GOVERNO » Compras Governamentais

Lava-Jato fez demanda do TCU por armazenamento de dados crescer 650%

Roberta Prescott ... 27/04/2017 ... Convergência Digital

O Tribunal de Contas da União (TCU) está migrando parte de seu armazenamento em discos para flash, após uma licitação no valor de R$ 4,6 milhões cuja vencedora foi a Pure Storage. Em conversa com jornalistas nesta terça-feira, 25/04, Renato Vilela, gerente de infraestrutura do TCU, explicou que houve aumento de 650% na demanda por armazenamento nos últimos três anos e que parte deste crescimento deve-se ao que chamou de “fator Lava-Jato”.

“A TI busca acompanhar as demandas da área de negócio. O “fator Lava-Jato” mudou o perfil da informação que armazenamos e a demanda por dados não estruturados”, explicou Vilela. De acordo com ele, a mega operação exige novos mecanismos para tratar e compartilhar informação entre os órgãos e isto pede sistemas com maior velocidade de processamento, storage e big data analytics.

O gerente de infraestrutura explicou que é muito difícil acertar quanto de capacidade de armazenamento o TCU vai precisar no longo prazo, mas disse que a migração para flash de parte dos equipamentos legados deve atender às demandas até o fim de 2018. Sem entrar em detalhes Vilela adiantou que o TCU fechou contrato com o SAS para provimento de sistemas de análise de big data e que está analisando tecnologias como Hadoop para modernizar seu parque de TI. Há também iniciativas para computação em nuvem privada.

Atualmente, o parque de storage do TCU é bastante diversificado, tendo como fornecedores EMC, HDS e Huawei, e chegando a um total 4,5 petabytes de espaço de armazenamento. O contrato com a Pure Storage prevê migração de 800 teras para flash, mas este número pode aumentar para 1 peta a 1,5 petabyte, se houver necessidade, disse Vilela. Até agora, 500 teras do legado já foi passado para flash. “Todo equipamento tem vida útil. À medida que migramos, os antigos são aposentados devido ao fim do clico de vida”, afirmou Vilela.

O processo da licitação durou aproximadamente dois anos, período quando as empresas fornecedoras de soluções de armazenamento foram ouvidas. O TCU acabou optando por especificar a tecnologia flash na licitação.

O flash representa uma mudança para o segmento de armazenamento. “Faltava ao mercado uma empresa que não estivesse presa ao passado. O nosso produto é feito para flash e não adaptado”, destacou Wilson Grava, vice-presidente e gerente-geral da Pure Storage para América Latina. Citando a IDC Grava, disse que até 2020 60% do mercado corporativo terá algo em flash. “Segundo a IDC, 90% dos dados atualmente não estão em flash. Este é o tamanho do mercado que podemos explorar”, disse, citando que na América Latina existe um mercado potencial de US$ 140 milhões — mundialmente, é de US$ 1,4 bilhão.

A evolução, explicou, segue a sequência de trocar o armazenamento em fita por discos baratos, destes para discos sofisticados e estes são migrados para flash. A próxima etapa no processo evolutivo é tecnologia NVMe (Non-Volatile Memory Express), mas esta ainda com pouca utilização.

Com presença no Brasil há pouco mais de dois anos, a Pure Storage atua 100% via canais, mas não divulga quantos parceiros ela tem. Globalmente, a empresa tem 3 mil clientes e 1700 funcionários. Desde o IPO em 2015, Grava afirma que a companhia triplicou de tamanho. A Pure Storage prevê faturamento de US$ 1 bilhão para o ano fiscal que vai de fevereiro 2017 até janeiro 2018, um montante acima dos US$ 728 milhões obtidos no ano fiscal anterior.


Carteira de trabalho digital tem mais de 110 mil downloads

Foram 2,6 mil downloads por dia desde o final de novembro quando o aplicativo foi lançado. A maior parte dos downloads foi para o Android.

Confederação de teles e TI quer R$ 1 bilhão para Sistema S das TICs

“Nossa prioridade para 2018 é garantir os recursos para esse sistema fazer frente às necessidades de formação e capacitação para a transformação digital”, diz o presidente do Sinditelebrasil, Eduardo Levy. 

Governo retoma piloto de IoT com chips para coleta de dados

Governo criou um comitê interministerial para integrar as políticas de RFID às do Plano Nacional de Internet das Coisas. Iniciativa, parada há três anos por falta de consenso, batizada de SINIAV, começa a sair do papel com pilotos em Pernambuco e no município de Santo André, em São Paulo.

Governo discute se IoT é valor adicionado ou Telecomunicações

"Há prós e contras e precisamos analisar bem para definirmos a melhor governança", diz o diretor do MCTIC, José Gontijo. Sobre Internet das Coisas, Gontijo é taxativo: O Brasil não pode adiar mais uma definição sobre Lei de proteção de Dados Pessoais.

Reforma tributária: Telecom fica na categoria do imposto seletivo

Em entrevista à Newsletter da Telebrasil, reproduzida pelo Connvergência Digital, o deputado Luiz Carlos Hauly, do PSDB/PR, explica que a sua proposta elimina 10 tributos.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G