “nenhuma obrigação de atendimento à população, meta de universalização da banda larga, ou preço mínimo fixo para venda da banda larga.  As empresas vencedoras terão total liberdade para se valerem do satélite exclusivamente com a intenção de satisfazer seus próprios interesses privados, sem qualquer exigência de contrapartida em benefício da população como um todo.”

A representação aponta, ainda, que o caráter público do satélite geoestacionário foi fundamental para que a Anatel concedesse licença à estatal sem necessidade de licitação. “Em nenhum momento do seu pedido de inexibilidade de licitação a Telebras informou, direta ou indiretamente, a sua pretensão em depois de adquirida a licença e tendo sido construído o satélite ao custo de R$ 2,7 bilhões, que o mesmo seria comercializado as grandes operadoras de satélites”, argumentam parlamentares e entidades. 

Além disso, alegam que o desvio de finalidade já implica em alteração do plano de negócios originalmente apresentado pela Telebras, com mudanças que, argumentam, no mínimo perderão a capacidade de pressionar para baixo os preços cobrados pelo mercado. “Ao optar por comercializar o SGDC e abdicar do papel público da Telebras, o que não constava do projeto inicial, a consequência será que o investimento de R$ 2,7 bilhões não irá baratear o acesso à internet banda larga na ponta. Em síntese, é uma transferência pura de patrimônio público para o setor privado.”

A representação ao MPF é mais uma tentativa de provocar mudanças no novo plano de negócios para o satélite, alterado depois da deposição de Dilma Rousseff e de mudanças na direção da Telebras. A primeira tentativa está formalizada em uma ação movida pelo PDT junto ao STF em que pede que seja anulado o edital de comercialização da capacidade do satélite.


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

França vai banir celulares em escolas a partir de 2018

Anúncio foi feito pelo ministro da educação do país, Jean-Michel Blanquer. Medida valerá para estudantes menores de 15 anos. 

PNAD 2016: celular quase encosta em TVs nos lares brasileiros

Pesquisa do IBGE mostra que, em 2016, em 92,3% dos domícilios pelo menos um morador possuía um telefone celular. As TVs estão presentes em 97,4% dos domícilios. O acesso à Internet chegou a 63,6% dos domicílios, com o celular ganhando fácil dos PCs e tablets. 

Governo deveria abrir mão de três anos de impostos para levar banda larga para quem não tem

A proposta foi feita pelo diretor de desenvolvimento de Negócios da IBM Brasil, Rodrigo Santi, caso ele pudesse ter a 'caneta' para definir uma política pública para o setor no Brasil.

UIT alerta que apesar de avanços no Brasil, o fosso digital aumentou

Em ranking de 176 países, o Brasil melhorou uma posição, de 67º para 66º considerados os usos e habilidades das tecnologias da informação e comunicações, mas ainda tem muito por fazer se quiser aderir à era Inteligência Arficial, do Big Data ou da Internet das Coisas.

Governo estabelece o fim do feriado regulatório para fibra óptica

Governo quer fazer um diagnóstico das redes de acesso existentes no país. "Temos poucos dados e eles estão desatualizados", observa o diretor de Banda Larga do MCTIC, Artur Coimbra.

Telecentros renovam fôlego e ganham novo status na Inclusão Digital

A consulta pública aberta pelo governo para definir novas políticas públicas para Telecomunicações vai tratar de um tema caro: o compartilhamento e tratamento de dados, revela Américo Bernardes, Diretor do Departamento de Inclusão Digital do MCTIC.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G